capa

Mistura de tramas

"Calmaria" (Serenity), dirigido por Steven Knight, tem uma primeira parte instigante, lembrando alguns clássicos noir, mas na metade da trama surge outra estória.

Por
Chico Izidro

O capitão de um barco de pesca (Matthew McConaughey) tem um passado misterioso que está prestes a vir à tona.

publicidade

O filme tem uma primeira parte instigante, lembrando alguns clássicos noir. Falo de "Calmaria" (Serenity), dirigido por  Steven Knight, trazendo no elenco  Matthew McConaughey, Anne Hathaway, Diane Lane e Djimon Hounsou. O longa provoca a curiosidade, traz um suspense que prende o espectador.

Matthew McConaughey vive Baker Dill, um sujeito pacato, que vive da pescaria e de levar turistas para passear em seu barco numa ilha do Caribe. Seu grande objetivo é pescar um atum gigantesco, que lhe assombra, e passa os tempos de folga na cama de Constance (Diane Lane), a mulher mais linda do pedaço. Até que um belo dia recebe a visita de sua ex, Karen (Anne Hathaway), atuando como uma femme fatale.
Os dois tiveram um relacionamento e um filho, Patrick (Rafael Sayegh). Mas ela deixou Baker quando ele foi servir na Guerra do Iraque. Então Karen casou com um sujeito mafioso e agressivo, que a espanca, Frank Zakarias (Jason Clarke), e ainda ameaça o garoto, que passa os dias trancado em seu quarto jogando vídeo-game. E Karen tem uma proposta. Frank chegará a ilha dentro de alguns dias para pescar. Assim, Baker levaria Frank para passear no barco e o mataria, recebendo em troca alguns milhões de dólares.

Até aí o filme flui tranquilamente, prendendo a atenção. E então se transforma em uma outra história, completamente diferente e desnecessária, trazendo elementos de fantasia e ficção científica - numa espécie de pegadinha desagradável para o espectador. Uma mistureba incompreensível, que não vou adiantar aqui para não praticar spoiler...