Barcelona vai vender nome do Camp Nou para combater coronavírus
capa

Barcelona vai vender nome do Camp Nou para combater coronavírus

Pela primeira vez na história, clube vai colocar uma patrocinador no nome de estádio por um ano e dinheiro será usado para pesquisa contra Covid-19

Por
AE

O conselho do clube catalão aprovou a cessão dos direitos de nome do Camp Nou


publicidade

O Barcelona anunciou nesta terça-feira que está à procura de um patrocinador para explorar os direitos de nome (os "naming rights") do estádio Camp Nou, em Barcelona. A iniciativa tem validade de um ano e tem como objetivo arrecadar fundos para o combate à pandemia do novo coronavírus.

O conselho do clube catalão aprovou a cessão dos direitos de nome do Camp Nou, correspondentes à temporada 2020/2021, à Fundação Barça para obter receitas a serem investidas em projetos de pesquisa e projetos que visam combater os efeitos da covid-19 na Catalunha e no resto do mundo.

"Estamos muito satisfeitos por poder promover esta iniciativa que oferece um ativo tão emblemático quanto o nome do nosso estádio para que as instituições, entidades e empresas que desejam fazê-lo possam se associar e, assim, contribuir para a luta contra a Covid-19", disse o vice-presidente da equipe, Jordi Cardoner, em comunicado oficial.

O clube catalão começará "um processo para encontrar um patrocinador que queira adquirir os direitos de nome do Camp Nou", o que é inédito para o Barcelona, que nunca explorou esse ativo (o nome do estádio) em nível comercial. O patrocinador selecionado poderá registrar sua marca no estádio durante um ano.

A busca por um parceiro para estampar a sua marca no nome do estádio estava reservado para o projeto Espai Barça, que tinha como finalidade a remodelação do Camp Nou e de seus arredores. No entanto, o Barcelona explica que a concessão por um ano destes direitos é compatível com a comercialização futura do mesmos no futuro financiar o projeto.


A renda fornecida pelo nome do Camp Nou é um dos pilares sobre os quais se sustenta o financiamento do Espai Barça, enquanto que outra parte viria dos cofres do próprio clube e uma terceira seria um empréstimo externo.