Brasil tem 24 atletas entre os melhores do ranking de esportes olímpicos
capa

Brasil tem 24 atletas entre os melhores do ranking de esportes olímpicos

Judô com Mayra Aguiar e Maria Portela é uma das forças do país para Tóquio

Por
AE

Judô com Mayra Aguiar e Maria Portela é uma das forças do país para Tóquio

publicidade

Embora o futebol brasileiro não tenha nenhum técnico ou jogador entre os melhores do mundo, o cenário é bastante diferente em outras modalidades. Hoje, o país tem 29 atletas entre os dez primeiros do ranking de suas respectivas modalidades. Além disso, 24 atletas estão entre os três melhores. Faltando dois anos para os Jogos de Tóquio-2020, ao menos o ranking aponta boas possibilidades de pódio. No Rio-2016, o País conquistou 19 medalhas.

As judocas Mayra Aguiar e Maria Portela, o canoísta Isaquias Queiroz, além do skatista Pedro Barros e o surfista Filipe Toledo, cujas modalidades vão estrear em Tóquio-2020, estão na ponta dos seus esportes. No atletismo, Almir Junior tem a terceira melhor marca internacional (17,53m) no salto triplo.

O judô vive bom momento. Nos pesos-pesados, David Moura é o número 2 enquanto Rafael Silva é o número 3 do ranking. O líder é o francês Teddy Riner, que parece imbatível depois de dois ouros olímpicos e dez títulos mundiais. "O principal objetivo é estar entre os oito melhores para ser cabeça de chave", diz David Moura. "O ranking mostra aqueles com melhor desempenho, mas os grandes torneios também são importantes", opina Rafael.

Para Arthur Zanetti, campeão olímpico em Londres e dono de três ouros nos Jogos Sul-Americanos, disputado em maio, na Bolívia, o ranking na ginástica artística não é o melhor parâmetro para definir os favoritos da Olimpíada. "A melhor base será o resultado do Mundial de 2019", diz o especialista nas argolas.

Nos Jogos de Tóquio-2020, Zanetti persegue um feito histórico: ele quer a terceira medalha olímpica em Tóquio, nas argolas, feito que nenhum ginasta no mundo ainda conseguiu. O principal desafio de Zanetti na temporada é o Mundial de Doha, no Catar, de 25 de outubro a 3 de novembro. "No caso da ginástica, podemos dizer que falta apenas um ano, pois os participantes serão definidos no ano que vem".

No atletismo, o ranking conta muito. Aos 25 anos, o saltador Almir Junior surge com uma das grandes promessas depois da prata no Campeonato Mundial Indoor de Birmingham. "Os resultados vieram antes do esperado. Isso me deixa feliz, mas sei que posso melhorar", diz o medalhista do salto triplo.