Correio do Povo

Porto Alegre, 2 de Setembro de 2014


Porto Alegre
Agora
15ºC
Amanhã
14º 21º


Faça sua Busca


Notícias > Geral

ImprimirImprimir EnviarEnviar por e-mail Fale com a redaçãoFale com a redação Letra Diminuir letra Aumentar Letra

06/04/2014 20:53 - Atualizado em 06/04/2014 21:07

Presidente da CEEE admite que greve pode causar faltas de luz isoladas

Gerson Carrion garantiu abastecimento, mas alertou para problemas pontuais do sistema

O presidente da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Gerson Carrion, admitiu que problemas de interrupção de luz podem vir a ocorrer no Rio Grande do Sul em função da greve dos servidores. A paralisação completa uma semana nesta segunda-feira. Carrion garante não haver problema de abastecimento, mas explica que a falta de servidores pode gerar quedas em pontos isolados do sistema.

“O que pode haver é interrupções pontuais, mas elas serão restabelecidas pelo nosso serviço terceirizado, o que ocorre em tempo menor se o efetivo está 100% trabalhando. Então eu peço a compreensão dos gaúchos em relação ao tempo de reposição", relatou Carrion. Ele também pediu cuidado para os casos de cabos rompidos. "Evitem arrumar, o que pode ser fatal”, observou.

O alerta já havia sido dado pelo Sindicato dos Eletricitários (Sinergisul). Além de falhas de interrupção de energia, problemas de atendimento do call center e de manutenção também foram antecipados pela representação. O Sinergisul cogitou, ainda, atraso na emissão de contas de luz.

Desde sexta-feira, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) determinou que 70% dos funcionários em greve retomem, de forma imediata, as atividades nas áreas operacionais e de call center. O Sinergisul, porém, não respeitou a decisão durante o final de semana e só vai avaliar a determinação da Justiça em assembleia na manhã desta segunda-feira.

Na próxima quarta-feira, diretores da CEEE e do Sinergisul se reúnem no TRT para avaliar a greve dos servidores. A categoria rejeitou a proposta que previa o pagamento de 5,38% de reajuste salarial em parcela única e o aumento de R$ 5 no vale-alimentação - de R$ 845 para R$ 850. Os servidores querem 12% de aumento real, vale-alimentação de R$ 1,2 mil, manutenção do Plano de Participação nos Resultados (PPR) e auxílio maior para custear o plano de saúde, dos atuais R$ 275 para R$ 600 - o dobro do que a CEEE oferece.


Bookmark and Share


Fonte: Lucas Rivas/Rádio Guaíba






O que você deseja fazer?

Busca

EDIÇÕES ANTERIORES

Acervo de 09 de Junho de 1997 a 30 de Setembro de 2012. Para visualizar edições a partir de 1 de Outubro de 2012, acesse a Versão Digital do Correio do Povo. No menu, acesse “Opções” e clique em “Edições Anteriores”.