Carlos Sainz segura Al-Attiyah e Peterhansel para virar lenda com três títulos do Dakar
capa

Carlos Sainz segura Al-Attiyah e Peterhansel para virar lenda com três títulos do Dakar

Ricky Brabec tirou Honda da fila entre as motos, encerrando domínio de 18 anos da KTM

Por
Estadão Conteúdo

Atual campeão recebeu o novo rei do Dakar na chegada

publicidade

O veterano Carlos Sainz colocou mais uma insígnia de lenda no currículo. O espanhol de 57 anos conquistou seu terceiro Rally Dakar, superando outros dois monstros do deserto. Nesta sexta-feira, manteve a vantagem sobre o Catariano Nasser Al-Attiyah e o companheiro de equipe francês Stephane Peterhansel para faturar a primeria edição do evento na Arábia Saudita.

No 12º e último estágio, uma rota de 167 quilômetros de Haradh a Qiddiya, Al-Attiyah, segundo colocado na classificação geral, conquistou sua primeira vitória de uma etapa deste Dakar, mas Sainz terminou 3min56 atrás, em sexto lugar, o que foi suficiente para lhe garantir o título entre os carros, conquista que se junta ao triunfos de 2010 e de 2018, todas tendo o espanhol Lucas Cruz como navegador. Mostrando espírito esportivo, Al-Attiyah esperou Sainz na linha de chegada e foi o primeiro a cumprimentar o rival, longos 6 mil quilômetros de muita areia após o sinal verde.

Sainz terminou a disputa com uma vantagem de 6min21 sobre Al-Attiyah e de 9min58 para o francês Stephane Peterhansel, o terceiro colocado. O trio, que soma 19 títulos do Dakar, ocupava as três primeiras posições desta edição do rali desde a quarta etapa. E o espanhol atingiu a liderança no terceiro estágio. "Me sinto muito feliz", disse Sainz. "Há muito esforço por trás disso. Muito treinamento, prático, físico com a equipe. Começamos a ganhar este Dakar no primeiro dia".

A liderança do espanhol foi reduzida para 24 segundos na terça-feira, mas erros de Al-Attiyah e Peterhansel na quarta-feira deram a Sainz uma vantagem de 18 minutos. "Fizemos um bom trabalho para terminar em segundo, apesar de querermos vencer", disse Al-Attiyah. "Cometemos dois ou três erros ao longo do caminho e tivemos as punções, mas estou bastante feliz. Voltarei para ganhar no próximo ano. Eu só preciso de um pouco mais de sorte."

Peterhansel completou seu 31º Dakar no pódio pela 16ª vez. O francês é recordista com 13 títulos e acrescentou quatro vitórias de etapas, passando a somar 80. "As quatro especiais são um bom prêmio de consolação, é sempre bom vencer", disse. Bicampeão mundial de Fórmula 1, o espanhol Fernando Alonso terminou o Dakar na 13ª posição. Depois de violenta capotagem no antepenúltimo estágio, ele ainda teve fôlego para recuperar uma posição e prometeu: se voltar, vai ser para disputar o título.

Nas motos, o norte-americano Ricky Brabec fez façanha dupla. Tornou-se o primeiro norte-americano a ser campeão sobre duas rodas na história do Dakar e, em uma Honda, terminou com um domínio de 18 anos da KTM na categoria. Ele se esforçou para vencer a etapa final, tendo terminado o estágio em segundo lugar, a 53 segundos do chileno José Ignacio Cornejo.

Na classificação geral, Brabec teve vantagem de 16min26 pata o chileno Pablo Quintanilla e de 24min06 para o australiano Toby Price, que havia sido campeão em 2019. O brasileiro Antonio Lincoln Berrocal fechou o Dakar na 67ª posição após terminar a etapa final em 68º. "É o meu quinto Dakar, a segunda vez que termino. Eu acordei nesta manhã feliz por correr no último dia. E nós estamos aqui. Nós vencemos! Tivemos que ser inteligentes e focados todos os dias. Não há o numero 1 da equipe, todos nós trabalhamos juntos, somos uma família. Todos nós vencemos", afirmou Brabec.

Em outro triunfo dos Estados Unidos, Casey Currie levou o título nos UTVs com vantagem de 39min12 para o russo Sergei Kariakin. Os brasileiros Reinaldo Varela e Gustavo Gugelmin ganharam a etapa final e fecharam o Dakar em nono lugar.

O russo Andrey Karginov sacramentou o seu título entre os caminhões vencendo a etapa desta sexta-feira, sendo que ela já havia sido campeão em 2014. Já o chileno Ignacio Casale faturou a disputa dos quadriciclos, garantindo a terceira conquista - as outras foram em 2014 e 2018.