Audiolivros de obras clássicas que passaram a domínio público

Audiolivros de obras clássicas que passaram a domínio público

Os atores Hilary Swank e Forest Whitaker são alguns dos narradores apresentados pela plataforma Spotify

AFP

O premiado ator Forest Whitaker dá voz ao livro "A narrativa da vida, de Frederick Douglass, um escravo americano"

publicidade

Obras clássicas que passaram ao domínio público e narradas por grandes nomes do show business, como a atriz Hilary Swank e o ator Forest Whitaker, são apresentados pela plataforma de música on-line Spotify.

Nove audiolivros, todos em inglês, foram lançados, incluindo "O Despertar" ("The Awakening"), da escritora americana Kate Chopin, lido pela atriz ganhadora do Oscar Hilary Swank, e "A Narrativa Da Vida De Frederick Douglass, um Escravo Americano" ("The Life of Frederick Douglass, an American Slave"), uma autobiografia do ex-escravo que se tornou ativista, narrado por Forest Whitaker.

O Spotify também pediu ao YouTuber David Dobrik para ler "Frankenstein", da escritora britânica Mary Shelley, e contratou a atriz britânica Cynthia Erivo para ler "Persuasion", da escritora inglesa Jane Austen.

As obras, que foram publicadas pela primeira vez on-line pelo The Hollywood Reporter, são divididas em capítulos curtos que podem ser ouvidos como episódios de um podcast.

Para acompanhar esses audiolivros, o Spotify lançou um podcast intitulado "Sentando-se com os clássicos", na qual Glenda Carpio, professora de literatura americana e inglês na Universidade de Harvard, oferece uma breve análise de cada obra.

No início de maio de 2020, a plataforma publicou uma versão em áudio do primeiro volume da série literária de Harry Potter, "Harry Potter e a Pedra Filosofal", lida por celebridades, em particular pelo ator Daniel Radcliffe, que interpretou o bruxo no cinema.

Em agosto, o grupo postou um anúncio para a contratação de um gestor de audiolivros, sinal de sua ambição recém-conquistada nesse mercado, hoje dominado pela Audible, subsidiária da Amazon.

tu/la/tly/llu/ap/mvv

© Agence France-Presse


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895