Renunciar ao dever real? a encenação perigosa de Harry e Meghan
capa

Renunciar ao dever real? a encenação perigosa de Harry e Meghan

Um ensaio de Michel Maffesoli para o Caderno de Sábado

publicidade

No Reino Unido, viver juntos é encarnado por ritos diários comuns a diferentes classes sociais e talvez até a diferentes comunidades religiosas e étnicas. O breakfast e a hora do chá são as representações mais conhecidas disso mesmo que não tenham mais a forte coesão do passado.

        Nesse país agitado nos últimos dois anos pela crise do Brexit, que revela uma forma de revolta popular contra as elites, em particular as da economia e finanças, a família real conseguiu até agora apresentar uma forma de unidade e de coesão, apesar dos muitos sobressaltos amplamente explorados pela mídia: desde o divórcio e o abdicação de Eduardo VIII até a trágica morte da Princesa de Gales, em vias de separação, às revelações sobre a vida sexual do príncipe de Gales, um relacionamento sexual do príncipe Andrew com uma menor do príncipe. A crise aberta pelo anúncio feito por Harry e sua esposa Meghan para obter "independência da família real", no entanto, parece singular na história da instituição real.

        O atual reinado de Elisabeth, ainda mais longo que o de Vitória (63 anos), representa estabilidade, raízes e tradição em uma sociedade inglesa que, do século XIX ao século XX, não parou de se modernizar: o império econômico e colonial dos tempos de Vitória saiu da insularidade e integrou-se econômica e financeiramente à Europa sob Elisabeth, permitindo que a sociedade mudasse enquanto simulava a continuidade. De certa forma, até o "caso Harry-Meghan" nada poderia abalar esse pilar: certamente o divórcio de Charles e Diana abalara a realeza, mas, basicamente, era apenas uma questão de adaptação às normas da sociedade burguesa nas quais a interdição religiosa não é mais apropriada mesmo para a família real. O mesmo vale para Andrew e sua ex-esposa, mas companheira, Sarah Ferguson, ou para as aventuras teatrais de Edward.
        A morte trágica de Diana fugindo dos paparazzi e colidindo com as paredes de um túnel escuro em Paris poderia ter influenciado o papel integrador da família real. A construção do mausoléu da princesa em um shopping center atraiu mais visitas do que a troca da guarda. Mas foi inteligente de parte de Elizabeth absorver William e Harry, até mesmo para fazê-los suplantar o pobre Charles, com dois papéis muito específicos atribuídos a cada um: o primeiro, William, incorporando a continuação, o segundo, um personagem mais contemporâneo e talvez mais em sintonia com o ar do tempo.
        William se casou com uma plebeia, mas por sua vida, e pela atitude de sua esposa, Kate Middleton, imediatamente se colocou no papel de futuro rei: uma encenação estritamente reservada ao dever real, crianças com nomes reais, ou mesmo, em relação a Harry, puxões de orelha fraternos, mas que retomam, à meia voz, os da rainha.
        Harry é um personagem mais perturbador, mais complexo e mais afinado com os tempos atuais: justifica todas as suas derrapadas, incluindo as políticas (usar um termo que se pode considerar racista em relação a um paquistanês, ser fotografado em uniforme nazista) pelo trauma sofrido aos 12 anos com a morte de sua mãe. Ele usou todos os privilégios que lhe concedem o título de sexto na ordem da sucessão, mas não consegue assumir as restrições: perguntas de jornalistas ou até assédio dos paparazzi, impossibilidade de uma carreira no exército em campo de guerra. Somente depois do seu casamento com Meghan, porém, é que ele ultrapassou dos códigos de conveniência da realeza.
        O casamento com uma plebeia americana divorciada e mestiça foi aceito quase como uma banalidade. Mas talvez não a realização desse casamento em grande pompa diante de três bilhões de espectadores.
        O papel das mulheres na família real da Inglaterra nunca foi menor. Há quase mais anos de reinado de rainhas do que de reis e a pequena Charlotte, filha de William, é a quarta na ordem de sucessão, à frente do seu irmão mais novo e de seu tio Harry. Elisabeth, na linha direta de Vitória, é uma rainha para quem os deveres de seu cargo têm precedência sobre sua vida pessoal, até da maternidade. Diana Spencer, depois de interpretar a princesa dos contos de fadas, a vítima enganada por um marido odioso, soube como desempenhar um papel pessoal, embaixadora de várias causas beneficentes com as quais misturou sua silhueta de modelo.
        A entrada em cena de Meghan dá um tom diferente às relações entre homens e mulheres na família real (que é como um teatro para a sociedade inglesa como um todo). Meghan é um pouco mais velha que Harry, mas nada do que ganhou, em dinheiro, em notoriedade, deve à coroa. Ela domina não pelo poder, mas pela potência das imagens, mesmo que diga não suportar a pressão da mídia! Tudo o que Harry havia feito até então era bastante banal, orgias, bebedeiras e até mesmo "fumar". Mesmo suas inclinações políticas não destoavam tanto na família de Eduardo VIII, que se sabe ter sido amplamente atraído por Hitler!
        Por outro lado, misturar negócios e midiatização calculada é novo. Andrew desapareceu das funções "reais" e não é mais mencionado. Harry e Meghan encenam uma "ruptura". Radicalizam o papel de rebeldes, prontos a "usar" até o título de Sussex em operações das quais não se sabe se são comerciais ou de caridade, ou talvez ambos. Querem permanecer a serviço da rainha, mas viver seis meses do ano no Canadá e possivelmente até nos Estados Unidos. Se reclama da pressão da mídia, Meghan não tem medo de expressar, como boa americana sincera, suas opiniões políticas (contra Trump), anti-Brexit, etc).
        Este último fato também sinaliza a ruptura entre o senso de realeza de Elisabeth e o de Harry e Meghan. Todo mundo sabe ou assume que a rainha Elisabeth não aderiu ao Brexit, mas ela não pode falar contra a voz do povo. Fazer como Meghan fez seria ficar do lado das elites, dos ricos. A rainha também é rica, oh, quanto! Ela nunca conheceu outro ambiente além daquele muito fechado da elite europeia. Tudo com discrição. Embora sua fortuna venha em parte de fundos financeiros bem administrados, ela nunca incorporou a voz da City: é a rainha de todos, especialmente dos mais simples.
        Meghan e Harry procuram desempenhar um novo papel, o de um casal que, como seus contemporâneos, coloca suas emoções antes de análises racionais, que monta sua vida esquecendo todas as regras da "comunicação" real". Pode-se até esperar que Meghan e Harry, como foi o caso da primeira série de televisão, conduzam pesquisas de opinião para tomar as decisões de suas vidas: quatro ou seis meses no Canadá, participar ou não da homenagem à rainha no aniversário dela, que primeiro nome dar às crianças, etc. Assim, perseguidos pela fama nas redes sociais e junto ao seu público, Harry e Meghan terão dificuldade em continuar esse jogo de identificações múltiplas e parcialmente contraditórias, que é tipicamente pós-moderno.

·       Professor emérito da Sorbonne.