Everton embala a torcida e deixa sua marca num dia frustrante para o Grêmio
capa

Everton embala a torcida e deixa sua marca num dia frustrante para o Grêmio

Cebolinha ganhou pênalti, marcou gol e confirmou que vai ser difícil de substituir

Por
Bernardo Bercht

Everton marcou gol no empate em 1 a 1 diante do Bahia

publicidade

Jogo decisivo, retorno do Grêmio, pressão por resultados... Mas a galera queria ver apenas um cara, o campeão da América com a camisa tricolor e também com a camisa canarinho. Na noite desta quarta-feira em Porto Alegre, todos os olhares focavam em Everton, o Cebolinha que alçou novos voos com a Seleção Brasileira, mas voltou para ser decisivo mais uma vez e fazer vibrar a torcida gremista.

Antes da bola rolar, ainda fora da Arena, a preocupação de torcedores era com a permanência do craque da camisa 11. "Eu acredito que com essa direção competente que temos, conseguimos segurar mais um pouco. Ele sai no fim do ano e ainda nos dará muitas alegrias", projetou o gremista Adelar, otimista. Ao seu lado, o amigo Daniel já estava resignado. "Acho que não tem como ele ficar. Vamos curtir mais um grande dia do Cebolinha e ele ainda vai guardar gols para a gente festejar", comentou.

O ônibus gremista chegou ao estádio, Everton desembarcou totalmente focado e cruzou a zona mista longe da imprensa. Logo depois, recebeu homenagem tricolor, uma camisa 19 especial com números dourados por sua atuação com a Seleção e o título continental.

A bola rolou na Arena, Everton estava lá, na sua posição tradicional pela ponta esquerda. Foram três longos minutos em que a torcida segurou o verbo. Mas ele finalmente dominou a bola e o estádio já explodiu em festa, mesmo com o desarme do jogador do Bahia.

Com marcação dupla no lado de preferência, ele trocou com Alisson e veio incomodar na direita. Fez uma boa jogada e cavou escanteio em seguida, mas não conseguiu ser tão objetivo. Voltou para a esquerda e aí passou a ser a grande arma gremista. Deixou a marcação do Bahia tonta ao menos duas vezes, driblando até quatro marcadores, mas na hora do passe final, defensores e goleiro levaram a melhor.

Até os 44 minutos do primeiro tempo, porém. Everton disparou pela esquerda, recebeu nas costas da zaga e driblou o goleiro. Teria marcado o gol, mas foi puxado pelo pé. Pênalti marcado. O Cebolinha pegou a bola e não deixou para mais ninguém. Respirou, cobrou certeiro no canto esquerdo, Douglas foi no lado oposto e festa total na Arena.

O Bahia decidiu jogar aquele balde de água fria e fez o gol de empate na volta do intervalo. Não esfriou o Cebolinha, contudo, que respondeu com uma janelinha no marcador que quase virou gol. Sem desistir, ele ainda criaria boa chance aos 22 minutos. Recebeu na esquerda, escapou da falta e bateu de chapa, tirando tinta do poste esquerdo. Nas cadeiras, Rodrigo pediu: "Hoje é o dia dele, tem que guardar uns dois de presente para a gente". Everton tentou, pediu bola, trombou com a marcação. Não levou.

O empate frustrou os gremistas, mas Cebolinha não. O atacante deixou sua marca, correu mais que qualquer um em campo e confirmou. Quando sair, deixa uma camisa 11 gigante, difícil de substituir a curto prazo.