Porto Alegre, segunda-feira, 22 de Dezembro de 2014

  • 15/04/2014
  • 23:10
  • Atualização: 23:15

Sindicato contestará padrão de cor em uniforme de taxistas na Capital

Regra para vestimenta entrará em vigor a partir de 1º de maio

Regra para vestimenta entrará em vigor a partir de 1º de maio | Foto: Lucas Barroso/PMPA/Divulgação CP

Regra para vestimenta entrará em vigor a partir de 1º de maio | Foto: Lucas Barroso/PMPA/Divulgação CP

  • Comentários
  • Wagner Machado/Rádio Guaíba

Apesar de apoiar a resolução que prevê, a partir de 1º de maio, vestimenta-padrão para os taxistas da Capital, o presidente do Sintáxi, Luiz Nozari, adiantou que vai questionar exigência de que a cor da camisa do uniforme seja azul. De acordo com ele, no decreto não há essa regra e, antes de obrigar os taxistas, é necessário alterar a lei.

Em Porto Alegre, segundo registros da EPTC, mais de 10 mil profissionais conduzem os 3.920 táxis da cidade. De acordo com o determinado, os taxistas, tanto homens como mulheres, terão de utilizar camisa social (manga curta ou longa) ou camisa pólo na cor azul e calça social ou jeans em cores escuras. As peças devem ser lisas, sem estampas, manchas ou descolorações. Não é permitido o uso de bermuda, chapéu ou boné. O taxista pode optar, ainda, entre calçados fechados e sandálias.

Nozari enfatiza que a Lei nº 11.582, que entrou em vigor em 21 de fevereiro de 2014, não estabelece cor para o uniforme. Ele defende que o texto seja respeitado na íntegra e sustenta que, da forma como divulgou a EPTC, o azul se mostra imposição. “O que está na lei é o que vamos defender. Determinar cor gera custo. Vamos nos reunir e ver o que o pessoal acha. Não pode ser imposto, o convencimento é o melhor caminho “, avaliou.

Em contrapartida, o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, fala que a categoria aprovou a medida e está sendo orientada. “Já tivemos reuniões e seguimos em contato com os sindicatos e permissionários dos táxis. Essa medida é importante para criar uma identidade para os taxistas, assim como já acontece com os rodoviários e motoristas de lotações. A categoria opinou sobre o tipo de vestuário e está de acordo com o padrão estabelecido”, declarou.

Bookmark and Share