Por trás da cortina
capa

Por trás da cortina

Imagens da cidade em transe

publicidade

Fui caminhar no parque quando a manhã agonizava

Das manhãs sinto o perfume e a nova esperança,

A luz que sempre avança e a ternura desperdiçada

Carrego no imaginário muitas palavras que sangram

Gosto quando as árvores me falam dos pássaros

E dos carros cujas marcas já não identificamos

Sim, eu falo com árvores, pássaros e fantasmas,

Que me seguem por toda parte como cães sem dono.

Levava comigo um maço de preocupações correntes,

Um artigo da Constituição impresso para leitura,

Um poema de Baudelaire e um comprimido de Rivotril

Sentia falta do celular deixado em casa por segurança,

Lembrava de uma valsa de 15 anos na pré-história,

Quando o futuro ainda não estava para sempre escrito

Contava os dias e os anos que me aconteceram,

Tanto me aconteceram que nunca passam,

Assim como certas imagens que sobrevoam,

Ou trilhos que bifurcam na memória enferrujada.

Um dispositivo controlava meus batimentos,

Incapaz de saber por quem batia meu coração

Nem de me impedir de vibrar com um gol de 1979.

Andei pelas alamedas do parque como um menino,

Só não corri atrás da bola por causa deste cansaço,

O cansaço dos anos que já foram jogados para fora,

Extenso espólio das emoções vencidas, eleições perdidas,

Mágoas acumuladas, impedimentos mal marcados e partidas

Quantas vezes parti antes do tempo, que é sempre o tempo das partidas?

Na caminhada, que sempre faço na mesma direção, confessei.

Confessei tudo que sempre soube, tudo que jamais neguei:

Sou um anarquista confesso como são os que não têm poder,

Um errante contumaz como todos os que erram por exclusão,

Aquele que sonha com a volta do que apenas poderia ter sido,

O homem quem tenta recapturar a ilusão que se evadiu,

O apaixonado que só uma vez esqueceu de mandar flores,

Pois todos, alguma vez, esquecem de dizer o quanto amam.

Há muito saí do armário e só me interesso pelos aromas,

Esses cheiros doces do melhor que conseguimos ser.

Caminhei no parque como se levitasse no firmamento

Passei por alegrias e tristezas, miséria e fortuna,

O velho que se arrastava, a menina que triunfava,

O homem que não corria, praticava para vencer,

A mulher que trabalhava para manter a forma,

A vida em todas em suas formas, inclusive a tristeza,

Que não deixa de ser quando também morre a manhã.

Havia, porém, o céu salpicado de nuvens mal desenhadas

Vi um elefante, um violino, o mapa da Itália, uma andorinha,

Vi, tenho certeza, a lagoa da minha infância e um pato selvagem

Vi, quem sabe, Deus espiando o seu mundo por trás da cortina.