A rede do bem da Brigada

A rede do bem da Brigada

Que a força de Dona Joana e a humanidade desses policiais militares nos inspirem a superar tudo. Com fraternidade e amor.

publicidade

Coluna publicada na edição de 04/07/20.

 

Aconteceu em Palmeiras das Missões. Era para ser o encerramento de uma ocorrência de roubo e sequestro. Os policiais militares do 39º BPM aguardavam apenas a chegada da perícia para seguir atrás de outras urgências. Então ela surgiu entre os arbustos. Do meio da lavoura. Ela e dois cachorrinhos. Veio do nada, caminhando com dificuldade, apoiada em um pedaço de madeira que fazia as vezes de bengala. Viu a equipe da Brigada Militar e nem acreditou quando eles lhe ofereceram uma carona. Estava há dias sem comer, sem poder ir à cidade comprar algo por causa das chuvas. Porém, do alto de seus 82 anos, fazia questão de dizer que era uma pessoa feliz. E sua maior preocupação, naquele momento, nem era morar sozinha num lugar distante, sem as mínimas condições, há quase duas décadas, ou não ter luz e precisar diesel para o lampião. Era fazer com que os seus dois companheiros caninos entendessem que ela já voltaria.

Na viatura, Dona Joana contou suas histórias e lutas e dificuldades. Com sorriso fácil, conquistou os integrantes da Força Tática do 39º BPM em todos os sentidos. Sensibilizados, os policiais militares foram conhecer s sua casa e se apavoraram com a precariedade da vida que Dona Joana levava. Foi a fagulha para eles, ali, naquele instante, desencadeassem uma das ações solidárias mais belas que a região missioneira já viu. Decididos a não ficarem apenas na consternação com as condições desumanas de vida daquela idosa, os PMs deflagraram uma rede do bem que logo envolveu os demais colegas da Brigada Militar. E os familiares. E os amigos. E pouco depois já tomou conta da comunidade palmeirense, que arregaçou as mangas para ajudar, graças a fé que tem na seriedade das ações sociais e comunitárias da Brigada Militar em seu município. Muitos deles ajudaram sem querer nem aparecer. Porque não fazem isto por propaganda ou política, mas por respeito ao ser humano.

Dona Joana ganhou uma casa nova, novos amigos e essa perspectiva de viver com dignidade, mesmo que tudo tenha chegado já em sua idade avançada. Sempre é tempo de recomeçar. Os policiais militares que deram vida a todo esse movimento foram reconhecidos, solenemente, pela Câmara de Vereadores do município e pela imprensa local. Mas o principal reconhecimento, o mais importante de todos, este residirá para sempre, tão invisível quanto inabalável, no âmago dessa alma guerreira chamada Joana. Que talvez nada mais esperasse da vida. Mas que jamais desistiu dela. E por um motivo tão simples quanto nos darmos conta do quanto temos e não damos valor: manter a alegria no coração. Aconteça o que acontecer. Virão dias difíceis, por aí, por conta da pandemia. Que a força de Dona Joana e a humanidade desses policiais militares nos inspirem a superar tudo. Com fraternidade e amor.


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895