Artistas contemporâneos prestam homenagem a Oscar Wilde em hotel onde ele morreu em Paris

Artistas contemporâneos prestam homenagem a Oscar Wilde em hotel onde ele morreu em Paris

L'Hôtel era um humilde estabelecimento a poucos metros do Sena, em 1900, mas hoje é um hotel cinco estrelas

AFP

Escritor Oscar Wilde

publicidade

Dezesseis artistas contemporâneos prestam uma homenagem, a partir desta quarta-feira, ao escritor irlandês Oscar Wilde (1854-1900), com uma série de obras expostas no hotel parisiense onde ele morreu, incluindo seu quarto.

"De Profundis" é um trabalho do especialista em arte contemporânea americano Daniel Malarkey, que homeageia o autor de "O Retrato de Dorian Gray", célebre por seus aforismos e suas obras teatrais. 

Wilde morreu de meningite, quase na miséria, em L'Hôtel, um humilde estabelecimento a poucos metros do Sena, hoje transformado em um hotel cinco estrelas, onde celebridades costumam se hospedar. 

O escritor Jorge Luis Borges também passou algumas temporadas no hotel, entre os anos 1970 e 1980. 

"De Profundis" foi a última obra em prosa de Wilde, um longo ensaio em que recorda seu amor pelo jovem lorde Alfred Douglas, que o levou à desgraça no final do século XIX. Foi julgado por "sodomia" e condenado a dois anos de prisão. 

Mas "De Profundis" também é um ensaio sobre arte, vida e literatura, e os artistas aceitaram imediatamente participar da exposição, que ficará aberta somente até o dia 22, afirma Malarkey.

“Se todos nós parássemos um momento para ler esse livro e refletir sobre nossas próprias vidas…”, disse ele em entrevista à AFP. 

“Espero que a exposição seja uma desculpa para as pessoas lerem o livro”, acrescentou. 

No quarto número 16, onde Wilde morreu, está pendurado um retrato dele, pintado pela artista britânica Maggi Hambling, "Wilde and the Wallpaper". 

Segundo a lenda, Wilde declarou à beira da morte: "este papel de parede e eu estamos travando um duelo até a morte. Um de nós terá que ir". 

Na parede oposta, duas pinturas de pequeno formato da artista maltesa Anna Calleja. Destaca-se também um retrato da atriz Tilda Swinton tirado no mesmo hotel por Katerina Jebb. 

E duas esculturas em madeira de castanheira, feitas por Eleanor Lakelin a partir de uma árvore que caiu fora da prisão onde Wilde esteve preso entre 1895 e 1897. 

"A árvore caiu diante das portas da prisão, e o Reading Museum encomendou uma obra a Eleanor Lakelin", explica o curador da obra. 

O cineasta britânico Derek Jarman, conhecido ativista da causa homossexual, fez um trabalho misto com pintura e crucifixo em 1988, "quando já sabia que ia morrer", acrescenta Malarkey. 

Quase todas as obras já foram vendidas para colecionadores, disse Malarkey.


Mais Lidas

Guia de Programação: a grade dos canais da TV aberta desta terça-feira, dia 23 de abril de 2024

As informações são repassadas pelas emissoras de televisão e podem sofrer alteração sem aviso prévio

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895