Quatro filmes brasileiros são indicados ao Festival de Cannes

Quatro filmes brasileiros são indicados ao Festival de Cannes

Conheça as histórias das produções que foram selecionadas para integrarem a mostra

Correio do Povo

"Bacurau", de Kléber Mendonça Filho, foi descrito como uma mescla de faroeste e ficção científica no sertão

publicidade

O Festival de Cannes, mostra de cinema que ocorre em maio na França, anunciou seus filmes selecionados para a edição de 2019 nessa quinta-feira. Quatro obras brasileiras figuram entre os escolhidos, duas delas competindo pela Palma de Ouro, principal premiação, e outras duas na mostra alternativa Um Certo Olhar (Un certain regard). 

O diretor pernambucano Kléber Mendonça Filho, que já exibiu em Cannes seu filme "Aquarius", em 2016, concorre novamente com seu novo longa, "Bacurau", em codireção com Juliano Dornelles. O filme foi descrito como uma mescla de gêneros como faroeste e ficção científica em pleno sertão nordestino. 

"O Traidor", dirigido pelo italiano Marco Bellocchio, narra a história de Tommaso Buscetta, mafioso italiano que alcaguetou seus antigos companheiros da Cosa Nostra e se refugiou no Brasil. Ambos os filmes concorrem à Palma de Ouro. 

Fora da disputa pelo prêmio máximo de Cannes estão "A Vida Invisível de Eurídice Gusmão", de Karim Ainouz, e "Port Authority", de Danielle Lessovitz. 

O longa de Karim Ainouz, que concorre pela quarta vez na seleção paralela, é uma crônica da condição feminina no Rio de Janeiro nos anos 1950, década marcada por um conservadorismo profundo no País. Na história, duas irmãs tentam se reencontrar após terem sido separadas pelo pai durante a adolescência.  

"A Vida Invisível de Eurídice Gusmão" é uma livre adaptação do romance de mesmo nome de Martha Batalha e é protagonizado por Carol Duarte e Júlia Stockler. O elenco ainda com nomes como Gregório Duvivier, Barbara Santos e Maria Manoella, além de uma participação especial de Fernanda Montenegro. 

Já em "Port Authority", de Danielle Lessovitz, o foco é sobre uma história de amor ambientada na cena do "voguing" de Nova Iorque, estilo baseado em movimentos das passarelas e ganhou fama com a música Vogue da Madonna e com o documentário "Paris Is Burning". Quem protagoniza o longa é a atriz trans Leyna Bloom. 

* Com informações da Agência Estado


publicidade

publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895