Novo capítulo tumultuado na fusão do Dem e PSL

Novo capítulo tumultuado na fusão do Dem e PSL

Mensagem encaminhada por Busato, convidado para ser o presidente estadual do União Brasil, gerou reações

Taline Opptiz

Busato foi convidado para ser o presidente do novo partido no Estado

publicidade

Marcado por polêmicas e divergências desde o nascimento, o caso envolvendo o União Brasil, partido que resultou da fusão do Dem e do PSL e que ainda depende de homologação pela Justiça Eleitoral, ganhou um novo capítulo tumultuado. Convidado para ser o presidente do partido no Rio Grande do Sul, o secretário estadual de Desenvolvimento Urbano e Metropolitano, Luiz Carlos Busato (PTB), encaminhou mensagem a dirigentes partidários, prefeitos, vices, secretários e vereadores do Dem.

No texto, Busato afirma que seu nome “surgiu pela minha experiência de gestão e perfil conciliador, algo tão importante neste momento que vivemos”. Busato afirmou ainda que o novo partido tem grande responsabilidade, que está à disposição para conversar com as lideranças e fez perguntas sobre as avaliações sobre a fusão e perspectivas eleitorais para 2022. O movimento não deu certo e gerou reação imediata.

Segundo o presidente estadual do Dem, Rodrigo Lorenzoni, se a iniciativa será a prática do presidente do UB, começou muito mal. “A medida foi autoritária e não reconheceu as instâncias partidárias existentes. As ações valem mais do que palavras. E esse talvez seja o método do partido que surge. Impor de cima para baixo as decisões. Se eu fosse precipitado como o Busatto está sendo, diria que ele está sendo oportunista e talvez deslumbrado pela avareza de ver um fundo partidário tão grande. Mas ainda não vou concluir isso. O tempo dirá”, disse à coluna. Outras lideranças e militantes também estão respondendo à mensagem de Busato com contrariedade e cobranças. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895