Futebol no RS não retorna antes de junho
capa

Futebol no RS não retorna antes de junho

Previsão contraria posição da CBF e será apresentada pela FGF ao governador Eduardo Leite

Por
Correio do Povo

Dupla Gre-Nal retorna aos treinamentos nesta terça

publicidade

Não há data para o reinício do Campeonato Gaúcho, mas já é possível afirmar que a bola não voltará a rolar em gramados do Rio Grande do Sul antes de junho. A previsão contraria posição da CBF, que avaliava ser possível retomar o futebol na segunda quinzena deste mês, e será apresentada hoje ao governador Eduardo Leite pelo presidente da Federação Gaúcha de Futebol (FGF), Luciano Hocsman.

Também será mostrado ao governador um projeto de protocolo para ser seguido por clubes, pela própria FGF e por todos os profissionais envolvidos em jogos do Gauchão, que está parado desde março, quando os primeiros casos da Covid-19 foram identificados no Brasil. Leite promete para o final da semana mais um decreto liberando alguns setores da economia a reiniciarem suas atividades.

“A ideia é apresentar o protocolo para a volta da competição, embora a gente não possa determinar quando isso vai ocorrer”, enfatiza Luciano Hocsman. Amanhã, em uma reunião por videoconferência, representantes dos clubes serão informados sobre o resultado da discussão.

Por respeito ao governador, segundo Hocsmann, ele evita adiantar detalhes do protocolo que pretende sugerir. Porém, antecipou que se for necessário realizar testes rápidos para detecção do vírus em jogadores e integrantes da comissão técnicas, principalmente dos times do Interior, a FGF alcançará algum tipo de auxílio aos clubes. “Estamos trabalhando e montando algumas alternativas para auxiliar quem tiver necessidade”, diz o presidente da FGF.

Hocsman evita projetar a volta do Gauchão. “Não trabalhamos com um data específica. Cada município tem uma realidade, e o Gauchão engloba várias regiões do Estado. Não posso fazer uma previsão, até para não gerar uma expectativa que logo adiante pode ser frustrada. Estamos todos vivendo em compasso de espera”, observa.

O presidente da FGF, entretanto, lembrou que os clubes sugeriram a necessidade de um mínimo de duas semanas de treinos antes do primeiro jogo. Até agora, somente os três clubes da Capital, que voltam a trabalhar hoje, têm uma programação. “Se os times começassem a treinar amanhã, o Gauchão poderia até começar no final do mês. Porém, não há previsão”.