Chileno que apitou quartas de final entre Brasil e Paraguai comandará decisão da Copa América
capa

Chileno que apitou quartas de final entre Brasil e Paraguai comandará decisão da Copa América

Roberto Tobar terá os compatriotas Christian Schiemann e Claudio Rios como auxiliares

Por
Correio do Povo

Árbitro tem 41 anos e currículo controverso

publicidade

A Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) divulgou nesta quinta-feira a arbitragem para a final da Copa América 2019, a ser realizada domingo, no Maracanã, a partir das 17h. O duelo entre Brasil e Chile será comandado pelo chileno Roberto Tobar, que apitou a partida das quartas de final da Seleção Brasileira contra o Paraguai. Ele terá os compatriotas Christian Schiemann e Claudio Rios como auxiliares. O VAR ficará sob responsabilidade de Júlio Bascuñán.

Aos 41 anos, Tobar tem diversas confusões e casos inusitados no currículo. Em 2017, foi cortado das quartas da Libertadores após sofrer uma contusão durante um curso de utilização do recurso do árbitro de vídeo. Ele sentiu dores musculares e foi substituído por Bascuñán. Além disso, no mesmo torneio, mas em 2016, foi acusado por jogadores de The Strongest de chamá-los para brigar.

Bola especial

O preto e o dourado vão dar o tom da bola da grande decisão. Além das novas cores, a bola Nike Merlin Rabisco também terá a data da partida, o nome do estádio e a bandeira dos países do confronto. A edição especial é uma homenagem à final do torneio mais antigo de seleções do mundo. Desde a sua concepção, a Nike Rabisco nasceu com um design que valoriza a cultura de rua trazendo características dos grafites espalhados pelo País.

A bola da final mantém as mesmas características técnicas da utilizada em todo o torneio. Ela nasceu com uma superfície de impacto maior, reduzindo a construção tradicional de 12 para apenas quatro painéis. Uma solução que diminuiu o número de emendas em 40%, eliminou pontos duros e criou um ponto ideal para chute mais preciso.