Cão D'Alessandro é adotado por agência bancária de Terra de Areia

Cão D'Alessandro é adotado por agência bancária de Terra de Areia

Após receber crachá de identificação, cachorro irá morar na casa da gerente do banco

Por
Christian Bueller

Após receber crachá de identificação, cachorro irá morar na casa da gerente do banco


publicidade

Raça indefinida, dócil e que adora um ar-condicionado. Era tudo o que se sabia sobre um cachorro que apareceu na agência do Banrisul de Terra de Areia, Litoral Norte gaúcho, há alguns dias. Entrava, passava o dia nas proximidades dos caixas eletrônicos sem incomodar ninguém e ia embora no fim do expediente. Aos poucos foi conquistando clientes e funcionários. As estagiárias Patricia Pereira e Adna Fagundes e a terceirizada Daiane Feilstrecher começaram a alimentar o novo amigo canino.

“Ele estava bem magrinho e agora está bem mais forte”, lembra Daiane, que quando aparece na frente do cão, causa abanos de rabo para todo o lado. Depois que a agência fecha, a cama é na igreja, que fica perto. Não demorou para ele ganhar um nome. “Temos um colega que é muito colorado e batizou de D’Alessandro”, sorri Patrícia. O homônimo do jogador do Inter, além de um nome, conquistou também um crachá de estagiário, uma brincadeira das “colegas”. “Ele anda bem à vontade mesmo, chega a abrir a porta da agência sozinho”, dia Adna.

Os funcionários do banco esperaram para ver se aparecia o real dono do D’Ale – como é chamado carinhosamente -, o que nunca aconteceu. Clientes da agência gostaram de ver a novidade de quatro patas entre filas nos caixas, saques e depósitos. Juarez Silveira é um deles. “Este gesto é de se elogiar em todo o Brasil. Um cachorro bem calmo, que traz um bom clima para o ambiente. Esse estagiário tem que ter direito a um salário”, brinca.


Alegre e “dado”, D’Ale gosta de um afago e chega a baixar a cabeça para receber o carinho, entre uma deitada e outra perto do ar-condicionado. Ao invés de recompensa financeira, D’Alessandro vai ter, a partir deste final de semana, outra coisa: um lar. A gerente da agência, Fernanda Peres, só esperaria o marido chegar para buscá-la para levar o tranquilo animal. “Como o dono não apareceu, todo mundo aqui adotou, no fim”, conta. A ideia é dar mais espaço e amigos da mesma espécie a D’Ale. Como diz Adna, agora “o estagiário vai ser promovido”.