Porto Alegre, 27 de Maio de 2015

As pernas curtas da mentira

Postado por Hiltor Mombach em 27 de maio de 2015 - Esportes

A mentira tem pernas curtas.
Plantaram aqui e ali, e deu frutos, a informação de que Felipão havia perdido a liderança do grupo de jogadores e, também por isto, acabou sendo fritado.
Eheheheh!
Vou fazer de conta que acredito tão-somente para formular uma pergunta: se Felipão não tinha o comando, como contratar um treinador de fala mansa, bem mais jovem e sem o currrículo do antecessor?




Comissão aprova novas regras de trabalho para técnicos de futebol

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Comissão aprova novas regras de trabalho para técnicos de futebol

Entre outras medidas, proposta determina que contratos tenham duração de pelo menos seis meses e estipula indenização em caso de demissão antecipada do treinador

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou proposta que fixa regras de trabalho para treinadores e atletas profissionais de futebol. 

Entre outras medidas, o texto permite que atletas atuem como técnicos, determina que os contratos de treinador durem pelo menos seis meses, estipula indenização em caso de demissão antecipada, cria conselhos de treinadores e regulamenta férias.

As ações estão previstas no Projeto de Lei 7560/14, do deputado José Rocha (PR-BA). A proposição altera as leis 8.650/93 e 9.615/98 (Lei Pelé), que tratam do assunto.

A matéria recebeu parecer pela aprovação da relatora, deputada Gorete Pereira (PR-CE). “A valorização do atleta profissional e do técnico de futebol é uma contribuição importante para a qualidade do nosso esporte”, disse.

Direitos do treinador
O texto determina que os períodos de concentração, viagens e pré-temporada devem ser pagos como acréscimos de remuneração ao treinador. Além disso, garante um dia de folga semanal ao técnico, de preferência após a partida do fim de semana.

O contrato do treinador, conforme o projeto, será rescindido caso o salário, o recolhimento do FGTS ou do INSS estejam atrasados por três meses. Nessa hipótese, o profissional poderá escolher outro time para trabalhar, além de receber o valor dos salários devidos até o fim do contrato. Se o salário estiver com dois meses de atraso, o técnico poderá se recusar a trabalhar.

As entidades desportivas deverão contratar seguro de vida e de acidentes para o técnico com indenização mínima igual ao valor do contrato.

Em caso de demissão, o novo treinador só poderá ter o contrato registrado após o clube pagar o valor da cláusula de rompimento ao profissional demitido.

Atletas
Para participar de competição, a proposta prevê que o atleta tenha de fazer pré-temporada de 30 dias logo após suas férias. O texto também define descanso mínimo de 66 horas para os jogadores entre as partidas, sob pena de perda de pontos do time.

Além disso, torna-se obrigatória a representação de atletas em órgãos e conselhos de dirigentes esportivos, com direito a voto, a fim de elaborar e aprovar o regulamento dos torneios.

Modificações
A proposta foi aprovada pela Comissão de Trabalho com duas modificações. Uma das emendasmuda a redação do item que prevê os casos em que atletas, auxiliares técnicos e preparadores de goleiros poderão atuar como treinadores de equipes profissionais. Além de possuir certificado emitido por sindicato de atletas ou pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF), eles deverão comprovar o exercício da profissão por três anos seguidos ou cinco alternados e participar de curso de formação.

A outra emenda retira do projeto a proibição de jogos entre as 11 e as 17 horas durante o verão. “Embora compreendamos o desejo de poupar atletas e treinadores de desgastes físicos, discordamos da ideia. Muito do que acontece no universo do futebol transcorre nos fins de semana e exatamente nos horários vedados”, argumentou a relatora. Segundo ela, a medida se desconecta do seu propósito de estimular o futebol, especialmente nas categorias de base.

Tramitação
O projeto, que tramita em caráter conclusivo, ainda será examinado pelas comissões do Esporte; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:




A cara do Grêmio ou os caras do Grêmio

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Roger, o novo treinador, em coletiva nesta terça-feira: “Desejo uma equipe que tenha a cara do Grêmio, jogando um bom futebol”.
Com Roger, voltou o velho clichê.
Felipão tinha a cara do Grêmio.
Renato tinha a cara do Grêmio.
Roger tem a cara do Grêmio.
Luxemburgo não tinha a cara do Grêmio.
Nem Enderson Moreira.
O Grêmio multicampeão tinha a cara do Grêmio ou refletia em campo a cara dos seus jogadores e dirigentes?
Há 15 anos o Grêmio quer que o Grêmio tenha um time com a cara do Grêmio.
Há 15 anos o Grêmio tem muitas caras menos a cara do Grêmio multicampeão.
Mazaropi, Paulo Roberto, Baidek, De León, P.C. Magalhães, China , Osvaldo, P.C. Lima, Renato, Tarciso, Mário Sérgio e, na batura, Valdir Espinosa.
Todos blindados por  Fábio André Koff, Alberto Galia, Túlio Macedo, Rudy Armin Petry, Antônio Carlos Verardi, Adalberto Preis, Mário Leitão, Mauro Rosito e Ziuton Bohmgahrem.
Com este time e este comando dá para entender porque o Grêmio tinha cara.
O Grêmio tinha cara porque, em campo, estavam os caras.
E fora de campo também.




Visita Colorada / O Inter responde ao torcedor

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Boa noite Hiltor,

Me chamo Rafael Oliveira e sou o diretor da Visita Colorada e Museu do Inter.

Ao ler em sua coluna o relato do leitor Maiquel Adam, a respeito de sua frustrada visita ao Beira-Rio no último sábado, fui tomado por um sentimento de profunda tristeza, pois a experiência vivida por este colorado é exatamente a oposta àquela que buscamos proporcionar aos nossos visitantes.

O Estádio Beira-Rio recebe semanalmente milhares de visitantes oriundos de todas as partes do planeta, pertencentes às mais diversas classes sociais e que compartilham o encantamento com a beleza do estádio sede da Copa do Mundo.

Diversas datas são reservadas para recebimento de entidades e grupos assistenciais, oferecendo a todos  a oportunidade de realização deste sonho.

Desta forma asseguro ao colorado Maiquel Adam e aos teus demais leitores que não pouparemos esforços para que esta situação não se repita, e desde já me coloco à disposição para que em uma nova oportunidade possamos oferecer a ele e sua família a visita ao Beira-Rio em toda sua plenitude.

Saudações Coloradas,–


Rafael Oliveira
Diretor de Relacionamento Social
Museu do Inter / Visita Colorada




O futuro de Roger não depende de Roger

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Não sei de Roger dará certo como treinador.
Ninguém sabe.
Trata-se de uma aposta.
Luxemburgo não era uma aposta e fracassou.
Enderson era uma aposta e fracassou.
Renato era um ídolo que deu certo num período e foi mal em outro.
Felipão era uma certeza e fracassou.
Neste momento a questão não é o técnico.
É quem dá sustentação ao técnico.
Roger precisaria de um cascudo ao seu lado.
Um dirigente cascudo.
Capaz de blindá-lo contra as fofocas.
Com o quadro atual, Roger será mais um a enfrentar um processo de fritura.
Ele conhece a aldeia, sei.
Mas Renato e Felipão também conheciam e foram engolidos.
Romildo dará sustentação a Roger?
Só se indicar um vice de futebol que coloque ordem na casa.
E se promover mudanças na assessoria de futebol.
No mais, muitos gremistas vinham pedindo Roger.
Ou seja, entra com apoio do torcedor.




Roger é a aposta do Grêmio

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Do site do Grêmio

Roger Machado Marques é o novo técnico do Grêmio. Com contrato até o final do ano, o ex-lateral do Tricolor chega para comandar a equipe para a disputa do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil. Auxiliar técnico do Clube de 2011 a 2013, quando assumiu interinamente o time em algumas oportunidades, ele retorna após atuar como técnico do Juventude e do Novo Hamburgo.

Aos 40 anos, Roger trará consigo o auxiliar técnico Roberto Ribas e trabalhará ao lado da comissão técnica permanente do clube, composta pelo auxiliar James Freitas, pelo preparador físico Rogério Dias e pelo preparador de goleiro Rogério Godoy. Fará seu primeiro treinamento na tarde desta terça-feira, no CT Luiz Carvalho, e logo após será apresentado oficialmente na sala de imprensa Antônio Augusto.

Nenhum treinador em atividade no Brasil é tão identificado com o Grêmio quanto Roger. Como jogador, surgiu nas categorias de base subindo em 1994, quando estreou como profissional. Atuou até 2003 constituindo-se em um dos mais vitoriosos atletas da história da instituição. Neste período, ganhou 16 títulos como profissional, tendo disputado 504 jogos oficiais com sete gols marcados. Em 1995 e 2001 chegou a defender a Seleção Brasileira. Roger jogou também no Vissel Kobe, do Japão; no Fluminense, onde conquistou a Copa do Brasil de 2007; e D.C. United. É atleta da Calçada da Fama do Grêmio desde 13 de setembro de 2011.

 




Felipão caiu na frigideria

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Felipão teria sofrido um processo de fritura no Grêmio e, por isto, decidiu pedir demissão.
Não é o primeiro a sofrer tal processo nos últimos anos.
O processo é interno e externo, com plantação de informações.
Uma delas: de que teria perdido o controle do grupo.
Mentira.




Faturamento com Beira-Rio saltou de R$ 41,1 milhões para 71,1 milhões

Postado por Hiltor Mombach em 26 de maio de 2015 - Esportes

Com o Beira-Rio fechado para reformas o Inter faturou R$ 44,1 milhões em 2013 consideradas as receitas com sócio-torcedor, bilheteria e outras explorações.
Ficou em quinto lugar num estudo realizado por Amir Somoggi que leva o título de “maiores receitas com estádios no Brasil”.
A Arena do Grêmio liderou com R$ 67,4 milhões.
Inaugurado em abril de 2014, o Inter saltou para segundo lugar com R$ 71,1 milhões. Arrecadação que só faz crescer nesta temporada.
A Arena ficou em 4º no ano passado com R$ 51,5 milhões.
A bilheteria da Arena e outras explorações são da Arena Porto-Alegrense.
Como a empresa teve prejuízo até aqui, nada sobrou para o clube.




Ao assumir o futebol, Romildo acaba com a plantação

Postado por Hiltor Mombach em 25 de maio de 2015 - Esportes

A longa reunião do Conselho de Administração do Grêmio terminou com a definição de que Romildo Bolzan continuará exercendo a função de vice de futebol.
Primeiro, Romildo ouviu de Adalberto Preis, convidado na semana passada e que tinha o apoio de todo o CA, de que não poderia assumir agora.
Depois, pediu se Marcos Herrmann não aceitaria desempenhar a função.
Diante de nova negativa, decidiu que exercerá a função de forma interina.
Com Romildo assumindo o futebol, o Grêmio esperar ter fechado o seu RH.
Havia fila para entrega de currículos.
Jamais se viu tamanha plantação de informações.
Se Preis tivesse aceito o convite, muito provavelmente teria coragem para bancar Roth.
Sim, porque é preciso coragem para bancar um treinador que não tem o respaldo do torcedor num momento de crise.
Mas não apenas Roth.
Preis trabalharia muito bem com Renato.
Deste, a torcida gosta.




Romildo como vice de futebol / Preis não aceitou

Postado por Hiltor Mombach em 25 de maio de 2015 - Esportes

Na reunião desta segunda-feira do Conselho de Administração
do Grêmio ficou definido que Romildo Bolzan acumulará
os cargos de presidente e vice de futebol.
Preis foi convidado e não aceitou por motivos particulares.




Visita frustrada ao Beira-Rio

Postado por Hiltor Mombach em 25 de maio de 2015 - Esportes

Prezado Hiltor! 

Sou assíduo leitor de sua coluna, e gostaria de utilizá-la para expor minha indignação referente a Visita Colorada. Sou um típico torcedor colorado interiorano, movido pela paixão pelo meu time. Moro em Almirante Tamandaré do Sul, distante mais de 300km da capital, o que por si só já dificulta nossa presença no estadio por exemplo. No sábado dia 23 de maio, estava em Porto Alegre juntamente com minha família e decidimos (por ser toda família colorada) ir ao Beira Rio realizar a visita guiada pelo novo estádio. Era a primeira vez que eu e minha esposa iríamos s ao estádio depois da remodelação.
Conosco foi meu avô de 75 anos, que pela primeira vez na sua vida visitava o estádio, visto que também mora no interior perto de nós.
Visitamos o site do clube para sabermos dos horários das visitas, meu primo que mora em Poa tentou em vão ligar mais de 07 vezes ao numero indicado no site, sendo que uma vez o telefone estava ocupado e nas seis seguintes chamava até cair a ligação sem que ninguém atendesse.
Diz o site que deveríamos comparecer 20 min antes da visitação, contudo, para nos precavermos chegamos 40 min antes do horário de início da visita das 17 horas.
Para nossa surpresa ao chegarmos, fomos informados que não haviam mais ingressos disponíveis para a visita, sendo que fui pessoalmente ao guichê conversar com a atendente que, mal educada não aceitou qualquer argumento.
Disse a ela que viajamos mais de 300km para visitar o estádio, que era nossa primeira vez desde a remodelação e que meu avô nunca tinha vindo antes, que eramos do interior, enfim explicamos toda situação em vão, sendo que não houve qualquer interesse de nos ajudar.
Um grupo de visitação saia do estádio no momento que estávamos no portão. Solicitei encarecidamente para que a portaria deixasse que eu entrasse e tirasse uma ou duas fotos, que não levaria mais de dois minutos sendo que os demais (06) pessoas ficariam do lado de fora, ao menos para que não perdêssemos a viagem.
Mas nem isso consegui, apesar da gentileza da porteira, essa me disse que não poderia autorizar, senão seria cobrada por seus superiores.
Sem que pudéssemos visitar “nosso” estádio resolvemos então visitar o Museu Colorado, compramos os ingressos que nos custaram R$ 10,00 por pessoas (eramos 07 pessoas) no total. Sendo que ao entrarmos fomos informados de que o museu funcionava parcialmente tendo em vista que os recursos multimídia e eletrônicos estavam “fora do ar” e não poderíamos utilizar tais recursos de mídia. Neste momento voltei para reclamar com a atendente que não informou sobre essa “indisponibilidade”, não sendo justo que pagássemos o ingresso inteiro por “meia” visitação, digamos assim.
Contudo mais uma vez arrogante a atendente disse que o problema era nosso se tínhamos comprado os ingressos e os recursos multimídia não funcionavam, que não poderiam devolver o dinheiro, tampouco nos dar desconto pela indisponibilidade. Resumindo, pagamos por algo que não pudemos visitar de forma completa.
Enfim, uma verdadeira DECEPÇÃO, FRUSTRAÇÃO e sensação de DESPREZO por parte dos funcionários.
Saí do estádio conversando com meu avô que dizia que o Inter já NÃO É MAIS O CLUBE DO POVO.
Gostaria que se possível publicasse o texto-desabafo.
Att.
Maiquel Adam
Hiltor escreve: Maiquel , em gestões anteriores a tua reclamação teria pronta justificativa. Vamos esperar para que isto continue sendo assim.
A justificativa, se vir, será publicada aqui mesmo.




Reestruturar o Departamento de Futebol do Grêmio

Postado por Hiltor Mombach em 25 de maio de 2015 - Esportes

Do Grêmio do Prata / http://www.gremiodoprata.com.br/

Nesta semana, seguiremos com 3 postagens a respeito do departamento de futebol, amplamente debatido nos últimos dias, visto os maus resultados e a série de especulações a respeito.

Aqui vamos propor um debate partindo de um Diagnóstico, com um segundo texto tratando a estrutura do Departamento e os conceitos, e por fim a montagem de um plantel dentro desse modelo apresentado. São textos resumidos de um trabalho realizado pelo Movimento nos últimos anos.

Diagnóstico sobre o enfraquecimento do futebol:

  • Dirigentes que utilizam o clube para projetos pessoais;

  • Disputas políticas que interferem no futebol (vaidades);

  • Dirigentes sem compreensão alguma de futebol;

  • Ausência de concepção de futebol;

  • Falta de compreensão da história vencedora do Grêmio;

  • Falta de Planejamento;

  • Contratações Equivocadas / Atletas Desprovidos de perfil e compreensão de Grêmio;

  • Negligência com aspecto financeiro / gastos excessivos com jogadores sem retorno;

  • Falta de uma estrutura organizada do Dep. de Futebol (estrutura hierárquica / diretrizes / parâmetros a serem seguidos);

  • Base desvinculada do Profissional / desconexão entre os departamentos / mau aproveitamento da base;

  • Ausência de Prospecção de jovens promessas oriundas do RS identificadas com o Clube;

  • Contratações de jogadores sem condição técnica para jogar no clube da grandeza do Grêmio;

  • Contratações de jogadores sem o mínimo comprometimento com o clube (sem a devida avaliação precedente de comportamento);

  • Departamento de futebol subordinado a empresários;

  • Contratações de Treinadores sem critério e a devida avaliação (treinadores com os mais variados perfis passaram pelo clube em curto espaço de tempo);

  • Alternância excessiva de padrão e filosofia de jogo;

  • Leitura equivocada da Lei Pelé / Não adaptação a nova realidade jurídica;

  • Falta de convicção em uma filosofia de futebol, bem como em diretores, treinadores e jogadores.

Na próxima quarta-feira publicaremos o segundo texto.