Arroio Teixeira oferece sossego no veraneio

Arroio Teixeira oferece sossego no veraneio

Distrito de Capão da Canoa tem menos movimento que outras praias

Christian Bueller

Arroio Teixeira não tem a chamada "plantação de guarda-sol"

publicidade

Tem gente que busca fugir da agitação das praias mais visitadas e encontra locais mais tranquilos para levar a família. É o caso de quem vai a Arroio Teixeira, distrito de Capão da Canoa, mas que está longe daquele movimento. Nesta quarta-feira, a bandeira amarela e a água do mar mais limpa que o normal estimularam os banhistas, que não eram muitos. Justamente como o contador Luciano Lima, de Porto Alegre, estava procurando. “Sim! Aqui não tem aquela plantação de guarda-sol de Capão”, opina, enquanto toma chimarrão com a esposa Vanessa.

Em “Texas Beach”, como muitos moradores e veranistas apelidaram a praia carinhosamente, fez 28 graus e até choveu. Nada que assustasse a família Souza. Vindos da serra gaúcha, das cidades de Farroupilha e Caxias do Sul, os três irmãos Leando, Gilmar e Lizza aproveitaram a orla ao lado da mãe, Maria Luiza. Ela é avó da Luiza, 11 anos, que há pouco tempo havia se de parado com uma água-viva em sua perna. Nada grave, segundo a menina. Gilmar (“o mais velho e o mais bonito”), diz que a ida a Arroio Teixeira foi um bate-e-volta. “Viemos só para e depois voltamos, hoje ainda”.

Leandro lembra que a família ficaria na praia de Curumim, mas “tinha muito tumulto”. “Em janeiro, voltaremos para passar mais tempo, já escolhemos casa por aqui”. Enquanto isso, em Capão da Canoa, a “plantação de guarda-sóis” citada pelo contador Luciano se via em boa safra: na maioria dos pontos, principamente junto a quiosques, o distanciamento social foi pouco respeitado e o uso das máscaras pouco recorrente.


publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895