Guerrero admite constrangimento por jejum de gols
capa

Guerrero admite constrangimento por jejum de gols

Principal jogador colorado em 2019 marcou apenas um gol nesta temporada

Por
Fabrício Falkowski

Atacante ainda reclamou da marcação dos zagueiros adversários


publicidade

Paolo Guerrero encerrou 2019 como o principal jogador do Inter. Seus gols, principalmente na reta final do Campeonato Brasileiro, garantiram o time colorado na Libertadores. Porém, o centroavante não começou a nova temporada no mesmo ritmo. Além de ter marcado apenas um gol em 2020, suas atuações estão abaixo do nível que a torcida acostumou-se a ver. Político, Guerrero evita reclamar, mas o esquema preparado por Eduardo Coudet não tem favorecido as suas características.

O peruano é um centroavante técnico. Serve como um bom pivô, mas nunca jogou fixo dentro da área adversária. Gosta de movimentar-se e participar mais do jogo, fazendo tabelas com os companheiros de setor ofensivo. Por isso, tem dificuldades quando não tem companhia. Depois do jogo contra o Tolima, quarta-feira, no qual não marcou mais uma vez, ele admitiu que está constrangido com o jejum e reclamou da marcação dura que vem sofrendo dos zagueiros.

“Claro que fico um pouco chateado (com a falta de gols). Mas os zagueiros também não me deixam virar? Se viro, fica muito fácil para mim. Vou poder servir algum dos meus companheiros ou finalizar para o gol. Mas eles não me deixam virar. Esse é o jogo que estão fazendo”, afirmou Guerrero, que segue: “O professor (Coudet) me pede para ficar como nove e isso também dificulta um pouco. Sou um nove fixo e isso é mais difícil, pois quando a bola chega têm dois zagueiros ali marcando. Mas precisamos trabalhar, se adaptar e se entrosar. Eu trabalho para ajudar e quando não marco (gols), fico um pouco mais desesperado”, disse.

Apesar da má fase, Guerrero é considerado fundamental pelo técnico. Tanto que entregou a ele a braçadeira de capitão quando D’Alessandro não está em campo. Na semana passada, inclusive, o Inter anunciou a prorrogação do seu contrato, que agora vai até dezembro de 2021. “Estou tendo aproximação dos companheiros, principalmente nos jogos em casa.

Fora, eles ajudam mais na marcação. Agora, é preciso trabalho para entrosar. Tenho que ler os movimentos deles e eles os meus. Vamos seguir trabalhando”, disse o peruano, que foi alvo do assédio do Boca Juniors, da Argentina, no início da temporada.