Morrerei em Palomas

Morrerei em Palomas

Lembranças do futuro

publicidade

Obsessão

 

Morrerei em Palomas

De onde nunca pude sair

Morrerei em Palomas

Mesmo que seja em Paris

De minhas fugas e ardis

Morrerei quando cair

Na tarde tristonha

O aguaceiro nos campos

Do veterano Machado

Onde se canta Vallejo

E se ouve o achado

De um violão insepulto

Ou o choro do bandonion

Soando como um indulto

Morrerei em Palomas

Ao cair de uma noite

Que nadie quiere cantar

E que não poderei olvidar

Morrerei como canto

Na varanda de casa

Casa verde do pampa.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895