Fantasia real
capa

Fantasia real

Na tela se dá mistura de drama, comédia, suspense e fantasia estão presente em “Border”, filme sueco dirigido pelo iraniano Ali Abassi

Por
Marcos Santuario

Filme foi o indicado pela Suécia para competir ao Oscar deste ano

publicidade

Não se trata de um filme fácil. "Border", dirigido pelo iraniano Ali Abassis, estreou no Festival de Cannes do ano passado, em que levou o prêmio de melhor longa da seção "Um Certo Olhar". Provocante, o filme não apresenta o belo e o delicado. Ao contrário, apresenta aquilo se origina da deformação e faz, com isso, uma tentativa de colocar o espectador em posição de buscar o que está na profundidade desta camada inicial da superficialidade. isso já é visível no rosto da protagonista, Tina, vivida, com um maquiagem carregada, pela Eva Melander. Dona de um "sexto sentido", trabalha como fiscal de alfândega num porto sueco, e usa esse "dom" farejando vergonha, a culpa e  raiva nas pessoas que passam por ela na imigração. 

 

A alteridade é que a leva a encontrar-se consigo mesma. Encontra alguém que se parece com ela. Funciona como espelho, e a leva a encontrar respostas sobre sua própria identidade. Pistas que o diretor, propositalmente, não deixa claro para o espectador. Exige um esforço além do acomodar-se na poltrona. Tem aí questões humanas, da natureza, de gênero, da contemporaneidade dos processos migratórios, e da busca pessoal pelo "quem sou eu?".

Abassis nasceu em Teerã, foi criado em Estocolmo e hoje mora na Dinamarca. Tem 38 anos, e apresenta em "Border" a atualidade em que a gente pode se sentir solitário, em um mundo amplamente comunicado. E, diferente de muitos que ignoram a riqueza do mundo cultural , se diz bastante próximo do realismo mágico dos latino-americanos García Márquez e Carlos Fuentes. Mas distante das fantasias blockbusters como "Senhor dos Anéis" ou "Harry Potter".