Tá na Mesa presta homenagem à 65ª Feira do Livro de Porto Alegre
capa

Tá na Mesa presta homenagem à 65ª Feira do Livro de Porto Alegre

Reunião teve presença da patrona do evento literário Marô Barbieri

Por
Correio do Povo

Marô Barbieri foi uma das convidadas do Tá na Mesa

publicidade

Uma homenagem à 65ª Feira do Livro de Porto Alegre foi realizada em uma reunião-almoço ocorrida nessa quarta-feira na Federasul. A patrona da Feira deste ano, Marô Barbieri, foi uma das convidadas a falar no evento Tá na Mesa. Recepcionada pela presidente da Federasul, Simone Leite, a escritora teve a companhia dos ex-patronos Dilan Camargo e Cíntia Moscovich, para um bate-papo que contou ainda com o escritor Felipe Daiello e a jornalista Tânia Carvalho. Representantes da Câmara do Livro também estiveram presentes. O tema da Feira, “A Curiosidade é o que nos Move”, norteou a conversa, assim como a necessidade de se atrair novos leitores. 

Com tantos e reconhecidos contadores de histórias reunidos, o encontro divertiu a plateia por meio do bom humor, dos causos e da poesia expostos pelos palestrantes, sem deixar de levantar reflexões sobre a importância da leitura. “Dá vontade de ficar toda a tarde aqui ouvindo as histórias de vocês”, comentou Simone Leite para os escritores ao final do encontro. 

Páginas da vida 

Cíntia Moscovich trouxe um depoimento familiar, relembrando que o seu pai foi comerciante e empreendedor. “Meu pai sempre incentivou a leitura em casa, porque queria que os filhos se tornassem adultos com autonomia. A família tem de dar o exemplo”, opinou, sobre o incentivo à leitura.

Já Dilan contou que nasceu pobre, feio e numa cidade do Interior, Itaqui. Foi a leitura que lhe abriu horizontes. “Os livros foram minha fortaleza de papel”, disse. “Antes da estética da palavra, precisamos valorizar a ética da palavra”, completou.

A patrona Marô Barbieri, por sua vez, contou que algumas pessoas lhe perguntam o que é necessário para ser um escritor. “É preciso amar a palavra. Assim como o bailarino usa o corpo e o músico utiliza um instrumento para sua arte, o escritor usa a palavra. Por isso, antes de escrever é preciso ler”, afirmou.

Sobre o fato de ter sido eleita patrona, ela declara que está sendo maravilhoso. “Represento um segmento, o de escritores de literatura feita para crianças, que cresceu muito e batalho para que seja cada vez mais valorizado”, disse.