Amuleto do tri da Libertadores, Deyverson agradece Abel e reconhece oscilações

Amuleto do tri da Libertadores, Deyverson agradece Abel e reconhece oscilações

Atacante saiu do banco para marcar gol do título na prorrogação

AE

Deyverson saiu do banco para dar título da Libertadores ao Palmeiras

publicidade

Pouquíssimos torcedores do Palmeiras apostariam que Deyverson seria o herói da conquista do tricampeonato da Copa Libertadores. Mas o roteiro do "herói improvável" se impôs pelo segundo ano seguido. Depois de Breno Lopes garantir o bi sul-americano no início do ano, Deyverson garantiu a "glória eterna" com o gol da vitória sobre o Flamengo, neste sábado, 27, no estádio Centenário, e o terceiro título na história do Palmeiras. O herói do tri é o polêmico, criticado e iluminado Deyverson.

"Tive altos e baixos. Não culpo ninguém pelos altos e baixos. Cometi falhas, mas nunca deixei de trabalhar e ajudar meus companheiros. Só tenho que agradecer a Deus. Não tenho palavras para agradecer meu pai, minha mãe, meu empresário, um cara sensacional. Só agradecer a Deus por tudo e por essa conquista maravilhosa. Estou muito feliz. Nem sei explicar", afirmou o atacante após a conquista no estádio Centenário.

As circunstâncias do gol histórico também foram improváveis. Depois de uma falha bisonha do meia Andreas Pereira, no começo da prorrogação, o atacante do Palmeiras avançou sozinho e tocou de perna esquerda na saída do goleiro Diego Alves. Foi apenas o primeiro gol de Deyverson na Libertadores e o quinto da temporada. Na comemoração, ele já começou a chorar.

No final do jogo, o atacante também desabafou em relação ao favoritismo atribuído ao Flamengo, segundo ele, por parte da imprensa. "As pessoas que falam muitas coisas, mas elas têm de respeitar o Palmeiras e todos os grandes jogadores que passaram por aqui. Vencemos um grande adversário, mas o Palmeiras também é gigante."

O herói da conquista também comentou a diferença da ocupação do estádio, que teve mais flamenguistas que palmeirenses. "Eu vi muitos falando pelo celular que o estádio tinha mais torcida do Flamengo do que do Palmeiras. Mas o importante não é quantidade e sim qualidade. Qualidade da torcida e qualidade do grupo do Palmeiras. Essa conquista não é do Deyverson, mas de todo o grupo e de toda a torcida."

Nesta edição da Libertadores, ele esteve no centro de uma polêmica. O Atlético-MG protocolou junto à Conmebol um pedido de revisão do lance que culminou no gol do Palmeiras no jogo de volta das semifinais da Libertadores. Deyverson invadiu a lateral do gramado pouco antes de Dudu marcar, enquanto Gabriel Veron conduzia a bola rumo à pequena área. Depois de muita pressão dos atleticanos pela anulação da semifinal, a Conmebol divulgou o áudio do VAR na hora do lance, que confirmou o gol legal e somente sugeriu cartão amarelo para o atacante palmeirense. O Palmeiras estava confirmado na final.

Mesmo que seu protagonismo na final tenha sido surpreendente, Deyverson reafirma sua condição de talismã. Ele já havia feito o gol do título do Campeonato Brasileiro de 2018, na vitória sobre o Vasco, estádio São Januário. A contrário de Breno no ano passado, que era uma opção de velocidade sempre elogiada e pedida pelos torcedores, Deyverson está longe de ser uma unanimidade. Ele não é titular. Na decisão, ele passou à frente de Luiz Adriano e acabou sendo escolhido para entrar no segundo tempo.

Depois do gol histórico, o atacante protagonizou mais um lance esquisito em sua carreia. No último minuto da prorrogação, após uma conversa com o árbitro Nestor Pitana, ele tomou um leve tapa nas costas do juiz, como um "vamos lá". Mas o atacante se jogou no chão como se tivesse sido agredido.

Comprado com o aporte da Crefisa por R$ 19 milhões em julho de 2017 a pedido do então técnico Cuca, Deyverson tem sido uma das figuras mais controversas do Palmeiras nos últimos anos. Sob o comando de Felipão, ele foi importante para a conquista do último título do Brasileirão pelo clube em 2018. Ele não conseguir manter o bom desempenho no ano seguinte e foi emprestado para Getafe e Alavés, ambos da Espanha.

Sem poder contar com Luiz Adriano em boa parte desta temporada, em função de uma lesão grave no joelho direito, o técnico Abel Ferreira pediu à diretoria a contratação de um jogador para a função. Como não foi atendido, o português precisou se contentar com Deyverson. Em várias entrevistas, o atacante agradece a maneira como foi recebido pelo treinador português.

"Sou emotivo, fico feliz pela minha volta, professor Abel muito obrigado pelo carinho, por ter me dado mais uma chance. Tive muitas com o Felipão também. Saí um pouco criticado, entendo a chateação do torcedor, mas quando voltei todo mundo me recebeu de braços abertos", salientou o atacante após a vitória sobre o Juventude por 3 a 0, em junho, quando foi titular pela primeira vez.

O contrato do atacante Deyverson se encerra no dia 30 de junho de 2022. Dessa forma, em janeiro ele já poderia assinar um pré-contrato com qualquer clube para deixar o Palmeiras sem custos ao término do vínculo. Se qualquer torcedor for questionado sobre a permanência do atacante neste sábado, a resposta provavelmente será uma só: "Fica, Deyverson!".


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895