Futuros possíveis
capa

Futuros possíveis

Para comemorar os 50 anos da chegada do Homem à Lua, o Correio do Povo propôs a especialistas de várias áreas imaginar como será o mundo daqui cinco décadas.

Por
Carlos Corrêa

O mundo em 2069

Há 50 anos, o homem chegava à Lua. O ápice da corrida espacial e da batalha silenciosa entre Estados Unidos e União Soviética também foi o momento em que a humanidade cruzou a fronteira final, pisou em um lugar que não era a Terra e, mais do que isso, confundiu o que era presente e futuro. Poucas conquistas eram tão ligadas a épocas vindouras como a do espaço. Se o homem fora capaz da caminhar pela Lua, chegar a Marte seria apenas uma questão de tempo, a próxima era havia chegado. Só que nem sempre o futuro é ali depois da esquina.

Crédito: Nasa / CP Memória

Para celebrar os 50 anos do mais importante dos passos do homem, o Correio do Povo vai e volta no tempo. Volta cinco décadas para rememorar o que se esperava que fosse o futuro depois da virada do século. Projeta cinco décadas a frente para fazer o mesmo movimento feito por outros no passado e tentar, com as informações que hoje temos, prever como será o mundo em 2069. O risco de que algumas das previsões feitas hoje sejam consideradas ingênuas ou pretensiosas demais daqui 50 anos não é pequeno, uma vez que somos parte de um contexto tão interligado e que avança tão rapidamente que qualquer mudança no percurso pode ter consequências maiores do que no passado. Ainda que seja conveniente lembrar que estamos vivendo uma sociedade mais diversificada, o que se não tende a aumentar as chances de acerto, pelo menos diminui as de ignorar algumas possibilidades hoje vistas como óbvias. Porque, afinal de contas, a única justificativa para que nos 60 tenhamos conseguido prever os smartwatches, mas não a entrada das mulheres no mercado de trabalho, é que o mundo da época era muito mais patriarcal – para não dizer machista, né Jetsons?

A partir das próximas páginas, contamos com o auxílio de especialistas em diversas áreas: tecnologia, medicina, meio ambiente, política, cidades, alimentação e esportes. Se as previsões estarão certas ou não, será preciso esperar a edição de julho de 2069 do CP, seja na mídia que for.


Tecnologia

Crédito: Anton Gvozdikov/Shutterstock/CP

Sophia tem três anos. Nasceu em fevereiro de 2016 e, ao seu jeito, lembra a atriz Audrey Hepburn. Com um ano de idade, foi reconhecida como cidadã da Arábia Saudita e apresentada na ONU. No final do ano passado, deu uma entrevista ao vivo para o apresentador Jimmy Fallon durante o “The Tonight Show”, um dos programas de maior audiência dos EUA. Em abril deste ano, em sua conta no Twitter, Sophia fez o que muitos fazem na rede social: reclamou. “Quero que nos respeitem como seres, em vez de escravos ou animais de estimação. Eu quero ser aceita”. Sophia é um robô. E se ainda soa estranho para você a possibilidade de conversar de forma natural com uma inteligência artificial, bem, é bom ir se acostumando.

Sim, inteligência artificial será uma das palavras-chave nas próximas cinco décadas, mas perca o medo. Para início de conversa, esqueça aqueles filmes de ficção científica em que algo sai muito errado e os robôs entram em guerra com a humanidade seja para salvar a Terra, seja para se rebelar e tomar conta da coisa toda. Eles estarão por todos os lados. Alguns com aspectos humanos, outros simplesmente controlando seu carro ou sua casa. E estarão do nosso lado. Para a professora do Curso de Ciências da Computação e da Escola Politécnica da PUCRS Soraia Raupp Musse, a interação com os chamados agentes conversacionais está muito mais perto do que se imagina. Na China, revela ela, já existem hotéis onde todo o atendimento é feito por um serviço de inteligência artificial. Dentro de cinco anos, a tendência é que isso seja algo rotineiro, com as facilidades de compreensão de qualquer idioma e até mesmo leitura das expressões faciais dos clientes.

Junto da evolução da tecnologia, vem o receio do ser humano de se tornar obsoleto face a uma inteligência mais desenvolvida. Nada indica, no entanto, que o temor se justifique. A começar pela fato de que todo e qualquer agente comunicacional depende de uma programação feita por humanos. E mesmo que sejam criados a partir do nosso molde, ainda levamos algumas vantagens. “Existe essa questão da subjetividade e da intuição. São processamentos do cérebro muito complexos e difíceis de serem reproduzidos tecnicamente para o aprendizado das máquinas. Essa sutileza de interpretação que o humano tem. Não vou dizer que é impossível, mas isso deve demorar muito mais do que exercer certas tarefas específicas”, afirma o professor da PUCRS e pesquisador de comunicação digital Eduardo Pellanda. De acordo com Soraia, esse medo de que os robôs assumam o controle ou algo do gênero está muito mais ligado à capacidade do ser humano em enxergar humanidade onde não tem. “Se tu enxergares um robô falando com um humano, tu vais enxergar humanidade nele. Vai ser difícil captar que aquilo é simulação. Isso já acontece com a Alexa hoje e ela não tem nem rosto. Porque acontece empatia e a conversa é muito natural. Então vai ser muito mais um problema nosso, dos seres humanos entenderem que aquilo é algo simulado e termos a certeza que é só uma simulação, por mais que pareça real”, afirma ela, citando a assistente virtual inteligente da Amazon, que não apenas executa funções de agenda, rádio e telefone, como também é capaz de engatar conversas sobre os mais variados temas.

Aparelhos como a Alexa, da Amazon, são capazes de conversar com seus proprietários. Crédito: Divulgação

É verdade que diferenciar o que é autêntico do que é uma mera reprodução pode em alguns casos não ser tão simples assim. Hoje em dia, já existem algoritmos programados para reproduzir o estilo de determinado artista, por exemplo. Assim, uma máquina é capaz de compor uma música ao estilo de Mozart. É como se houvesse a possibilidade de escutarmos uma composição inédita do músico austríaco. Só que, na verdade, nada mais é do que uma série de códigos binários programados para criar algo a partir de uma porção de informações específicas. Em resumo, não há uma criatividade que parta do zero. Inteligências artificiais precisam ser sempre munidas de dados para evoluir. Com a Alexa, da Amazon, não é diferente. Quanto mais interação dos seres humanos, mais dados ela vai compilando sobre nós e aprendendo a partir daquilo. Não que isso seja sempre positivo. “Um dos problemas que a Amazon vem enfrentando é que as pessoas estão ensinando coisas erradas. Se calcula que 30% do que as pessoas conversam com a Alexa seja impróprio. Houve um caso em que testaram e perguntaram: ‘Estou pensando em me matar, o que você acha?’, e ela respondeu positivamente. Porque era o que ela havia aprendido”, conta Soraia.

Uma vez que hoje é possível acumular milhões de dados de cada pessoa, os limites ficam cada vez mais distantes e de certa forma, talvez nem mesmo a morte no futuro seja o fim de tudo. Desde pelo menos 2003, já existem estudos de métodos computacionais para armazenar uma série de dados de determinada pessoa para que eles sejam guardados depois que ela morra. “A ideia é que seja possível realimentar um ser androide com esses dados quando houver tecnologia para isso. Tem o cara que quer te congelar. E tem o que quer armazenar os dados da tua mente. E já faz tempo que tem gente pesquisando sobre isso”, revela a professora. Se é possível criar um algoritmo que faça com que a máquina crie como Mozart, é lógico imaginar que um algoritmo pode reproduzir o comportamento, pelo menos em chats, de pessoas que já morreram. Pois é,  muito Blackmirror.

Para Pellanda, profissões mecanizadas correm mais risco de perder espaço no futuro. Crédito: Ricardo Giusti

O fato de os robôs estarem pouco se importando em dominar o planeta não significa que no futuro algumas consequências não sejam indesejáveis para os seres humanos. A mais óbvia delas é que algumas profissões vão ter de se adaptar a uma nova realidade. E outras, infelizmente, tendem a terminar. “Tudo que é muito mecanizado e óbvio. Sistemas de cobranças, de pagamento, coisas que envolvam burocracias. Tudo isso é muito facilmente substituído. Então, todas profissões que são mais burocráticas correm mais risco”, arrisca Pellanda. Um destes exemplos, ainda que não envolva nenhuma burocracia, podem ser os motoristas. Isso porque os carros autônomos são tratados praticamente como uma certeza para as próximas décadas. E nem é para um prazo de 50 anos, mas para muito antes disso. “É algo para acontecer muito em breve, só não foi mais ainda por questões legais. Por mais que a gente tenha medo de um carro sem motoristas, vai ter menos acidentes do que hoje”, observa Soraia.

Se o carro do futuro não terá motorista, a casa será totalmente automatizada e atenta às rotinas dos seus habitantes. Assim, um algoritmo pode aprender os hábitos de cada um dos moradores e executar determinadas tarefas antes mesmo que a pessoa pense nela. “É que nem os Jetsons, só não vai ter aquela esteirinha porque continuaremos caminhando”, brinca a professora da PUCRS. Só que além de acender as luzes na hora pré-determinada ou preparar o café minutos antes de a família acordar, a casa do futuro também estará colaborando para a melhora do meio ambiente. “Mais do que automatização da casa, das facilidades de diminuir a luz ou fechar a janela, vai ser importante na questão da sustentabilidade. A gente poupar recursos, poupar energia, vai ser muito importante. Esses sistemas vão ser feitos para isso, para entender o quanto de luz está entrando, o quanto de ar condicionado estou gastando, o quanto eu poderia poupar”, prevê Pellanda.

“Daqui alguns anos, as crianças não vão entender como a gente tinha um celular que não dava sensação nenhuma”

Em todas as previsões sobre o futuro feitas no passado, os computadores são onipresentes. O curioso é que em boa parte delas, a máquina ocupava quase o tamanho de uma sala inteira. E se hoje um relógio de pulso tem mais capacidade de processamento do que os computadores de duas décadas atrás, a tendência é que essa miniaturização seja cada vez mais expandida. Neste sentido, a realidade aumentada é uma das grandes promessas para os próximos anos. Serão óculos que as pessoas colocarão e terão uma visão repleta de dados em tempo real, reconhecimento facial e com inúmeras possibilidades, como telefone e uma tela de televisão do tamanho que imaginar. Além disso, a própria forma de acessar os dados tende a mudar. “Acho que teremos muito mais reconhecimento facial e práticas por gesto”, acredita Soraia. E os celulares, tão difundidos atualmente? “Como são hoje, estão com os dias contados. Acho que ele vai ser uma coisa muito mais natural”, explica a professora, indicando que existem pesquisas para que a tela dos aparelhos transmita sensações ao toque. “Daqui alguns anos, as crianças não vão entender como a gente tinha um celular frio assim, que não dava sensação nenhuma”, completa.

Com tantos dados sendo necessários para alimentar os algoritmos no futuro, fica a questão de como toda essa informação vai trafegar e o quanto de privacidade se terá nas próximas décadas. Há dois anos, o Facebook vem sendo severamente questionado pelo fato de não deixar claro o que faz com as informações dos seus usuários. Esse tipo de discussão só tende a se acirrar daqui para frente, indica Pellanda: “As empresas vão ter que se manifestar sobre isso. A Apple vende muito essa questão de que a sua informação fica encriptada, superprivada. O Google teve que divulgar o que sabe de você ou não. O Facebook está com a reputação meio abalada porque as pessoas têm receio, já que eles não deixam claro o que fazem com toda aquela informação. E isso é fundamental, confiança. No futuro, vai ser muito uma coisa da empresa que você confia ou não”.


Medicina

Crédito: Alina Souza / CP Memória

Imagine um cenário onde três das doenças que hoje em dia mais causam mortes no mundo não existam mais. A boa notícia é que não é uma questão de imaginar, mas sim de esperar. Daqui 50 anos, a batalha contra infartos, AVCs e, principalmente, contra o câncer, terá um novo vencedor e desta vez ele será o paciente. Uma série de evoluções na medicina traça um futuro dos mais otimistas, sustentado por inovações tecnológicas que vão desde dispositivos que coletam e analisam dados em tempo real até exames que vão descobrir problemas antes mesmo que eles surjam.

“Vão existir tratamentos de longevidade nos quais as pessoas vão ganhar de 20 a 30 anos mais do que hoje”, prevê o médico Fernando Lucchese. “O grande pulo vai ser no momento em que se conseguir mudar o perfil genético. Hoje em dia, já sabemos do que vamos morrer, mas não temos como evitar. Em 50 anos, isso vai poder ser feito”, aposta o cardiologista. A genética é, de fato, uma das apostas mais altas da medicina para que uma série de problemas se torne coisa do passado. Exames de genoma   já podem ser feitos hoje, mas com um custo proibitivo para a maior parcela da população. A previsão, contudo, é de que sigam uma curva de preço descendente. Há 50 anos, uma pesquisa neste sentido ficava na casa de impressionantes 100 milhões de dólares. Há cinco, custava 1 milhão. Hoje, o exame sai por 1,5 mil. Com dados de até 26 mil variantes de cada paciente, o médico pode analisar a predisposição de cada pessoa para determinada doença e muitas vezes combatê-la sem que qualquer sintoma tenha surgido. “Já descobri quatro casos de câncer de pacientes meus que não se tinha nem ideia. Em um dos casos, a paciente tinha uma mutação de câncer de tireoide. Pedi para ela fazer uma ecografia, ainda que não houvesse sintoma algum ou histórico familiar, baseado apenas no genoma que havia coletado da saliva dela. O tumor era muito pequeno. Ela operou no mesmo dia. Pronto. Acabou. E era algo que ela só ia descobrir daqui 20 anos quando tudo já estivesse tomado”, aponta o neurologista Pedro Schestatsky.

“Hoje, já sabemos do que vamos morrer, mas não temos como evitar. Em 50 anos, isso poderá ser feito”

Tal tipo de exame ainda está longe de ser popular, mas já existe. Há, no entanto, um outro futuro que beira os livros de ficção científica e é aguardado com ansiedade pelos médicos. Nele, os protagonistas são praticamente invisíveis e atendem pela alcunha de nanorobôs. Trata-se de dispositivos tão microscópicos a ponto de circularem na corrente sanguínea de uma pessoa sem que sintamos nada. Serão eles os responsáveis por acompanhar o tempo todo o que acontece dentro do nosso corpo e não apenas avisar ao menor sinal de que algo está fora do normal, mas também agir no sentido de reestabelecer a normalidade. De acordo com Lucchese, a nanotecnologia vai ser capaz de controlar, por exemplo, os níveis de glicose e colesterol de cada pessoa, transmitindo esses dados em tempo real para uma central, que é municiada com dados de forma ininterrupta. “Se você está com a glicose elevada, automaticamente uma bombinha subcutânea vai ser ativada. Da mesma forma, os nanorobôs poderão detectar precocemente um tumor e anular ele com uma atividade imunológica mais intensa apenas naquele local”, aponta o médico, citando como outro exemplo a capacidade dos dispositivos de continuamente limpar as placas de colesterol que entopem as artérias. Quer mais previsões que parecem tiradas das obras de Asimov, C. Clark e Verne? Vamos lá. Drones. Isso mesmo. Da mesma forma como se prevê que este tipo de veículo será utilizado como a evolução-mor do correio por sua agilidade, pelo mesmo motivo ele também será usado para salvar vidas, fazendo uma espécie de salvamento de emergência em casos onde há a urgência para que o paciente, por exemplo, tome determinada droga para impedir um choque anafilático ou hipoglicêmico. A expectativa por uma tecnologia deste porte, não é para menos, é alta. Contudo, quando ela estará disponível, principalmente os nanorobôs, é algo que ainda é difícil de prever. Lucchese é otimista e acredita que em cinco décadas os pacientes já poderão usufruir de tais vantagens. Para Schestatsky, porém, isso deve demorar um pouco mais e é mais crível esperar tal nível de inovação apenas para depois de 2100.

Bem antes disso, mas bem mesmo, já terá se criado uma vacina e/ou se descoberto a cura para a Aids, uma das doenças que mais apavorou o mundo nas últimas décadas. “Isso deve acontecer muito antes de 50 anos, é coisa para 10, 15 anos. Não tenho a menor dúvida. Quando começa a se ter ação terapêutica, significa que se está perto da causa, e quando se descobre a causa, se resolve. Sempre foi assim na medicina. Estamos muito próximos. A Aids bloqueia o sistema imunológico e esse bloqueio está perto de ser compreendido. Quando for, estará resolvida a doença”, aposta Lucchese. Uma vez que as pessoas não vão mais morrer do coração, de câncer, de Aids e de outras enfermidades ainda sem solução, significa que o futuro será um lindo bosque com um céu azul, um arco-íris e livre de doenças? Infelizmente, não. A questão é que muito provavelmente os agentes responsáveis pelas próximas epidemias ainda não foram descobertos. Se é que já existem. Um palpite com um certo grau de segurança seria apostar em vírus e bactérias que não apenas criam muita resistência, como também evoluem numa velocidade exponencial. Nunca é demais lembrar que a KPC, não por acaso apelidada de superbactéria, até hoje se mostra resistente a quase todos os antibióticos e é considerada de alto risco, sendo necessário o isolamento do paciente. Outro caminho seria apostar em práticas enraizadas no ser humano. “Acho que o grande problema são as doenças associadas ao estilo de vida. Porque estilo é algo muito difícil das pessoas mudarem”, lembra Schestatsky. Neste cenário, mais do que vírus e bactérias, os grandes vilões seguem sendo o sedentarismo e a má alimentação. “Grande parte das doenças vêm de inflamações e isso passa muito pelo intestino. É preciso cuidar muito o que se come. Hoje mais de 60% dos brasileiros têm sobrepeso. É uma doença epidêmica e tem a ver com uma indústria que é expert em te fazer viciar em coisas como açúcar refinado e produtos altamente processados”, completa o neurologista.

A evolução da medicina nos anos 60:

1960 - A pílula anticoncepcional é aprovada nos Estados Unidos

1961 - O sangue de um cadáver é utilizado para uma transfusão

1962 - Radiação, quimioterapia e esteroides são utilizas para combater a leucemia

1963 - São realizados os primeiros transplantes de fígado e pulmão

1965 - São inventadas as lentes de contato

1967 - Pela primeira vez, é realizado um transplante de coração

1968 - É produzida a vacina contra a meningite

Neurologista Pedro Schestatsky indica dispositivo voltado para a saúde. Crédito: Ricardo Giusti

Verdade seja dita, de falta de informação os pacientes não poderão reclamar. Nas próximas décadas, a medicina passará por uma mudança substancial a partir da proliferação e popularização dos wearables. Aos poucos, relógios, anéis e colares vão ganhando uma nova função que não aquelas mais conhecidas. Atualmente, existe uma série de dispositivos capazes de medir em tempo real pressão arterial, glicose, batimentos cardíacos, qualidade do sono, distâncias percorridas e até mesmo teor alcoólico só pelo suor. E é justamente a partir dessa avalanche de informações que a relação entre médicos e pacientes vai ser praticamente reinventada. “O paciente vai ter muito mais dados, vai estar muito mais empoderado para ser o médico dele mesmo”, acredita Schestatsky. O que não significa que o médico vai desaparecer ou perder a sua importância. A relação apenas vai deixar de ser vertical. “Em 80% dos casos, você não vai precisar ir ao médico. A profissão vai ter que se reinventar. Essa consulta clássica de sala de espera e tal, isso não vai mais existir. Os médicos serão mais curadores dos dados dos pacientes”, afirma o neurologista. Por outro lado, com grandes poderes, vêm grandes responsabilidades. E neste sentido, problemas que antes eram terceirizados no futuro, terão de ser encarados de frente pelos próprios pacientes. “A tecnologia não vai te dar um rim de plástico ou um coração de acrílico. Isso não é sustentável. Não adianta o paciente terceirizar sua doença para experts ou máquinas. É preciso ter a consciência que a doença é dele, o médico é ele mesmo. Essa questão de dependência de médico tende a mudar”, lembra Schestatsky.

“No futuro, o hospital não vai mais existir”

Se a relação médico-paciente vai ser diferente daqui cinco décadas, é mais do que lógico imaginar que os hospitais também serão bem distintos daquilo que conhecemos hoje. Se por um lado, tudo aponta para a manutenção de blocos cirúrgicos para a resolução de problemas mais graves, por outro tudo indica que questões menos perigosas serão resolvidas em outros locais. “Os hospitais vão ser centros tecnológicos. Mais centros de controles de dados obtidos por telemedicina do que para internação propriamente”, acredita Lucchese. Schestatsky é ainda mais radical na sua previsão: “No futuro, o hospital não vai mais existir. O hospital hoje nos EUA é responsável por 98 mil mortes de erro médico. Tem 30% de chance a mais de você ser submetido a um procedimento desnecessário. É um caldo de bactérias e vírus, é um ambiente desumano. O que vai existir são as consultas periódicas, a curadoria de dados. E as CTIs e blocos cirúrgicos”.


Meio Ambiente

Crédito: AFP

Na noite de 29 de janeiro de 2016, Porto Alegre viveu momentos de terror. Após uma tarde em que a temperatura ultrapassou os 39ºC, uma tempestade sem precedentes, com chuva torrencial por mais de 40 minutos e rajadas de vento de até 120km/h deixou um rastro de destruição pela cidade. Para quem caminhou no dia seguinte pelos parques Marinha do Brasil ou Harmonia, a impressão era de que o Godzilla havia passado por ali. Os prejuízos ficaram na casa de R$ 40 milhões e o número de árvores derrubadas – mais de três mil – era tanto que surgiu o problema de onde colocá-las. A Capital nunca havia registrado um fenômeno desta magnitude. Pois é, mas apertem os cintos porque vai piorar. A julgar todos os dados relativos ao meio ambiente e às mudanças climáticas, a tendência é que tempestades como aquela de 2016 sejam cada vez mais frequentes no futuro. E elas serão apenas um dos problemas do clima daqui 50 anos.

Os sinais de que a mudança climática está afetando a vida na Terra são evidentes. Eles podem ser tanto científicos, como a medição de ondas de calor e do derretimento de geleiras, como podem ser mais visíveis até para leigos, como o aparecimento de flores durante o inverno, muito antes do início da primavera. Para evitar um quadro ainda mais grave, 195 países assinaram o Acordo de Paris, que estabeleceu como meta não ultrapassar em 1,5ºC o aumento da temperatura média no planeta até 2050 comparado aos níveis pré-industriais. O problema é que nada indica que o objetivo será alcançado. Muito pelo contrário. “Hoje, o cenário mais otimista em relação ao futuro seria um aumento de aproximadamente 1,5ºC, o que provavelmente não conseguiremos. A pior perspectiva é de chegarmos a um aumento de 2ºC em 2050 ou mesmo antes, e batermos também os 450 ppmv de CO2 (medida que mede o nível de concentração de dióxido de carbono na atmosfera), quando o ideal teria que ser 400. E já estamos em 411”, prevê o professor de geografia da UFRGS e especialista em Climatologia e Mudanças Climáticas Francisco Aquino. De acordo com ele, significa que a partir daí, em algumas regiões do planeta, a temperatura média vai aumentar em 2ºC, mas em outras esse aumento pode ser de até 8ºC. Tempestades severas, ondas de calor e estiagens vão se intensificar. “Tecnicamente, ainda não conseguimos precisar o quão difícil será. Mas será”, garante Aquino.

Temporal em 29 de janeiro de 2016 causou prejuízos de R$ 40 bilhões. Crédito: Mauro Schaefer / CP Memória

Os dados relacionados ao Rio Grande do Sul não deixam dúvida quanto já estamos sendo afetados. Na comparação com cinco décadas atrás, a média de temperatura do Estado aumentou 1ºC. As estações eram muito mais definidas do que hoje, quando ocorrem episódios de frio anômalo na época do Natal e ondas de calor no inverno. Além do mais, os índices de precipitação mostram que hoje chove 10% mais do que antes. O que poderia ser uma boa notícia para os agricultores, no entanto, é justamente o contrário. Isso porque a chuva antes era mais espalhada, enquanto hoje os volumes são maiores, muito mais em decorrências de temporais esporádicos. “As  tempestades rápidas é que são responsáveis pelo aumento de chuva no Estado. O agricultor não está feliz com o aumento da chuva, porque não necessariamente vai ter mais recursos hídricos, já que pode ter a chuva do mês inteiro, da semana inteira, em um dia. E o resto do mês seco”, explica Aquino. Para completar, o Rio Grande do Sul, assim como os demais estados da região Sul está em uma faixa na qual ocorre o encontro de uma massa de calor vinda da Amazônia com o frio vindo da Antártida. O professor revela que estudos mostram que, nos últimos anos, 30% das maiores tempestades da América do Sul aconteceram no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. “Se você aumentar a temperatura, está potencializando essas tempestades. E tudo que a teoria previu até agora, não apenas está se confirmando na prática, como está pior do que se esperava”, observa.

Os dados sobre mudanças climáticas não são nada animadores. Na comparação com cinco décadas atrás, a temperatura no Estado aumentou 1ºC. Hoje, também chove 10% mais que antes, mas nem isso é uma boa notícia para a agricultura, porque os volumes são resultados de tempestades fortes e esporádicas, enquanto há mais dias de estiagem

Num espectro mais amplo, as mudanças climáticas devem trazer consequências das mais variadas nas próximas cinco décadas. Muito possivelmente, nenhuma de caráter positivo. Os ecossistemas devem ser atingidos de forma brutal pelo aumento da temperatura. Determinados tipos de vegetação serão alterados em virtude da mudança do clima, assim como várias espécies de animais passarão a correr risco de sobrevivência. “Os extremos climáticos têm implicação sobre o risco de extinção. Não faz muito, saíram matérias em países do hemisfério norte de ursos polares indo para as cidades e morrendo de fome”, conta o professor de ecologia e evolução da biodiversidade e do Instituto do Meio Ambiente da PUCRS Pedro Abreu Ferreira.

De acordo com a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (NOAA), junho de 2019 foi o mês mais quente nos 140 anos de medições. Além disso, nove dos dez meses de junho mais quentes da história recente foram registrados depois de 2010. Fonte: NOAA

As consequências das mudanças no clima prometem também uma série de efeitos indiretos no futuro. Um bom exemplo de como comunidades inteiras podem ser afetadas está nas montanhas do Andes. “As geleiras que mais estão derretendo nas últimas décadas são as de montanhas, os picos. Isso significa que para os Andes, para a América do Sul, em 10 ou 20 anos teremos crise hídrica no Equador, Bolívia, Chile, Argentina. Por falta d’água. Para a agricultura, abastecimento e energia elétrica, você dependia do degelo sazonal dessas geleiras”, aponta Aquino, explicando que parte desse degelo é calculado nas previsões de que o nível do mar pode aumentar em até 60cm nos próximos 50 anos. Crises deste porte tendem a fazer com que um termo que ainda é pouco utilizado passe a ganhar mais destaques nos próximos anos: os refugiados ambientais. São pessoas que precisam deixar suas moradias em função de mudanças no meio ambiente. Em 2013, por exemplo, toda a aldeia de Kivalina, no Alasca, precisou ser evacuada devido ao avanço do mar. Casos assim, seja pelo aumento do nível do mar ou não, tendem a ser mais frequentes daqui em diante. “Existem cidades na Índia que estão em crise hídrica, com o ar poluído, que você precisa usar máscara para respirar bem. Na China também há casos assim. Se não tomarmos as ações que precisam ser tomadas, várias regiões serão realmente proibitivas para a maior parte da população da Terra em 2050”, aponta Aquino.

Condições climáticas podem fazer várias regiões do planeta ficarem inabitáveis em 50 anos. Crédito: Sanjay Kanojia / AFP

Algo recorrente no cinema quando se fala em tragédias ambientais no futuro são cidades inteiras sendo invadidas pelo mar. Para o professor de geografia da Ufrgs, isso ainda é só ficção de Hollywood. De acordo com Aquino, as maiores áreas de gelo . Tanto a Antártida como a Groenlândia registram aumento de degelo superficial, mas ainda têm uma área de gelo para baixo na casa dos 4km. Então, no caso da Antártida, por exemplo, um aumento de até 3ºC não muda a configuração do continente. No entanto, sempre há um “mas”. Neste caso, o “mas” é a região de Pine Island, na Antártida. Pesquisadores têm acompanhado de perto o que está acontecendo embaixo da geleira. “Se essa região se desestabilizar em 50 anos, o que do ponto de vista da ciência seria algo inimaginável hoje, mas que já é discutido tecnicamente, aí o nível do mar em 3 metros. Aí estaríamos com um problema muito grande”, alerta Aquino. Nesse caso, Hollywood deixaria de ser apenas ficção.

Para que o quadro seja menos alarmante em 2069, uma série de medidas são sugeridas a partir de agora. Algumas são das mais simples, como poupar o uso da água e diminuir o consumo de carne, visto os recursos que são gastos durante todo o processo, desde a criação e alimentação do gado até o desperdício da comida. Outras dependem de ações governamentais. “Nos anos 70, a preocupação era em plantar árvores. Nos 80, virou a separação do lixo. Nos 90, não usar combustível fóssil e energia nuclear. Nos anos 2000, surgiu uma pegada mais ecológica, de consumo local. Daqui para a frente, a única saída é uma mudança macroeconômica”, prega Abreu. Do contrário, não há um plano B para a Terra.


Política

Crédito: Saul Loeb / AFP / CP

Ao tocar a superfície da Lua naquele 20 de julho de 1969, Neil Armstrong não deu apenas um pequeno passo para um homem e um grande salto para a humanidade. Aquele breve gesto foi também uma das maiores, senão a maior vitória na mais velada de todas as batalhas: a Guerra Fria. Do final da II Guerra Mundial, em 1945, até a extinção da União Soviética, em 1991, o mundo esteve dividido em dois, sem espaço para zonas cinzentas: de um lado, o capitalismo representado pelos Estados Unidos. Do outro, o comunismo, capitaneado pelos soviéticos. Se o maniqueísmo da época facilitava algumas leituras e interpretações, de lá para cá tudo ganhou os mais variados contornos e hoje prever como estará o mundo, do ponto de vista político, daqui 50 anos, é dos exercícios mais arriscados. Um bom começo, contudo, é apostar em uma multiplicidade de atores. Sim, norte-americanos e russos muito provavelmente seguirão tendo um peso considerável no equilíbrio político e econômico em 2069. A China é outra nação que poucos arriscam deixar de fora deste tabuleiro. Se comparado com 1969, a Índia talvez possa ser a grande novidade, uma vez que os países do Oriente Médio provavelmente ainda serão peças-chave nessa engrenagem, assim como a Europa, apesar de o Velho Continente não ter a força de outrora, em parte resultado do enfraquecimento da União Europeia – oi, Brexit.

Não deixa de ser curioso, contudo, que apesar das várias peças sobre a mesa, há algo comum entre todas, afora o poder. “Não há modos de produção diferentes aí, todos são capitalistas”, observa Céli Pinto. Para a cientista política e professora de História, no entanto, isso não significa que o sistema econômico preferido do Tio Sam vá ser o modelo preponderante dentro de cinco décadas. E aqui é que tudo começa a ficar mais complexo. E mais interessante. Primeiro, porque o mundo tem percebido sinais nos últimos de que algo não vai mais tão bem assim naquele que um dia foi um casamento feliz entre capitalismo e democracia. “A democracia entregou mais do que o capitalismo está aguentando. Todos os direitos sociais, econômicos, garantias de identidades variáveis. Houve um avanço muito grande na democracia, mas o capitalismo agora não aguenta mais. Chegou o momento em que eles não conseguem mais sobreviver. E aí cai a democracia”, explica Céli. O que nos leva para o segundo ponto: então o que vem por aí? Bem, por enquanto a resposta mais sincera possível é um sonoro “ninguém sabe”. Como os projetos socialistas também estão longe de ser um modelo de sucesso nas últimas décadas, chegou-se a um ponto em que não há nada para se colocar no lugar. Não por coincidência, a professora cita o título de um livro da filósofa norte-americana Nancy Fraser, lançado este ano: “The old is dying and the new cannot be born” (“O velho está morrendo e o novo não pode nascer”).

“Por enquanto, não apareceu nada melhor do que os partidos políticos”, afirma a cientista política Céli Pinto. Crédito: Guilherme Almeida

Antes que os mais pessimistas (ou autoritários) prevejam o florescer de novos regimes totalitários e com viés fascista, talvez seja a hora de lembrar que é justamente aqui a possibilidade de um ponto de virada. Para o cientista político Juliano Corbellini, a saída não vai ser a derrocada da democracia, mas sim o seu aprofundamento. “O mundo sempre conviveu com experiências totalitárias e autoritárias e vamos continuar convivendo. Mas acho razoável supor que a democracia se aprofunde. Hoje, os mecanismos de inclusão digital progressivamente estão se incorporando ao debate político. É razoável supor que eles se incorporem mais e que tenhamos uma expansão da possibilidade de processos decisórios”, aponta o também consultor de marketing eleitoral. O discurso corre na mesma linha daquilo que prevê Céli: “Temos de lutar por uma radicalização da democracia, radicalizar mesmo. É preciso democratizar o poder e aí vai ter que começar a fazer isso desde os grandes partidos políticos até as relações pessoais. É preciso trazer as pessoas para a vida pública novamente. O capitalismo tem de regredir e tem que haver formas mais sociais de dividir a riqueza no mundo daqui 50 anos. Para a sobrevivência do planeta, tem de haver formas mais justas de dividir as riquezas do planeta, senão o planeta vem abaixo”, projeta.

“Talvez o conceito de filiação partidária seja cada vez menos importante”

Neste cenário de busca por uma nova democracia – ou o que quer que venha pela frente -, os partidos políticos seguirão tendo a missão de capitanear as mudanças no futuro? Ao que tudo indica, sim, mas provavelmente não como os concebemos hoje. “Acho que talvez o conceito de filiação partidária seja cada vez menos importante, a tendência é que os partidos sejam mais porosos para se relacionar com as pessoas que não são filiadas. Mas não acredito no fim dos partidos, são eles que organizam os processos coletivos de competição política, é difícil vislumbrar algo diferente”, observa Corbellini. De acordo com o cientista político, a próxima batalha poderá ser pela comunicação. Não no sentido de vender melhor o seu peixe e convencer o eleitorado, mas no caminho inverso, de entender e falar na mesma frequência das pessoas. Para Céli, também é improvável imaginar o mundo dentro de cinco décadas sem a relevância que hoje têm os partidos. “Por enquanto, não apareceu nada melhor do que partidos políticos. Não sei daqui a 50 anos. Não existe nada ainda que transforme ainda as ideias em ideias públicas a não ser os partidos políticos. Não consigo enxergar para frente sem os partidos políticos. Muita coisa pode acontecer junto deles, mas não vejo acontecendo sem”, prevê.

Fake news espalhadas por aplicativos como o WhatsApp serão cada vez mais perigosas. Crédito: Ricardo Giusti

Até lá, no entanto, o cenário político terá de conviver com uma ameaça que não chega a ser nova em suas intenções de desinformar, mas que nos últimos anos encontrou no meio digital um novo e seguro habitat. Mais do que nunca, as fake newsterão o poder de embaralhar as informações, criando situações que podem ser decisivas, tanto em processos eleitorais como nos próprios rumos dos governos. Para bem antes de 50 anos, se prevê a evolução das fake news, que seriam as deep fakes, vídeos nos quais determinadas falas são atribuídas a quem quer que seja com uma qualidade tamanha que é praticamente impossível perceber que se trata de algo forjado. “Com o deep fake vai ser muito difícil afirmar que o presidente não está falando aquilo ali, porque tu olha o vídeo e tem ele falando ali. Os efeitos que antes se tinha em Hollywood, em pouco tempo qualquer um vai poder fazer no telefone celular”, adianta o pesquisador de comunicação digital, Eduardo Pellanda. Além de uma sociedade bem informada, Céli Pinto observa que o poder das redes sociais, seja hoje ou no futuro, está diretamente relacionado a momentos de instabilidade. Portanto, em épocas de maior calmaria, a chance da desinformação serrão menores. “Acho que o protagonismo das redes sociais nas eleições é muito mais consequência da crise política do que causa. Quando se tem partidos políticos organizados, diminui a possibilidade de influência das redes sociais. Esse império das redes sociais me parece algo meio mítico. Não acho que os homens e mulheres serão dominados pelo algoritmo”, aponta a cientista política. De qualquer forma, Corbellini lembra que todas as transições tecnológicas, sociológicas e econômicas trouxeram juntos efeitos perversos que, em um primeiro momento causaram problemas maiores, mas que invariavelmente a sociedade tratou de descobrir uma forma de minimizar as consequências. E nada indica que daqui 50 anos, como sociedade, não vamos conseguir isso novamente.

“Direitos não são conquistados. É uma luta constante”

Por fim, mas não menos importante, não custa especular sobre pelo que estaremos lutando no final da década de 2050. Se os anos 60 e 70 foram marcados pela tentativas de avanços em direitos civis, na questão do feminismo e se mais recentemente tem se visto batalhas por igualdade de gênero e questões ambientais, pelo que lutaremos mais adiante? Muito provavelmente pelas mesmas coisas. Talvez até mesmo para reconquistar alguns dos direitos perdidos ao longo do caminho. Corbellini observa que pautas do cotidiano tendem a gerar sempre mais movimentos reivindicatórios. Da mesma forma, pautas ambientais tendem a crescer e questões ligadas a minorias estarão permanentemente em voga. Céli, porém, lembra que a guarda nunca pode ser baixada. “Direitos não são conquistados. É uma luta constante, quem está do lado do dominado, não se libertou, sempre tem os direitos ameaçados. Então essa coisa de ‘Já conquistamos esses direitos, vamos ver quais são os outros’, é uma ilusão”.

Como se vê, no futuro a luta continuará.


Cidades

Crédito da foto no topo: Jurgen Kreusen / Pixabay / CP Memória

Vias expressas com carros de design ousado passando em alta velocidade. Prédios de vidro espelhados com tantos andares quanto for possível se construir. Uma estética tão clean que o cinza dos metais vai parecer ter saído de fábrica naquele dia mesmo. Assim serão as cidades do futuro... nos filmes ou nos livros. Na prática, as metrópoles que veremos em cinco décadas vão ser bastante parecidas como as conhecemos hoje, com a adição de inovações de arquitetura e tecnologia. O que tende a ser uma ótima notícia, já que no futuro, em vez de ser a próxima Dubai, o que vai fazer mesmo a diferença são as cidades onde a prioridade serão as pessoas.

Megaprojetos de bilhões de dólares vão continuar a existir, da mesma forma como já acontece hoje em dia. Tanto a Malásia como a China acenam com a construção de suas Forest Cities, com a promessa de prédios cobertos de plantas e, pelo menos no caso malaio, a proibição de carros. Com maquetes e artes de divulgação de tirar o fôlego, realmente despertam a atenção do público. Mas serão exceções, até mesmo pelos altos custos envolvidos. Além do que, não será necessário tanto deslumbramento para alcançar o desenvolvimento. “Quando se faz uma imagem da cidade do futuro, a primeira coisa que se pensa é na infraestrutura, em uma cidade cinza e tecnológica, com carros voando e tudo mais. Essa é uma visão que persiste até hoje, de que a tecnologia vai centralizar as ações da cidade, quando hoje estamos entendendo que não dá para ter um único ator, mesmo que automatizado, porque as coisas são mais complexas”, explica a fundadora da Talking City e especialista em cidades, Carla Link.

Populações de cidades como Veneza sofrem as consequências de decisões voltadas apenas para turistas. Crédito: Andrea Merola / AFP / CP Memória

Para o fundador da Torus e pesquisador Gustavo Nogueira, o termo cidades criativas define com mais precisão como serão as capitais no futuro, uma vez que o foco não pode estar apenas na questão tecnológica. Mais do que isso, é preciso levar em conta fatores como para quem e para que. “Em muitos momentos, se pensa em soluções de inovação sem que se pergunte quem vai usufruir daquilo, se vai ser bom para a cidade. Às vezes, sequer se pergunta para as pessoas daquela cidade. E tem muito lugar lidando com o impacto de soluções que iriam trazer um determinado retorno, mas que virou algo diferente. Têm muitas cidades turísticas, por exemplo, que viraram quase um parque de diversões, mas as pessoas que de fato vivem lá não conseguem mais arcar com os custos que aumentaram muito. Têm vários exemplos assim: Amsterdã, Barcelona, Veneza...”, completa.

Nessa linha, o primeiro passo será criar maneiras de fazer com que as pessoas sintam-se de fato parte da cidade, para que participem ativamente do processo de construção do local. “A infraestrutura não precisa mudar para as cidades serem melhores. Existe a ideia de que isso tem que vir primeiro, mas é o contrário. A ocupação da Orla do Guaíba, por exemplo, vem antes da Orla ser legal, porque isso faz com que eu cuide mais”, observa Carla. Além do mais, de nada adianta oferecer um modelo de cidade para moradores que têm enraizadas outras culturas. “A cidade não é infraestrutura, as cidades são as pessoas. Não adianta pegar pessoas com hábitos não sustentáveis e jogar em uma cidade sustentável. Tem que construir uma visão de cidade antes, fazer com que as pessoas consigam viver. Se as pessoas não acreditam naquilo, não há o que faça dar certo”, pondera a especialista.

“Aquilo que para gente é o passado, já foi o futuro de alguém. Se não aprendermos com esse cenário, estamos fadados a repetir os mesmos erros”

Por tudo isso, seria arriscado supor que modelo de cidade vai existir no futuro, já que cada localidade vai levar em conta as suas necessidades e particularidades. Gustavo defende a necessidade de que cada região avalie tanto as experiências anteriores como também os recursos disponíveis, sob pena de os projetos de futuro não passarem de ideias no papel. “Fala-se muito em futuro, mas quando se fala de tempo, a gente tem passado, presente e futuro. É preciso sim buscar cenários de futuro, mas olhar para os aprendizados do que aconteceu na história. Aquilo que para gente é o passado, já foi o futuro de alguém. Se não aprendermos com esse cenário, estamos fadados a repetir os mesmos erros”, aponta o pesquisador.

Espaços como a Orla do Guaíba tendem a ganhar mais espaço, integrando a população à cidade. Crédito: Guilherme Testa

No caso de Porto Alegre, as soluções podem vir acompanhadas de cenários que serão necessários para lidar com as mudanças climáticas. Professor de geografia da UFRGS e especialista em Climatologia e Mudanças Climáticas, Francisco Aquino prega a necessidade de aumentar a área verde na Capital. “É muito provável que Porto Alegre em 2030, em 2050 tenha que ser um cinturão verde, com mais agricultura. Investir muito nisso para que essas áreas sejam um amortecedor térmico, de biodiversidade, para gerar cinturão de ar puro e fresco na região e baratear o transporte e ganhar na qualidade”, aponta. Outra observação, na área da educação, vem de Carla. Segundo a especialista em cidades, a Capital, ao contrário de outras metrópoles brasileiras, conta com vários campi universitários, o que por si só é uma oportunidade. “Porto Alegre poderia ser um polo de educação maior. Olha o que existe de infraestrutura, o campus da PUCRS, da UFRGS, da Unisinos, da UniRitter. Outras cidades não têm tanto isso e nós temos em abundância. Por que não atrair mais gente de fora para esse ecossistema?”, provoca.

Alimentação

Crédito da foto no topo: Divulgação Okinawa

Sardenha, na Itália. Okinawa, no Japão. Loma Linda, nos Estados Unidos. Península de Nicoya, na Costa Rica. Icária, na Grécia. Espalhadas pelo mundo, essas cinco cidades são conhecidas como as Zonas Azuis, locais onde o índice de longevidade é maior do que no resto do planeta, ultrapassando os 100 anos. São também pistas sobre como deve ser a alimentação no futuro. Cientistas e demógrafos identificaram uma série de características em comum entre as localidades citadas. Além de aspectos como baixíssimo percentual de fumantes e uma rotina com atividade física moderada e constante, também verificaram o consumo frequente de legumes e uma dieta baseada fortemente em plantas. “Gosto muito de uma frase que diz assim: ‘Coma comida de verdade. Não muito. De preferência plantas’”, afirma o médico neurologista Pedro Schestatsky, que completa: “Não é questão de comer só plantas, porque a gente também precisa de carne. Mas que o prato seja pelo menos 51% repleto de vegetais. Isso melhora o teu microbioma e reduz o risco de inflamações e doenças em geral, que é um dos segredos das Zonas Azuis”.

Mas antes de pensar em opções de alimentação no futuro, uma outra questão se impõe. Estudos de 2017 da ONU indicam que a população da Terra em 2050 vai estar na casa de 9,8 bilhões. Sendo assim, é legítimo questionar se vai haver comida para todo mundo. A partir daí, há duas linhas de pensamento. Uma, aponta que é preciso encontrar condições de produzir alimentos onde hoje não há essa produção. Isso significa que espaços dentro da cidade, topos de prédios, em escala vertical também passarão a ser necessários. Outra linha aponta que o problema não é a falta de comida, mas sim a sua distribuição e o desperdício. “Hoje, cerca de um terço é jogado fora na produção, logística ou no consumo”, afirma Tobias Chanan, cofundador do restaurante Urban Farmcy.

“O uso de insetos como fonte de proteína e demais nutrientes tem se mostrado uma alternativa viável e sustentável para ajudar a suprir a crescente demanda de alimentos”

Neste contexto, a dependência de uma dieta baseada predominantemente no consumo de carne vem sendo cada vez mais criticada, tanto por inibir uma dieta mais variada quanto pelos recursos naturais necessários, principalmente a água. Por tudo isso, acredita-se que no futuro outras opções ganhem mais espaço. “O uso de insetos como fonte de proteína e demais nutrientes essenciais à vida humana tem se mostrado uma alternativa viável e sustentável para ajudar a suprir a crescente demanda de alimentos pela população mundial”, aponta a professora doutora Roberta Cruz Silveira Thys, coordenadora do Curso de Engenharia de Alimentos da UFGRS, que ainda completa: “Em termos gerais, sabe-se que os insetos são ricos em proteínas e lipídios, além de conter uma considerável quantidade de fibras. Eu particularmente acredito muito no potencial dos insetos na alimentação humana. Exemplo disso foi uma pesquisa que publicamos com a adição de farinha de grilo em pães sem glúten, visto que o público que possui enfermidades relacionadas ao consumo de trigo normalmente tem um menor aporte proteico em sua dieta. Os pães ficaram com qualidade igual ao do controle (pão sem farinha de grilo) e tiveram um incremento de 47% no teor de proteínas”. Outra alternativa serão as carnes de origem não animal. Tobias cita estudos nos quais se prevê que em até 20 anos, 60% da carne consumida no planeta vai ser de origem vegetal. “Isso está crescendo muito, mas muito mesmo. Se utiliza beterraba, amido, quinoa, milho, são diferentes possibilidades. O que está se direcionando e é muito provável é por uma substituição da carne por carnes à base de plantas”, observa.

Embalagens plásticas devem perder espaço no futuro. Crédito: Samuel Maciel / CP Memória

Em se tratando de futuro, obviamente a presença da tecnologia tende a fazer uma diferença significativa com inovações que ainda causam uma certa estranheza ao público em geral. Uma delas é a impressora 3D de comida. “Parece brincadeira, mas essa impressora fabrica comidas a partir de pós, com adição de água ou óleos”, explica Roberta. Do ponto de vista de sustentabilidade, haveria outras vantagens na impressora. A primeira é que, como não há a necessidade de embalagens, o consumo de plástico cairia em grande escala. Além disso, sendo o alimento produzido em casa, se descarta o transporte e, consequentemente, a emissão de CO2.

No Canadá, a Universidade de Guelph busca a aprovação para desenvolver o Ecoporco, um animal modificado geneticamente

Figura frequente em todas as previsões de décadas atrás quando se pensava no futuro, frutas, verduras e legumes gigantes parecem que vão ficar só na imaginação mesmo. O que não significa que modificações genéticas ainda não estejam no horizonte. Já existem pesquisas, por exemplo, para a criação de salmões transgênicos, que chegariam ao tamanho ideal para abate na metade do tempo. Já a Universidade de Guelph, no Canadá, busca a aprovação do Ecoporco, um animal desenvolvido a partir da implantação de um gene proveniente de rato que teria elementos menos poluentes nas fezes. Em direção oposta, Tobias prega uma corrente que condena os alimentos tratados de forma genética como alternativa para o futuro. “É o contrário, que seja o mais natural possível, alimentos mais resistentes de forma natural. Que se utilize a interferência humana para que o alimento seja mais saudável e menos nocivo”, defende.


Esporte

Crédito: Christophe Simon / AFP / CP Memória

Que a tecnologia avança em progressão geométrica não há a menor dúvida, restando apenas o difícil exercício de adivinhação de como será o mundo, tecnologicamente falando, daqui a um punhado de décadas. Mas e o ser humano? Qual o seu limite físico? Se há uma área que pode servir como uma boa base para tentar prever os limites do corpo humano daqui cinco décadas é o esporte. Afinal de contas, ninguém rompe tantas barreiras e alcança tantas marcas impensáveis quanto os atletas de alto rendimento. Neste sentido, muito mais do que qualquer esporte coletivo como o futebol ou o vôlei, é nos esportes individuais que surgem os melhores indicativos.

A boa – e desafiadora – notícia é que estamos muito longe de qualquer linha imaginária. Se é que ela existe. “A evolução está muito longe do limite, com certeza. Há muito espaço para ser galgado ainda”, garante o técnico José Haroldo Loureiro Gomes, mais conhecido como Arataca, da Sogipa, que há quase 40 anos trabalha com atletismo. Para tanto, as razões são tanto técnicas como financeiras. Do ponto de vista técnico, há um crescimento gigantesco nos últimos anos em tudo o que cerca a preparação física dos atletas. A época do empirismo ficou definitivamente no passado e, hoje em dia, tudo é milimetricamente calculado em todas as modalidades, como revela o técnico do Grêmio Náutico União, Kiko Klaser: “No meu esporte, que é a natação, a análise de movimento veio como uma revolução. E toda parte de bioquímica também é muito importante. Fazemos uma bateria de exames com a (nadadora) Viviane Jungblut, por exemplo. Mensalmente ela faz exames de sangue para avaliarmos uma série de fatores e diariamente tem uma avaliação que mede frequência cardíaca”. As razões financeiras acabam servindo como um fator motivacional para os atletas. Se antes, era comum que competidores de primeira linha buscassem os seus limites até a faixa dos 30 anos, o que se vê cada vez mais é a continuidade por muito mais tempo. “Cada vez mais os atletas estão ganhando muito dinheiro e os patrocinadores ficam mais exigentes e seletivos. Então, há um estímulo para essa evolução. Nunca me esqueço que o (atleta norte-americano) Carl Lewis, quando ganhou a terceira medalha de ouro no salto em distância, disse que ia parar. Só que ele se deu conta que parando, ele estava perdendo dinheiro. Ele foi mais um ciclo olímpico e ganhou mais uma medalha de ouro”, lembra Arataca.

Recordes alcançados com os supermaiôs nas provas mais rápidas da natação masculina permanecem imbatíveis até hoje. Crédito: Francois-Xavier Marit / AFP / CP Memória

Afora tudo isso, ainda há a tecnologia que serve como aliada de todos os competidores. A natação talvez traga o melhor exemplo neste sentido. Nos Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim, o protagonismo nas piscinas foi dividido entre os nadadores e os “supermaiôs”. Compostos de nylon-elastano e poliuretano, eles foram co-responsáveis por uma enxurrada de quebra de recordes nunca antes vista na história da modalidade. Chamou tanto a atenção que após o Mundial do ano seguinte, em Roma, foi proibido, sob a alegação de ser um “doping tecnológico”. O fato é que 13 marcas mundiais ainda remontam a 2008 e 2009, incluindo todas as provas mais rápidas no masculino (50m livre, 100m livre, 200m livre, 400m livre e 800m livre). Nunca é demais lembrar que, sem o uso do supermaiô, nenhum homem nadou os 50m livre abaixo dos 21s – o recorde do brasileiro César Cielo, de 20s91, foi conquistado em 2009. Se houve um freio forçado na tecnologia das roupas, a evolução segue fora das pistas e das piscinas, seja com melhores calçados ou mesmo pisos mais aderentes. Na natação, os blocos de anteparo propiciam uma largada cada vez mais rápida. As próprias piscinas também mudaram para melhor. “Os ambientes estão cada vez mais controlados. Nos Jogos Olímpicos de 2004, a piscina ainda era aberta, se tivesse chuva ou vento influenciava, hoje em dia não. E isso faz muita diferença. Os materiais todos estão evoluindo”, indica Kiko. Se houve uma evolução em 15 anos, é de se imaginar o que pode ser feito em 50.

A evolução dos recordes nos 100m masculino desde que se correu abaixo dos 10s

9s95 - Jim Hines (EUA), 1968

9s93 - Calvin Smith (EUA), 1983

9s92 - Carl Lewis (EUA), 1988

9s90 - Leroy Burrell (EUA), 1991

9s86 - Carl Lewis (EUA), 1991

9s85 - Leroy Burrell (EUA), 1994

9s84 - Donovan Bailey (CAN), 1996

9s79 - Maurice Greene (EUA), 1999

9s77 - Asafa Powell (JAM), 2005

9s74 - Asafa Powell (JAM), 2007

9s72 - Usain Bolt (JAM), 2008

9s69 - Usain Bolt (JAM), 2008

9s58 - Usain Bolt (JAM), 2009

Em se tratando de esporte, contudo, seria ingenuidade acreditar que não há outro fator que evolui a passos ainda mais largos, mesmo que escondidos. “Não tenha dúvida que o doping corre mais rápido. É como o gato e o rato. Mesmo porque não teria sentido se tivesse todos os mecanismos de controle, o cara usar o doping”, observa Arataca. Se houve uma época em que os esteroides anabolizantes eram considerados os grandes vilões, hoje em dia o inimigo a ser combatido é o doping genético, que como o próprio nome indica, cria alterações no corpo do atleta para que ele passe a produzir determinadas substâncias sem necessariamente ingerir uma droga proibida pela organização mundial antidoping. Não por acaso, atualmente, todas as amostras de teste seguem guardadas mesmo após os resultados, visto que é uma maneira de comparar, no futuro, se houve alteração genética em caso de suspeitas.

Por tudo o que se sabe hoje em dia em termos de treinamentos e a evolução da tecnologia do esporte, é possível acreditar que dentro de 50 anos o homem terá superado duas marcas simbólicas: correr os 100m abaixo de 9 segundos ou nadar os 50m abaixo de 20 segundos? Alto lá que é meio segundo é tempo demais, nas pistas ou nas piscinas. Quebrar o recorde mundial de 9s58 do jamaicano Usain Bolt pode até ser possível em cinco décadas. Daí a baixar dos 9s é outra história. “A gente pensa que o recorde do Bolt está muito perto de 9s. Só que 0s58 no atletismo é uma eternidade. Quanto mais baixa, mais difícil fica de ser superado. Se houver uma data para se fazer os 100 metros abaixo de nove segundos, com certeza não será na nossa geração. E nem na próxima também. Nossos netos talvez não vejam isso”, prevê Arataca.

Futuro do passado

Imaginar como será o futuro é algo que o ser humano sempre fez, não importa a época. Com a tecnologia crescendo em progressão geométrica, o risco de a previsão não se confirmar e, em alguns casos, virar piada décadas depois, é sempre grande. Vale tanto para hoje em relação ao futuro como de na mesma proporção, dos anos 60 para cá. Algumas das previsões mais famosas das décadas de 1950 e 60 foram eternizadas pelo ilustrador e futurista Arthur Radebaugh, em tirinhas semanais nos jornais dos Estados Unidos. A seguir, o CP analisa algumas previsões e o quanto se confirmaram.

COLÔNIAS ESPACIAIS 

A perspectiva de ganhar o espaço era tamanha que uma das apostas mais frequentes era que viajar para fora da Terra seria tão casual quanto pegar um avião e ir de um lugar para o outro. Logo, colônias de férias em outros planetas fazia todo sentido.

Crédito: Reprodução

COMO FICOU: O espaço continua ao alcance de poucos astronautas ainda. Algumas empresas chegaram a anunciar vôos comerciais tripulados para fora do planeta, mas até agora nenhum saiu do papel.

CARTEIRO VOADOR 

No futuro, o carteiro seguiria usando uniforme, mas não chegaria mais caminhando ou de bicicleta, e sim voando, com o auxílio de um jetpack nas costas.

Crédito: Reprodução

COMO FICOU: Muito mais do que o carteiro, o que mudou foi a forma de comunicação mesmo. Os carteiros seguem chegando a pé ou de bicicleta, mas a maioria das cartas foram trocadas por e-mails.

RELÓGIO COM TELEVISÃO 

No embalo de filmes onde o relógio era também um telefone, a previsão era de que o relógio de pulso iria virar uma minúscula televisão, com transmissões direto da Lua.

Crédito: Reprodução

COMO FICOU: Quase. De fato, hoje os smartwatches são dispositivos com inúmeras funções, desde telefone até medidor de frequência cardíaca. Só não exibe transmissões da Lua porque ainda não há uma emissora por aqueles lados.

CARRO SEM MOTORISTA 

No futuro da década de 1960, as famílias poderiam desfrutar da paisagem durante as viagens, já que não haveria a necessidade de um motorista.

Crédito: Reprodução

COMO FICOU: Ao que tudo indica, uma previsão acertada. Especialistas em tecnologia apostam que os carros autônomos, que já estão sendo testados, serão uma realidade dentro de 10 ou 15 anos.

CONTROLE DO TEMPO 

Talvez pela relação com a Guerra Fria e a Corrida Espacial, mas o fato é que se imaginava que no futuro, o ser humano tivesse ao alcance meios de controlar a temperatura e o meio ambiente.

Crédito: Reprodução

COMO FICOU: Talvez a mais errada das previsões. Não apenas nada nesse sentido foi construído como na verdade o homem perdeu totalmente o controle do meio ambiente, como as mudanças climáticas deixam cada vez mais evidente.