Filhinhos de papai
capa

Filhinhos de papai

Filhos de Bolsonaro só criam confusão

publicidade

Jair Bolsonaro apresenta-se como um defensor da família. Mas a família Bolsonaro, tomando-se por base os três filhos que fazem política, só dá maus exemplos. O próprio presidente já se comparou ao rinoceronte do zoológico, com uma única ressalva: “"O chifre é no nariz, hein, não é na testa, não!" Os filhos de Jair Bolsonaro são vistos como meninos mimados que manipulam o pai e só lhe arranjam confusão. Flávio (01), Carlos (02) e Eduardo (03) regem-se por um código ideológico implacável. Enxergam o comunismo por toda parte.

      Eduardo queria ser embaixador nos Estados Unidos. Aceitou ser líder do PSL na Câmara dos Deputados ao perceber que seu capricho poderia não ser atendido pelo Senado. Carlos contenta-se em fazer postagens nas redes em nome do pai. Vez ou outra, precisa apagar alguma mensagem não autorizada. Flávio, por causa das prováveis “rachadinhas” do seu faz-tudo, o agora famoso Queiroz, foi obrigado a começar mais discretamente a vida de senador. Os mais letais inimigos da família Bolsonaro são os aliados da eleição. A deputada Joice Hasselmann, que passou de fiel a infiel em 15 segundos, acusa a trinca de rebentos políticos do presidente de comandar uma “milícia digital” na internet com a missão de criar e espalhar fake news. Que feio!

      Bolsonaro já declarou ser favorável a dar filé aos filhos. O problema é que o filé custa dinheiro ou cargo público. Como meninos mimados, os filhinhos do papai gostam de colocar apelidos nos seus amiguinhos, especialmente quando brigam com eles por causa dos brinquedos. O travesso 03 apelidou a coleguinha Joice de “Peppa Pig”. Para alguém que viva em marte, ou fora do imaginário hipermoderno, cabe lembrar que Peppa Pig, como o nome diz, é uma porquinha. Críticos da tal “ideologia de gênero”, os garotos não se constrangem em recorrer a insultos machistas. Joice deu o troco aos ex-amiguinhos usando imagenzinhas, como fazem as crianças nas redes sociais, para expressar o seu pensamento sobre 01, 02 e 03: três ratinhos e três cervinhos. É briga de pátio de escola. Só que com marmanjos eleitos.

      Será que faltaram palmadas e castigo aos guris? Precisariam ser reeducados numa escola cívico-militar? Papai não teve autoridade para dar boas maneiras aos filhos? Ou serviu de modelo? O destemido 03 tem a mesma explicação para tudo. É o que se vê no seu twitter: “Vandalismo/terrorismo no Chile, instabilidade no Equador e Peru, mancha de óleo no nordeste do Brasil vinda misteriosamente de petróleo venezuelano... Maduro fala claramente que o Foro de São Paulo está executando seu plano”. Em qualquer situação, a culpa é da Venezuela. Defender a Venezuela seria uma enorme perda de tempo. Considerá-la culpada pelo caos no Chile exige uma dose de inteligência superior.

      O poder dos filhos é enorme no governo do pai. Jair Bolsonaro compreendeu que seria melhor Eduardo desistir da Embaixada nos Estados Unidos. Deixou, porém, para o filho a decisão. Um pai que não impõe limites vê-se às voltas com estripulias dos filhos. Todo dia tem bilhete da escola, queixa dos vizinhos ou até BO em alguma delegacia. O último episódio foi o vídeo das hienas. Papai pediu desculpas ao STF.

Ele nãos saberia fazer o vídeo. Nem postá-lo.

Mas faz pose de sensato.