Inter domina a Universidad de Chile, vence por 2 a 0 e avança à terceira fase da Pré-Libertadores
capa

Inter domina a Universidad de Chile, vence por 2 a 0 e avança à terceira fase da Pré-Libertadores

Boschilia e Marcos Guilherme marcaram os gols que garantiram classificação do Colorado na noite desta terça-feira no Beira-Rio

Por
Correio do Povo

Inter dominou as ações e venceu a La U por 2 a 0 na noite desta terça-feira


publicidade

Na primeira grande decisão da Era Coudet, o Inter passou com méritos. Na noite desta terça-feira, no Beira-Rio, controlou o jogo ao longo dos 90 minutos, se impôs diante da Universidad do Chile e construiu vitória por 2 a 0 para avançar à terceira fase da Pré-Libertadores.

Os gols foram marcados um em cada etapa, por dois jogadores que entraram ao longo do confronto. No primeiro tempo, Boschilia anotou. Na segunda etapa, Marcos Guilherme fez um golaço para assegurar a vaga. Na terceira fase da Pré-Libertadores, o Inter enfrenta o Tolima, que venceu o Macará por 1 a 0. O confronto, que vale um lugar na fase de grupos, já inicia semana que vem. 

Antes disso, o Inter ainda volta a campo para o primeiro Gre-Nal do ano, válido pela semifinal do primeiro turno do Gauchão. O clássico será as 16h30min de sábado, no estádio Beira-Rio. 

Superior, Inter domina e marca no fim do primeiro tempo

Apesar da possibilidade de trocas no time, conforme informação surgida no início da semana, o técnico Eduardo Coudet optou por repetir a equipe que empatou em 0 a 0 o jogo de ida, no Chile. Assim, Boschilia, de boa atuação diante do Novo Hamburgo pelo Estadual, ficou no banco, e o quarteto de meio-campo foi mantido, com Musto, Edenílson, Lindoso e Patrick.

Com muito mais posse de bola nos minutos iniciais, o Inter começou bem a partida, apertando a saída de bola e pressionando a La U em seu próprio campo. Com as linhas adiantadas, foi um defensor que criou a primeira chance. Após jogada trabalhada pela esquerda, a bola ficou para Cuesta na entrada da área. Ele limpou dois defensores e bateu cruzado, de canhota. A bola passou perigosamente à frente do goleiro Campos.

As construções de jogada do Inter ao longo do primeiro tempo foram, em boa medida, nas combinações pelo lado esquerdo, com Moisés sendo um dos jogadores mais participativos ofensivamente. Somou-se a ele Boschilia, que aos 17 minutos entrou no lugar de Patrick, substituído por conta de dores após receber uma pancada nas costelas. 

Apesar do maior volume e da grande diferença na posse da bola, o Inter não criou tantas chances de gol. Foram apenas cinco finalizações na primeira etapa. Uma das mais perigosas veio após cobrança de escanteio curto de D'Alessandro, buscando Rodinei. Ele cruzou e achou Rodrigo Lindoso, que cabeceou muito perto do gol.

Mas a bola na rede viria apenas na última finalização da etapa inicial, aos 43 minutos. E ela veio justamente em uma das virtudes do time de Coudet: a pressão alta na saída de bola do adversário. Boschilia apertou o defensor da La U e roubou a bola. Ele avançou em velocidade, saiu na cara do goleiro e o deslocou com categoria para fazer 1 a 0 e deixar o Inter em vantagem ao intervalo.

Golaço de Marcos Guilherme decide classificação

Para a segunda etapa, a La U fez duas trocas, na tentativa de mudar o cenário do jogo, já que precisava de pelo menos um gol para avançar à próxima fase. O técnico Héctor Caputto lançou a campo o atacante Lobos e o meia Gonzalo Espinoza, nos lugares de Henríquez e Cornejo.

O Inter perdeu a chance de encaminhar a classificação logo aos sete minutos da etapa final. Do círculo central, Edenílson fez belo lançamento de primeira buscando Guerrero no comando de ataque. O peruano avançou livre e saiu na cara de Campos. No entanto, o atacante preferiu driblar o goleiro, e perdeu o ângulo. O atacante ainda chegou a escorregar, mas conseguiu permanecer de pé a tempo de cruzar para D'Alessandro, que vinha entrando na pequena área. O argentino não alcançou o cruzamento e ainda sofreu uma pancada, que a arbitragem não interpretou como pênalti. 

Com as alterações, a La U voltou com uma postura diferente para a etapa final, buscando um pouco mais o gol e conseguindo reter a bola, especialmente graças à entrada de Gonzalo Espinoza, que mudou a dinâmica do meio do time chileno. O Inter, por outro lado, reduziu o ritmo e não manteve a intensidade do primeiro tempo, ainda que sempre mantendo uma posse de bola muito maior que a do adversário.

Controlando as ações, o Inter carimbou a vaga para a próxima fase aos 30 minutos da etapa final. Em belo lançamento do campo de defesa, a bola chegou até Marcos Guilherme, pelo lado esquerdo de ataque. Em alta velocidade, ele ganhou do defensor e em seguida o driblou. O goleiro Campos também foi fintado antes do chute seco, no alto, sem chance para a zaga chilena. O 2 a 0 assegurou a classificação do Inter, que só precisou administrar o resultado nos minutos finais. 

Pré-Libertadores - 2ª fase

Inter 2
Marcelo Lomba, Rodinei, Cuesta, Moledo e Moisés; Musto (Johnny), Edenílson, Lindoso e Patrick (Boschilia); D'Alessandro (Marcos Guilherme) e Guerrero. Técnico: Eduardo Coudet.

Universidad de Chile 0
Campos; Matias Rodriguez, Del Pino, Carrasco e Beausejour; Moya, Aranguiz (Zacaria), Salani e Cornejo (Gonzalo Espinoza); Larrivey e Henríquez (Lobos). Técnico: Héctor Caputto.


Gols: Boschilia (43/1T) e Marcos Guilherme (30/2T)
Cartões amarelos: Rodinei, D'Alessandro, Lindoso, Guerrero (Inter); Mathias Rodríguez, Carrasco (Universidad de Chile)
Árbitro: Esteban Ostojich (URU)
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre (RS)
Público: 41.864 torcedores
Renda: R$ 1.794.150,00