Porto Alegre, 29 de Julho de 2014

UM TEMPO

Postado por Hiltor Mombach em 21 de julho de 2014 - Esportes

Retorno em breve, na próxima semana.
Um tempo para Portugal, com a família, fato raro para quem sempre viaja trabalhando.
Um tempo para boa culinária e ótimos vinhos.
De quebra, museus, castelos e  muitas visitas.




Não decolou

Postado por Hiltor Mombach em 20 de julho de 2014 - Esportes

Quem não tem atacante marcando gols que se vire com meio-campista talentoso.
Giuliano marcou logo no começo da partida contra o Figueirense, no Orlando Scarpelli, e acabou com uma série de quatro jogos sem vitórias e gols para o Grêmio no Brasileirão.
Barcos passou mais uma vez em branco e novamente foi substituído por Lucas Coelho.
Teimoso este Enderson Moreira.
Não quer admitir de forma alguma que está mais do que na hora de poupar Barcos das vaias, dando lugar a um garoto ou colocando outro atacante. Giuliano salvou a pela do treinador. Três pontos importantes.
Não decolou
A magra vitória sobre o modesto Figueirense (que jogou parte do segundo tempo com 10) foi importante mas não escondeu as deficiências do time.
O que está faltando, jogadores de qualidade ou a mão do treinador?
Não adianta os dirigentes darem letrinha de que falta isto ou aquilo como quem manda recado para o treinador.
Dirigente cobra diretamente e fim de papo.
Pelo menos quem tem este poder.




Eu vi Fernandão!

Postado por Hiltor Mombach em 20 de julho de 2014 - Esportes

Abel mandou a campo para encarar o Flamengo um Inter com Dida, Wellington Silva, Paulão, Juan e Fabrício; Wellington, Willians, Aránguiz, D’Alessandro e Alan Patrick; Rafael Moura e Fernandão.
Doze?
Treze com a torcida desfilando todos os cânticos.
Impregnado pelo espírito de Fernandão, que contagiava jogadores e torcedores, o time começou arrasador: aos 15min Rafael Moura fez 1 a 0.
Depois, pegou uma camisa com o número 9 e o nome de Fernandão escrito às costas e fez uma comovente saudação ao eterno capitão.
Há anos não se via um Inter tão compacto, azeitado.
Estava em campo o Inter de Fernandão.
Antes do final do primeiro tempo, 2 a 0. Abel não sacou Fernandão no intervalo.
Ele voltou.
Para continuar sendo homenageado com mais dois gols num 4 a 0 de tirar o chapéu, numa atuação memorável, de luxo, impecável: quase 20 conclusões contra uma.
Um massacre.
Quem disse que a alma de um ídolo não se eterniza numa camiseta?
O Inter de domingo tinha alma, a alma  de Fernandão.
Eu vi Fernandão pairando pelo estádio, presente em cada lágrima, em cada lance, em cada gol de um domingo que surge como uma dádiva dos deuses do futebol.
Obrigado, Fernandão.




Minha depressão, outro

Postado por Hiltor Mombach em 19 de julho de 2014 - Esportes

Tática
A questão é tática. Dá para fazer Inter e Grêmio jogarem mais? Acho que
dá. Mas com uma sequência tática. Vejam: nem peço um bom esquema, mas a
manutenção do esquema. Senhor Enderson, responda rápido: com quantos
volantes joga o Grêmio hoje? Qual é o seu time principal? Estamos quase em
agosto, que talvez  seja o mês de um desgosto ainda maior.

Rodada
Teremos Figueirense x Grêmio neste sábado. Espero não ter que ouvir a
direção do Grêmio falar em jogo complicadíssimo só porque o Figueirense
ganhou do Coritiba na última rodada. Vou lembrando que tanto o Figueira
como o Coxa estão na zona do rebaixamento. Leio que  o zagueiro Saimon
terá uma nova chance na lateral-esquerda, já que o treinador considera
Breno ainda inexperiente para assumir de vez a posição. Bah! Saimon tem
uma experiência daquelas como lateral! O cara era preterido como zagueiro
e agora virou solução para a lateral? Tem cada uma.




Minha depressão, ainda

Postado por Hiltor Mombach em 19 de julho de 2014 - Esportes

De um lado
Vejam o que diz o site do Inter: “O time que retomou a disputa do
campeonato nacional não pôde contar com Aránguiz, em processo final de
recondicionamento físico. João Afonso atuou em seu lugar. Alex, que
recupera-se de desgaste muscular, foi outra baixa. Já o argentino Martín
Luque teve seu nome divulgado no BID, mas só em condição de fazer estreia
oficial a partir do jogo de domingo.” Desculpas e mais desculpas. As
esperanças contra o Corinthians terminaram em 10min.

Do outro lado
Recebo o seguinte e-mail: “O Grêmio dá mais um passo em seu  processo de
modernização e inovação e anuncia a implantação de  tecnologia de última
geração da SAP, líder mundial em aplicativos de negócios, para aprimorar a
gestão de desempenho de seus atletas. O time será o primeiro da América
Latina a adotar uma aplicação para análise de dados – em tempo real – para
melhorar o acompanhamento e a performance dos jogadores.” Agora vai. Não,
agora não, amanhã…No futuro. E o time? Ah, o time tem zagueiro na
lateral e outros absurdos.




Minha depressão

Postado por Hiltor Mombach em 19 de julho de 2014 - Esportes

Estou deprimido.

Culpa da volta do Brasileiro.
E do fim da Copa do Mundo.

Deprimido e com com uma falta de esperança de dó em torcedor da seleção do
Irã. Nestes momentos padeço de coitadismo.
Quase sempre sou um otimista,
mas não dá mais para carregar otimismo algum.
Veja que ontem mesmo tentei
montar um time juntando jogadores de Inter e Grêmio.
Para ver se dava uma
coisa pelo menos parecida, mesmo que de longe, com a Alemanha.
Não deu nem
uma Suíça.
Nem uma Costa Rica.
Para agravar minha profunda depressão
minha caixa de mensagens está entupida de textos de colorados e gremistas
também deprimidos.
A  depressão é geral, contagiante e irrestrita. Vejam
este trecho do e-mail de Dênis Schorr: “Do meu sogro gremista:
“Após
assistir a grandes jogos da Copa, é brabo ver Grêmio x Goiás. Retruco: -
Querido sogro, o que está ruim sempre pode piorar: tive que ver o Inter
hoje (quinta-feira).” Quando o assunto é Brasileiro, Inter e Grêmio só
ganham no papo. Papo furado.
Sempre falta um jogador, um isto, um
aquilo….As mesmas e eternas evasivas.
O que mais irrita e constrange é o
futurologismo. Sempre há um jogador para entrar que surge como a salvação
da lavoura.
Ou um programa novo de computador que fará laterais abaixo do
razoável ou zagueiro improvisado como lateral cruzar dez vezes por partida
com perfeição.
Tudo é para amanhã e, amanhã, para outro dia.




#LAHMTERNA #ÖZIKA

Postado por Hiltor Mombach em 18 de julho de 2014 - Esportes

LAHM-TERNA

#LAHMTERNA #ÖZIKA

 




Novos rumos na CBF

Postado por Hiltor Mombach em 18 de julho de 2014 - Esportes
Clique na imagem para ampliar

 




Retorno deprimente

Postado por Hiltor Mombach em 18 de julho de 2014 - Esportes

Do meu sogro, gremista, ontem: “Após assistir a grandes jogos da Copa, é brabo ver Grêmio x Goiás”.

Retruco: – Querido sogro, o que está ruim sempre pode piorar: tive que ver o Inter hoje.

Liguei a TV às 19h25min pra ver o Inter. Vejo os jogadores entrarem em campo unidos, juntos, de mãos dadas? Nada disso, todos dispersos, largados, como se estivessem indo à praia. Ali, já adivinhei o que viria depois: derrota certa.
Aos 15minutos do primeiro tempo, perdi qualquer tesão ou vontade de seguir vendo o jogo.

Quase 40 dias sem jogos por causa da Copa, os times se reforçando e o Luigi de braços cruzados vendo uma  equipe, fraca.
O “time” atual irrita, revolta e deprime o seu torcedor. Ah, o jogo ainda está recém no segundo tempo quando escrevo, e se virar? Duvido! E aposto um café que esse grupo sequer vai esboçar uma reação. Se não levar mais de dois gols estará de bom tamanho. Jorge Henrique titular de NOVO? DEPRIMENTE!

Abraço, Dênis Schorr

 




Apagão

Postado por Hiltor Mombach em 18 de julho de 2014 - Esportes

Parece até que o Inter andou assistindo  demais aos últimos jogos da Seleção Brasileira durante a Copa do Mundo. Por 80 minutos, o time não desfilou a melhor das atuações e pecou na criação de jogadas, mas ao menos manteve-se regular. O problema é que nos primeiros 10 minutos, desperdiçou uma boa chance, foi amplamente dominado, sofreu dois gols e quando viu, o estrago era grande demais para recuperar.




Parado é melhor

Postado por Hiltor Mombach em 17 de julho de 2014 - Esportes

Luan depois do empate contra o Goiás: “Não sei o que aconteceu.
O time fez um boa preparação enquanto esteve parado, mas hoje não conseguiu fazer o gol. Vamos trabalhar para melhorar.”
A melhor fase do ano foi com o time parado.




Lado esquerdo

Postado por Hiltor Mombach em 17 de julho de 2014 - Esportes

Enderson obviamente sabe e por isto errou ainda mais feio.
Ao ver que o Grêmio era uma completa nulidade pela esquerda no segundo tempo deveria ter sacado Saimon para a entrada de Zé Roberto, que conhece bem esta função e certamente daria melhor movimentação ao setor.
Mas preferiu segurar o Goiás.
O Goiás minha gente!