Especialistas correm para restaurar clássicos do cinema de Mianmar

Especialistas correm para restaurar clássicos do cinema de Mianmar

"Mya Ga Naing" é o filme mais antigo a ser encontrado até agora

AFP

Especialistas correm para restaurar clássicos do cinema de Mianmar

publicidade

A restauração de um filme de ação em preto-e-branco de 1934, famoso por acrobacias de alta octanagem, incluindo um balão de ar quente e um tiroteio na selva contra ladrões de madeira de teca, mobilizou esforços para salvar mais da herança cinematográfica de Mianmar. A sobrevivência do primeiro filme do país ainda em existência, "Mya Ga Naing" ("A Selva Esmeralda"), e sua ascensão à aclamação internacional é talvez um feito improvável.

Antes florescente, a cena cinematográfica do país atingiu um grande revés com a chegada de uma junta militar em 1962, que reforçou a censura severa e devastou a economia durante um reinado de 50 anos. Enquanto o clima criativo murchava, o calor impiedoso de Mianmar, as chuvas torrenciais e a umidade sufocante prejudicavam as delicadas bobinas de filme em um país que não possuía nem os recursos nem os conhecimentos para armazená-los adequadamente. Algumas bobinas foram recicladas para economizar dinheiro e agora apenas uma dúzia das primeiras imagens em preto-e-branco do país permanecem.

"Mya Ga Naing", originalmente um filme mudo que mais tarde teve música e cartões de título impressos, é o mais antigo a ser encontrado até agora. O título permaneceu nos arquivos do Estado por décadas antes de os especialistas na Itália passarem um ano retocando-o meticulosamente frame-by-frame, exibindo a versão restaurada em 2016. Foram centenas de horas no laboratório L'Immagine Ritrovata em Bolonha, removendo todos os pequenos arranhões e manchas do filme e digitalizando usando vários recursos.

"Cada vez que a restauração progredia era como um novo nascimento para o filme", disse Severine Wemaere, cofundadora da MEMORY! Cinema, que supervisionou a restauração e levantou fundos de doadores para o preço de 100 mil dólares. "Foi muito emocionante porque pudemos dizer que estávamos em um país de cinema", afirmou.

Som ou cor?

O clássico também rodou em festivais em Singapura, Tailândia e Suíça, além de fazer exibições regulares em casa, em Mianmar. Um grupo de músicos acompanhou ao vivo uma recente apresentação esgotada em Yangon, mantendo-se fiel a uma trilha sonora original, acrescentada em 1954, que mistura música tradicional local com jazz ocidental. O filme ganhou mais reconhecimento internacional este ano, depois que a Unesco atribuiu a ele um lugar em sua lista Ásia-Pacífico de "patrimônio documental de influência" - um aceno não apenas ao filme, mas também à tradição cinematográfica de Mianmar.

O primeiro filme do país foi exibido em 1920. Na década de 50, a indústria estava em seu apogeu com cineastas de Mianmar investindo recursos a cada ano. Mas a trama se inverteu na segunda metade do século XX, quando os governantes militares esmagaram a criatividade e fecharam o país para influências e tecnologias estrangeiras.

Enquanto quase todos os primeiros filmes foram perdidos, o renascimento bem-sucedido de "Mya Ga Naing" está estimulando um movimento para preservar o que resta. Outro filme restaurado em 2017 foi "Pyo Chit Lin" ("Minha Querida"), uma comédia de 1950 com um orçamento tão apertado que o diretor Tin Myint teve que escolher entre som ou cor. Ele optou pela última - tornando-a a mais antiga película colorida sobrevivente do país.

Todo segundo conta

Maung Okkar, um cineasta contemporâneo de Myanmar, está desempenhando um papel de liderança no esforço de salvar os clássicos de seu país. Poucos poderiam estar melhor colocados - o homem de 31 anos tem o cinema no sangue, com seu pai e seu avô renomados diretores.

Em 2012, Maung Okkar percebeu com horror que alguns dos rolos originais de sua família foram danificados além do reparo, enquanto outros estavam lentamente decaindo em sua despensa. "Alguns filmes não puderam ser restaurados e, para mim, foi como se eu tivesse perdido um dos meus pais", lembrou ele. "Eu aprendi que havia outros filmes antigos que não eram adequadamente tratados e decidi fazer isso sozinho".

Depois de receber treinamento em técnicas de restauração e arquivamento na Itália, ele lançou "Save Myanmar Film" em 2017 com um grupo de cineastas. Seu slogan é "Every Second Counts!" ("todo segundo conta") e eles têm como objetivo encontrar e preservar o maior número possível de bobinas velhas e outras parafernálias cinematográficas - incluindo câmeras, projetores e cartazes de filmes.

Cerca de duas mil pessoas viram uma exposição e exibições realizadas pelo grupo em maio, no prestigiado prédio de parlamentares de Yangon. O relógio está correndo, com todos os filmes sobreviventes ainda empilhados em latas de metal no prédio do arquivo do Estado de Yangon. Ar condicionado 24 horas por dia é uma melhoria em relação ao passado, mas a temperatura, a 16 graus Celsius, ainda está muito acima do nível ideal de quatro graus Celsius.

A atriz Grace Swe Zin Htaik, 65 anos, estrelou muitos dos maiores filmes de Mianmar nos anos 70 e 80 e enfrenta o desafio de organizar o próximo centenário da indústria cinematográfica do país. "As pessoas neste país não têm ideia de como valorizar os filmes antigos", disse ela melancolicamente enquanto passava o dedo pelas prateleiras em ruínas que abrigam os remanescentes da herança cinematográfica do país. "Através de filmes antigos podemos ver nossa história, podemos ver nossa cultura, podemos ver nossa identidade e valores", concluiu.

publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895