Eleições 2024: As indefinições na disputa pela prefeitura de Porto Alegre

Eleições 2024: As indefinições na disputa pela prefeitura de Porto Alegre

Articulações foram interrompidas por causa da reação às enchentes, mas o calendário se impõe

Taline Oppitz

Processo de reação às enchentes adiou articulações envolvendo o processo eleitoral

publicidade

A menos de um mês do início do prazo para a realização das convenções partidárias, alguns cenários eleitorais ainda são marcados por incógnitas no Rio Grande do Sul. Entre eles, na Capital. Articulações que estavam em andamento foram interrompidas em função da necessidade de centrar os esforços na reação às enchentes históricas que atingiram o Estado. Agora, no entanto, a pauta já está de volta aos bastidores.

Em Porto Alegre, por exemplo, ainda faltam peças importantes no tabuleiro eleitoral, como a definição do PL sobre quem será o vice do prefeito Sebastião Melo (MDB), que tentará a reeleição.

Dirigentes do PSDB, partido do governador Eduardo Leite, têm convicção sobre a necessidade de protagonismo do partido na disputa pelo Paço Municipal para garantir a defesa de iniciativas da gestão e visibilidade às ações da administração do tucano.

Até, aqui, porém, não há evolução em relação ao anúncio do pré-candidato. Dois nomes que estavam entre os principais cotados para a tarefa declinaram, nesta ordem: a deputada estadual Delegada Nadine e o ex-governador e atual vice-presidente do BRDE, Ranolfo Vieira Júnior, que assumirá o comando do banco em breve.

Há ainda dúvidas sobre o desfecho em torno de negociações de parceria envolvendo o PDT, que lançou a pré-candidatura da ex-deputada estadual Juliana Brizola, o União Brasil, que confirmou o deputado estadual Thiago Duarte, e o PSB.

Segundo o calendário da Justiça Eleitoral, o prazo para a realização das convenções vai de 20 de julho a 5 de agosto.

Veja Também


Mais Lidas

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895