Porto Alegre, 18 de Setembro de 2014

Coligações

Postado por Hiltor Mombach em 18 de setembro de 2014 - Esportes

Acreditem: há movimento lançando candidato para presidente do Grêmio já coligado com a Situação ou com a Oposição de Bellini para o segundo turno, onde voltam os associados.
As coligações são a última chance para os grupos conquistarem algum cargo no Grêmio.




Cruzeiro 93,9%

Postado por Hiltor Mombach em 18 de setembro de 2014 - Esportes

O líder Cruzeiro fez mais uma vítima atuando como mandante.
Bateu o Atlético Paranaense por 2 a 0. Dos 11 visitantes, dez perderam para a equipe mineira.
Apenas uma, o São Paulo, arrancou um empate.
O aproveitamento do atual campeão do Brasileiro como mandante é fantástico: 93,9%.
No geral, 74,2%.
E quem voltou a marcar ontem?
Marcelo Moreno, aquele mesmo que o Grêmio relegou.
São 11 gols.
Isto o torna o artilheiro do campeonato até aqui.




Não basta ser ruim para cair

Postado por Hiltor Mombach em 18 de setembro de 2014 - Esportes

Não basta ser ruim, é preciso ser muito ruim para cair.
O Vitória ganhou ontem do Fluminense, 3 a 1.
Com apenas cinco vitórias, seis empates e 11 derrotas ficou perto de sair da zona do rebaixamento.
Antes do Fluminense, só Inter e Grêmio haviam perdido como visitantes. Inter e Grêmio que agradecem muito pelo resultado de ontem.




Eleição ideal para testar o prestígio

Postado por Hiltor Mombach em 18 de setembro de 2014 - Esportes

Cacalo é ex-presidente do Grêmio e presidente de honra do Movimento Grêmio Vencedor, que está Situação mas pode virar Oposição.
Koff indicou Romildo Bolzan para concorrer e o MGV exige a “inclusão de aspectos estratégicos” na gestão Romildo caso ele seja eleito.
Estaria pleiteando duas cadeiras no Conselho de Administração.
Há uma cadeira reservada para o grupo.
Se não for atendido, o MGV ameaça apoiar uma Oposição que seria lançada por Cacalo.
Desconheço se Cacalo sabe disto e, se não sabe, estão usando seu prestígio em vão em mais uma eleição.
Neste caso, faria bem se desautorizasse publicamente tais manifestações, que neste caso não passariam de blefe.
No terreno hipotético, esta é uma eleição ideal para Cacalo testar a sua influência no Conselho e entre os sócios.
Numa tacada concorreria contra três ex-presidentes: Duda Kroeff, filho de patrono, mais os ícones Hélio Dourado e Koff, todos apoiadores de Romildo.
Contra ainda o fator Felipão e a quase certa compra da Arena.




Inter empata em noite de substituições questionáveis

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O Inter empatou sem gol contra o Sport.
Um pontinho na Arena Pernambuco não é de todo ruim.
Porque como mandante o Sport ganhou sete, empatou três e perdeu apenas uma.
Mas o Inter poderia ter vencido.
Principalmente no primeiro tempo.
Eram 5min do primeiro tempo quando Wellington Paulista tabelou com Sasha e, dentro da área, chutou torto, mandando para fora uma bola que, nos pés de um atacante com mais técnica, beijaria as redes.
Lembrei de Nilmar e de quanto faz falta um bom jogador na função.
Aos 17, quase Alex marcou.
O jogo seguiu sem gol.
E assim terminou o primeiro tempo.
No segundo, as surpresas.
Quem, torcedor colorado, poderia fazer gol?
Alex ou D’Alessandro.
Alex numa bomba de fora da área ou D’Alessandro com sua técnica.
Aos 18min Abel sacou Abel para entrada de Valdívia.
Aos 23min sacou D’Alessandro e mandou entrar Rafael Moura.
Aos 26min Wellington Paulista lançou Rafael Moura que tentou dominar mas caiu sozinho.
Aos 33min uma cena e tanto.
Um torcedor do Sport jogou um tênis em direção ao gramado.
Os torcedores dedaram o torcedor.
O torcedores chamaram a polícia que retirou o torcedor do estádio algemado.
Bem feito.
O ideal é não jogar objeto.
Mas se jogarem, tem que dedar.
40min: saiu Gilberto e entrou Alan Patrick.
Um lateral por um meia-atacante.
Ficou nisto, no 0 a 0.

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval e Renê; Wendell, Rithely, Danilo e Ibson; Felipe Azevedo e Diego Souza.
Inter: Dida; Gilberto, Paulão, Ernando e Fabrício; Wellington, Aránguiz, Alex, Sasha e D’Alessandro; Wellington Paulista.




Jorge Bastos é o 4º candidato oficial para presidente do Grêmio

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O Grêmio tem mais um candidato para presidente.
Oficialmente, o quarto.
Poderá ter até seis.
Trata-se de Jorge Bastos.
Bastos é atualmente vice do Conselho Deliberativo do Grêmio.
Terá que se desligar do CD.
Bastos já comunicou ao presidente do CD, Milton José Munhoz Camargo, que irá concorrer.
De Jorge Bastos:
“Aceitei ir pelo Grêmio Novo. Ficamos fora do processo eleitoral e decidimos por uma candidatura própria”.
São candidatos agora: Romildo Bolzan, Homero Bellini, Jorge Bastos e Cabistani.




MGV pode ser Oposição

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O Movimento Grêmio Vencedor está Situação.
Tanto que tem integrantes na gestão Koff.
Mas para fechar com Romildo, o candidato de Koff, o MGV está exigindo a participação no que chama de “aspectos estratégicos” da gestão Romildo.
Especula-se que o MGV queira duas cadeiras no Conselho de Administração.
Se não tiver atendido o pedido de participar nos “aspectos estratégicos” caso Romildo seja eleito o MGV ameaça apoiar um candidato que viria da Oposição apoiado por Cacalo, presidente de honra do MGV. Este blogueiro ouviu pessoas que estão ajudando Romildo na eleição.
Neste momento não há chance de um mesmo movimento ter duas cadeiras no CA.
Mas Romildo não decidirá isto sozinho.
Romildo tenta costurar com o MGV, mas se não tiver sucesso, seguirá candidato apoiado pelos demais movimentos.
Este blogueiro acha, um pouco por intuição e um pouco por achômetro, que caso o MGV não tenha atendida o seu pedido, Cacalo não indicará um nome.
Mais: ele, Cacalo, não concorrerá.
Porque o time está bem na tabela de classificação, ou seja, neste momento o futebol vai bem, e porque até a eleição no pátio Koff já poderá ter anunciado a compra da Arena.




Bicudos

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O advogado Gladimir Chiele sempre foi um critico ferrenho do contrato entre Grêmio e OAS e chegou a redigir um documento analisando ponto a ponto a negociação.
Por este motivo bateu de frente com Adalberto Preis.
O nome de Chiele vem sendo lembrado aqui e ali para integrar o Conselho de Administração da chapa Romildo tendo como “padrinho” Dourado. Preis fará parte do Conselho.




Arruma, Abel

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

Desandou o sistema defensivo do Inter nos últimos três jogos.
Levou 2 a 0 do lanterna Vitória (escapando de tomar mais), três do Figueirense (virada de 3 a 2 no Beira-Rio) e, domingo, o Botafogo deitou e rolou sobre a zaga, perdendo três gols, um destes que o torcedor chama de feitos, para depois levar 2 a 0.
Abel terá que acertar este setor ou não passa pela boa equipe do Sport hoje.
Contra o Figueirense o time começou com os volantes Willians e Wellington; contra o Vitória, com Ygor e Wellington e, domingo, com Wellington e Aránguiz.
A melhor dupla ainda é Willians e Wellington, mas com eles em campo Aránguiz rende menos.
Pelo futebol que mostrou contra o Botafogo, Sasha merecia ser mantido.
Quem sairia?
Talvez o próprio Wellington Paulista.




Grêmio, déficit

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O Grêmio continua trabalhando com um déficit de R$ 10 milhões mensais. Mesmo com R$ 50 milhões da entrada de venda de jogadores e do fornecedores de camisetas o clube paga hoje o salário de julho, ficando com agosto em atraso.
Algumas luvas têm atraso maior.




Nilmar, Luigi e Orlando

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O empresário de Nilmar, Orlando da Hora, teria se queixado da lentidão de Luigi em aceitar sua proposta.
Ora, Luigi poderia fazer o mesmo, dizer que a demora no acerto se devia a lentidão de Orlando em aceitar os valores do Inter.
Ora, só faltava essa agora!
Quer dizer que presidente de clube não pode mais negociar?
Mais: estamos falando de cerca de R$ 15 milhões por três anos.
É muita grana.




Hélio Dourado na Arena…do Grêmio

Postado por Hiltor Mombach em 17 de setembro de 2014 - Esportes

O ex-presidente e agora patrono do Grêmio Hélio Dourado foi o mais ferrenho opositor da construção da Arena em parceria com a OAS.
Lutou pela remodelação do Olímpico.
Derrotado, jurou não pisar no novo estádio.
Não esperava por um fato novo, a compra da Arena ainda na gestão Fábio Koff.
Construtora e clube chegaram aos finalmentes.
A minuta do contrato de compra estaria redigida.
O anúncio pode acontecer antes do final de outubro e prepara-se uma grande festa, com Dourado e Koff entrando juntos com os jogadores no novo estádio.
Dourado:
“Prometi que só iria na Arena quando ela fosse do Grêmio.
E vou quando a compra for anunciada pelo Fábio”.
Do patrono:
“Disse que não entraria no estádio OAS Porto-Alegrense.
Dói ver que o Olímpico será implodido, mas pelo menos voltaremos a ter um estádio nosso”.
Na sexta-feira haverá um jantar na Arena em comemoração aos 111 anos da instituição.
Dourado não irá.

Montagem de Pedro Dreher