Feira gratuita traz novidades sobre intercâmbio na Oceania
capa

Feira gratuita traz novidades sobre intercâmbio na Oceania

Oceania Day será dia 24 de agosto, das 10h às 14h, na CI Moinhos de Vento; Representantes de instituições de ensino da Austrália e Nova Zelândia estarão presentes no encontro

Por
Correio do Povo

Austrália é um dos principais destinos

publicidade

Viver uma experiência no exterior tem se tornado cada  vez mais uma tendência mundial, inclusive entre os brasileiros. Países como Austrália e Nova Zelândia, que são receptivos a estrangeiros, se tornaram uma das principais escolhas dos gaúchos que decidem estudar e trabalhar fora do Brasil. No dia 24 de agosto,  das 10h às 14h,  a CI Intercâmbio e Viagem organiza o Oceania Day,  na unidade Moinhos de Vento, que fica na Rua Padre Chagas, 72, em Porto Alegre. Com entrada franca, o público poderá conversar com representantes de instituições de ensino destes países e conhecer as novidades em curso de idiomas, mercado de trabalho local  e turismo na Ocenania. 

“A  Oceania tem um clima e uma receptividade muito semelhantes ao Brasil e, por isso, atrai os brasileiros”,  afirma Ana Flora Bestetti, Supervisora de Relacionamento da CI. Dados do Departamento de Educação Australiano mostram um crescimento de 12% de inscrições de estudantes internacionais, foram 542.054 inscritos em universidades, colleges privados, cursos de idiomas  entre outros programas de ensino, só em 2018. Na CI, o intercâmbio no continente da Oceania está entre os 5 destinos mais procurados pelos brasileiros.


No evento, Anderson Pacheco, da SLEC Queenstown (NZ)  e Francielly Gnoatto, da Imagine Gold Coast Brisbane (AUS), entre outros representantes de instituições daquele continente, receberão os interessados em conhecer um pouco mais sobre a educação, os cursos e os destinos. A possibilidade de associar trabalho  e estudo é um grande atrativo na Austrália e Nova Zelândia, sendo uma ótima opção para quem pretende desenvolver um segundo idioma e ainda guardar um dinheiro e se manter nos países. “Outro  diferencial desses dois destinos é a possibilidade de evoluir profissionalmente enquanto se estuda no país, já que eles seguem a ideia de ensino progressivo”, comenta Ana Flora.


Esse modelo de ensino incentiva o intercambista a mostrar  o progresso como estudante dentro do país, e o faz buscar novos campos de conhecimento. “Para  conseguir renovar o visto que permite o trabalho não vale repetir o mesmo curso. Por esse motivo, para quem pretende estender a estadia nos países sempre indicamos começar com um curso de idioma e ir progredindo para um curso profissionalizante, uma graduação  e assim por diante”, comenta Janaína Brentano, gerente da CI Moinhos de Vento.


O começo da jornada na Austrália ou  Nova Zelândia

Os primeiros passos dentro de uma nova cultura são para  desenvolver as habilidades de comunicação e se adaptar aos costumes do destino. “Mesmo  no processo de aprendizagem do idioma, é uma excelente opção procurar trabalhos básicos e que te deixem em contato direto com os nativos. Ao atender um cliente em um café, por exemplo, o intercambista conseguirá colocar em prática tudo o que aprendeu em sala  de aula. Assim vai ganhar de forma mais rápida a fluência e segurança desejadas”,  explica Ana Flora.


Os caminhos para seguir na Oceania

Após adquirir a tão desejada fluência no idioma, o que  fazer? Essa é a hora de pular para a próxima etapa e aproveitar para fazer um curso profissionalizante. “Nele  o estudante vai ter a oportunidade de repensar suas prioridades na vida e até mesmo qual o caminho profissional que vai querer seguir. Um curso profissionalizante vai ajudar a tomar essa decisão e ainda dar um upgrade no currículo do viajante”,  completa Janaína.


Se o intercambista já tiver um bom conhecimento do idioma,  além dos cursos profissionalizantes, ele pode optar por fazer uma graduação e até mesmo seguir para uma pós na Austrália ou Nova Zelândia. Dessa forma ele vai conseguir ingressar com maior facilidade na área profissional desejada e ter um grande diferencial  no currículo.


Ana Flora alerta que para conseguir a permissão de trabalho  e estudo nos dois países é preciso estar matriculado em um curso de inglês ou profissionalizante acima de 14 semanas. Dessa forma o estudante pode trabalhar até 20 horas durante as aulas e 40 horas no período de férias do curso profissionalizante.


Trabalhar e estudar no exterior é uma experiência enriquecedora,  seja na carreira, na educação ou no próprio estilo de vida da pessoa. “Estar  em contato com uma nova cultura mostra outras formas de pensar, de resolver problemas ou mesmo de se divertir. Por esse motivo tem se tornado uma tendência mundial e um diferencial que as empresas do mundo inteiro consideram importante”,  completa Ana Flora.


A CI, em Porto Alegre, está presente na Rua Padre Chagas,  72, Moinhos de Vento (Telefone: 51-3346-4654) e na Av. Pereira Passos, 1125, loja 1, Bairro Vila Assunção (Telefone: 51-3062-0626). Há, ainda, unidades em Caxias do Sul, Passo Fundo, Erechim e Pelotas.  Informações no www.ci.com.br.


Sobre a CI

Líder no segmento de intercâmbio e viagem no país, a  CI Intercâmbio e Viagem possui 30 anos de história. Nesse período, a empresa, que também é uma das maiores do mundo, já embarcou mais de 500 mil pessoas, inaugurou 130 unidades ao redor do Brasil e quatro unidades fora do país (Austrália, Irlanda, Nova Zelândia  e Canadá). A CI oferece experiências internacionais de estudo, trabalho ou turismo para público jovem e adulto, principalmente entre 13 e 35 anos. A fim de entregar uma solução completa e segura para o cliente, a companhia possui outras unidades de negócios  que fazem parte do grupo - a Amaze, empresa especializada em viagens pedagógicas e a CI Seguros.

 

Fique por dentro:
O que: Oceania  Day
Quando: 24 de agosto de 2019
Horário: Das 10h às 17h
Quanto: Entrada Franca
Onde: Rua Padre Chagas, 72, Moinhos de Vento 

Informações:51-3346-4654 e www.ci.com.br