8 de março

8 de março

Por
Alina Souza

Mulheres no fotojornalismo. Fotógrafa Camila Domingues.


publicidade

Precisei crescer para entender o que é ser mulher. Quando criança, eu tinha uma concepção diferente do universo feminino e até me negava a pertencer a ele. Algo me fazia crer que o comportamento das garotas deveria ser dentro da linha, sem transgressões e ousadias. Eu era uma arteira que subia em árvores, gostava de usar roupas confortáveis e ignorava as frases do tipo “não se suje” ou “comporte-se como uma mocinha”. Cresci e vi que tudo isso é rótulo, reducionismo. Não somos produtos para nos adequarmos a embalagens. Somos múltiplas. Hoje, subo em obstáculos para poder fazer uma fotografia. Cheia de orgulho, digo: sou mulher. Sim, carregamos peso, lutamos para garantirmos nossos direitos, focarmos os ideais, conquistarmos o melhor ângulo para enxergarmos a vida. Na foto acima, a colega de profissão que tanto me incentivou, Camila Domingues. Sempre me emociono quando vejo mulheres que quebram estereótipos. Esta não é apenas uma homenagem. É, sobretudo, uma convocação. Ainda que tentem ofuscar nossas lentes, seguiremos capturando toda a força que vai muito além do superficial. 


Texto e fotos: Alina Souza