RuPaul anuncia nova série na Netflix

RuPaul anuncia nova série na Netflix

"AJ and the Queen" mostrará história de uma drag queen que cuida de jovem órfão

AE

RuPaul terá seu próprio talk show nos Estados Unidos em junho

publicidade

RuPaul anunciou que irá estrelar uma nova série na Netflix. Em entrevista para a próxima edição americana da revista Vogue, o apresentador do reality show "RuPaul's Drag Race" revelou que está filmando um novo programa para a plataforma intitulada "AJ and the Queen", no qual RuPaul viverá uma drag queen chamada Ruby, que viaja os Estados Unidos cuidando do jovem órfão AJ, de 11 anos. 

A série, criada por ele em parceria com Michael Patrick King, produtor de "Sex and the City", é baseada em um dos filmes favoritos de Charles, "Contrastes Humanos" (1941), de Preston Sturges. RuPaul, que recentemente fez participações especiais em duas séries da Netflix, "Girlboss" e "Grace and Frankie", declarou à Vogue que a nova série traz alguns desafios. 

Ele nunca deixou que ninguém estranho assistisse à sua transformação em drag queen. Ou as pessoas o veem em sua versão masculina, ou já "montado". "Na minha carreira, pude mostrar certos ângulos. Pude pintar o rosto e editar o que eu apresento", ele explicou para a revista. "Pensei que, fazendo este projeto de atuação, eu iria me expor para o mundo, de um jeito cru e sem filtros", analisou. 

• A arte drag em defesa do seu espaço em Porto Alegre

No dia anterior à entrevista, ele havia assistido ao primeiro episódio finalizado da série. "O que eu percebi ontem foi que eu estava me expondo para mim mesmo. Eu pude ver partes de mim que eu não permitia nem a mim mesmo reconhecer", declarou. "Eu pensei que estava ficando nu para o mundo. Não, estava nu para mim mesmo." 

"AJ and the Queen" ainda não tem uma data de estreia confirmada, mas é esperado que a produção chegue ao streaming ainda este ano. 

Império RuPaul

Engana-se quem pensa que o império de RuPaul Charles está restrito ao seu programa de sucesso "RuPaul's Drag Race". O reality show para eleger a próxima drag superstar, que já conquistou nove prêmios do Emmy, é apenas um dos múltiplos investimentos televisivos do apresentador, ator e drag queen americano.

Atualmente em exibição no Brasil pela Netflix, "Drag Race" já está em sua 11ª temporada, com mais uma tradicional garantida para o ano que vem, assim como uma nova edição All Stars, em que perdedoras de temporadas anteriores voltam para a competição. 

Ainda este ano, deve ser lançada na TV britânica a versão inglesa do reality, que será apresentada pelo próprio RuPaul, ao lado de sua amiga e co-jurada Michelle Visage. A estreia ainda não tem uma data definida.

"Drag Race" já tem algumas edições realizadas na TV tailandesa, chilena e é uma promessa também para a TV brasileira no futuro - o formato já foi adquirido por uma produtora do País, que ainda não definiu quando, porém, o reality deve sair do papel por aqui. Ou seja, é, de fato, a galinha de ovos de ouro de RuPaul. 

Mas, para 2019, o apresentador tem outra carta na manga. Em junho, estreia nos EUA um programa que leva o nome do apresentador. Com uma plateia, a atração, que irá ao ar pela Fox, terá um formato talk-show, com convidados sendo entrevistados por Charles.

Esta semana, RuPaul, de 58 anos, foi anunciado como um dos rostos da próxima edição da revista Vogue americana. Fotografado por Annie Leibovitz em suas roupas masculinas e também como drag queen, expressão artística que o revelou no começo dos 1990.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

@rupaulofficial was born in San Diego in 1960. His mother, Ernestine Fontinette, who went by Toni, worked in the registrar’s office at San Diego City College. His father, Irving Charles, was an electrician. Toni believed her son would be a star—a psychic told her so before he was born. “The psychic said, ‘It’s a boy, and he’s going to be famous,’ ” RuPaul says. “So I grew up knowing that.” When RuPaul first sashayed into the national consciousness, in 1992, with the release of his single “Supermodel (You Better Work),” there was nobody like him in mainstream culture. By 1994, RuPaul had become the first drag queen to land a major makeup deal, as the face of @maccosmetics in a campaign that declared: “I am the MAC girl.” (“What better way to show the power of makeup than if a six-foot-four black man can look like a supermodel?” he says.) Then came The RuPaul Show on VH1, which ran for 100 episodes and placed him on the cusp of the mainstream. As he explains it now: “I said: I’m RuPaul, Supermodel of the World. And the world said: Yes. You. Are.” The second reign of RuPaul has already lasted twice as long as the first one—and shows no signs of weakening. Tap the link in our bio to read more. Photographed by Annie Leibovitz, written by @abbyaguirre, Vogue, May 2019

Uma publicação compartilhada por Vogue (@voguemagazine) em


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895