Multas altas barram sonhos de clubes da Argentina de contar com Kannemann e Cuesta
capa

Multas altas barram sonhos de clubes da Argentina de contar com Kannemann e Cuesta

Por

publicidade

Fotos: Lucas Uebel - Grêmio / Ricardo Duarte / Inter


Os torcedores da dupla Gre-Nal já se acostumaram. A cada janela de transferências os nomes de Walter Kannemann e Victor Cuesta surgem no noticiário esportivo ligados a interesses de clubes da Argentina em suas contratações. Conversas chegam a ser iniciadas, mas os contratos com multas altas feitos por Grêmio e Inter cortam os planos dos dirigentes argentinos.

 

Em entrevista recente, o presidente do Boca Juniors, Daniel Angelici, admitiu a dificuldade para contratar zagueiros e citou os dois jogadores da dupla Gre-Nal. "Não há zagueiros no mercado, tanto que acabamos de vender dois. Em toda janela se fala de Kannemann, Cuesta e Palomino. São os que têm. Liguei para o presidente do Grêmio e ele me disse que o Kannemann era inegociável. Nem fiz proposta", revelou o dirigente. Kannemann tem multa rescisória na casa dos 20 milhões de dólares, um valor impagável para qualquer clube argentino por um zagueiro.

 

O Palomino citado por Daniel Angelici é José Luis Palomino, argentino de 29 anos que joga atualmente na Atalanta. O Boca negocia a contratação dele, mas diante da dificuldade nas tratativas com os italianos, o nome de Cuesta voltou a aparecer na pauta. Mais uma vez, o clube argentino encontrou resistência na liberação. Com o Inter indisposto a negociar, as conversas não andaram porque a multa de Cuesta é ainda maior, cerca de 60 milhões de euros.

 

Não apenas o Boca Juniors busca zagueiros. O Independiente também tenta um jogador para a posição e iniciou tratativas com o empresário de Kannemann. O clube de Avellaneda chegou a oferecer um salário superior ao que o jogador recebe na Arena, mas a proposta de 6 milhões de dólares foi recusada pelo Grêmio, que teve o presidente Romildo Bolzan Jr. firme na postura de só liberar pela multa.

 

É possível que o nome de Cuesta apareça em alguma sondagem do Independiente para o seu retorno - o zagueiro defendeu o Rojo de 2014 a 2017 -, mas novamente a multa rescisória será um empecilho para qualquer negócio.

 

Por enquanto, os torcedores de Grêmio e Inter podem ficar tranquilos. Kannemann e Cuesta só sairão se aparecer propostas do mercado europeu ou asiático. Para a Argentina, eles vão voltar apenas quando deixarem de ser considerados inegociáveis pelos dirigentes gaúchos.