"É sempre uma decepção", avalia o diretor jurídico do Grêmio sobre a Conmebol
capa

"É sempre uma decepção", avalia o diretor jurídico do Grêmio sobre a Conmebol

Vice-presidente e diretor jurídico do Grêmio, Nestor Hein, lamentou a ausência de transparência e de critério por parte da entidade

Por
Correio do Povo

Nestor Hein lamentou ausência de transparência por parte da Conmebol

publicidade

Em entrevista ao programa "Concentração" da Rádio Guaíba, no último domingo, o vice-presidente e diretor jurídico do Grêmio, Nestor Hein, definiu como "desalentador" o trato da Conmebol com os clubes. Segundo Hein, sobre o resultado do julgamento dos jogadores da Dupla Gre-nal após a briga no clássico, "é mais fácil prever quando terminará o isolamento em função da pandemia, do que quando a Conmebol decidirá sobre os atletas".

O diretor jurídico do Grêmio afirmou que a entidade é um retrato da organização do futebol sul-americano e não tem muito otimismo em relação às formas como ela processa suas decisões.

"O método que se aplica em termos de soluções de controvérsias é o pior possível, não tem transparência, não tem fundamentação, não tem prazo, às vezes, saem dos julgamentos por videoconferência sem dar explicações", relatou o dirigente. 

Nestor Hein também disse na entrevista que, para ele, a Conmebol é uma das piores entidades do mundo, e lamentou a falta de coerência nas punições.

"Estamos há três anos tentando entender o motivo de termos sidos punidos em Lanús. Não há critério, por exemplo, o próprio Inter, jogou no Chile, arquibancadas um incêndio, brigas, e qual punição teve a equipe chilena? Alguém sabe? Quando é aqui, se tem um pano fora do lugar, é um escândalo, é um negócio sem critério, sem parâmetro, sem diretrizes e muito esculhambado", explicou.