Espetáculo "Fauno" reúne teatro e dança

Espetáculo "Fauno" reúne teatro e dança

O GRUPOJOGO faz apresentação nesta quinta-feira, às 20h, em parceria com a Aliança Francesa

Por
Luciana Vicente

Apresentação será transmitida pela AF no Instagram (@afpoa)


publicidade

O GRUPOJOGO apresenta “Fauno”, um híbrido entre teatro e dança, hoje, às 20h, em parceria com a Aliança Francesa Porto Alegre. O espetáculo foi totalmente reinventado para as redes sociais e será transmitido pelo canal da AF no Instagram (@afpoa), em formato en direct: ao vivo e gratuito, com duração de 15 minutos. O grupo também criou um “chapéu on-line”, no qual os espectadores poderão fazer contribuições espontâneas.

O resgate e a reinvenção de “Fauno” partiu da pesquisa do grupo, iniciada durante a quarentena, com o objetivo de unir o teatro e a performance a diferentes tecnologias. O diretor Alexandre Dill salienta que é muito difícil adaptar um espetáculo de dança para o ambiente virtual, de forma que dialogue com essa linguagem. Antes levava de oito a dez horas para montar o cenário e, agora, está sendo laborioso transformar a peça em 15 minutos. “Estamos trabalhando há mais de três semanas para sua realização. Adaptar está muito mais ligado ao olhar da direção audiovisual, do que da direção cênica", pontua. 

A elaboração de “Fauno”, em plena pandemia do novo coronavírus, forçou os artistas a reinventar o seu trabalho. Alexandre Dill relata que o grupo não pode se reunir para refazer os espetáculos, "Deus é um DJ" e "Fauno", sendo tudo feito remotamente. O material técnico foi higienizado e mandado para a casa dos participantes, que gravaram e transmitiram seus conteúdos de dentro das suas casas.

Alexandre Dill diz que o “Fauno” foi escolhido porque é o primeiro com investimento multimidiático realizado pelo grupo. “Esse espetáculo é meio que voltar a pensar as mídias só que de uma maneira diferente, não mais para o palco. Ao longo dos anos o GRUPOJOGO foi abandonando o uso das mídias em cena para utilizar as mídias como veículo de marketing, e agora a gente usa as mídias rememorando uma peça que deu início a utilização das multimídias”, pondera o diretor. “Fauno” estreou em 2012, em Porto Alegre, e contou com a Verte Filmes; a direção de fotografia de Gabriel Faccini e o Pedro Henrique Risse; o artista visual e um dos fundadores do grupo, Bruno Salvaterra; e o bailarino, Igor Pretto. 

Para o diretor, a pandemia está sendo um momento para o grupo refletir sobre a sua própria política de existência no meio das artes, e também sobre como os artistas vão se reinventar nesse momento. De acordo com ele, a reflexão passa por como transformar o trabalho artístico, que requer a presença física, para um trabalho artístico de forma virtual. “Na pandemia, para os artistas, meio que não existe mais território físico, esse território pode ser expandido, então a gente pode criar multirrelações com outras pessoas, de outros países, de outras cidades, de outros lugares, intercâmbios”, considera.

Fauno

A montagem é uma homenagem à centenária coreografia de Vaslav Nijinsky, “L’Après Midi d’un Faune”, criada em 1912, em Paris, e que revolucionou o balé francês. “Fauno” é o espetáculo que rememora a marcante coreografia de Nijinsky. A linguagem da dança abre portas para a inclusão do cinema e das artes visuais em seu hibridismo cênico, criando o universo de sonho e desejo de um fauno, figura clássica da mitologia.

“Fauno” foi indicado a oito categorias do Prêmio Açorianos de Dança, incluindo Melhor Espetáculo, Coreografia, Bailarino, Iluminação, Figurino e Produção, e foi premiado nas categorias Melhor Direção e Cenografia do Ano.