Brasil joga bem, vence o Egito e segue sonhando com o bicampeonato olímpico

Brasil joga bem, vence o Egito e segue sonhando com o bicampeonato olímpico

Seleção desperdiçou diversas chances, mas venceu por 1 a 0 e agora encara o México na próxima terça-feira

Correio do Povo

Matheus Cunha marcou o primeiro gol do jogo

publicidade

O sonho do bicampeonato olímpico segue vivo para o Brasil em Tóquio. Jogando bem, a seleção brasileira venceu por 1 a 0 o Egito, na manhã deste sábado, em Saitama, no Japão e garantiu vaga nas semifinais dos Jogos Olímpicos. Agora, a seleção brasileira encara o México, na próxima terça-feira, em busca de uma vaga na decisão da Olimpíada e o inédito bicampeonato no futebol.

Do outro lado da chave, se enfrentam Espanha e Japão. Por avançar até as semis, o time de André Jardine já está garantido na disputa por medalhas. 

No duelo desta noite japonesa, Matheus Cunha marcou ainda na primeira etapa, com amplo domínio brasileiro. Único destaque negativo da partida foi a quantidade de chances que o Brasil criou e perdeu, especialmente no segundo tempo. 

Controle brasileiro

Um belo primeiro tempo do Brasil no Japão. Trocando passes e controlando a partida contra um organizado Egito, o time de André Jardine sempre esteve mais perto de marcar do que se sofrer gols nos 45 minutos iniciais. Com o atacante Antony ligado e Richarlison novamente inspirado, a seleção dominou amplamente os adversários com uma marcação alta. 

Aos 18 minutos, o atacante Matheus Cunha, artilheiro do ciclo olímpico, desperdiçou uma chance clara ao ser encontrado livre dentro da área por Antony. Ele não conseguiu dominar e a bola passou pelo seu pé. Antes, Douglas Luiz finalizou forte por cima do gol na primeira chegada do jogo. 

Embora o gol demorasse a sair, o Brasil seguia em cima e não se intimidava, especialmente com um bom trabalho de bola no meio de campo com destaque para Douglas Luiz, voltando de suspensão, e Bruno Guimarães.  

Esse entrosamento nos passes se transformou em gol aos 36 minutos. Em jogada de passes de Claudinho e Richarlison, o "Pombo" rolou bem para Matheus Cunha dentro da área e dessa vez ele não desperdiçou. Uma finalização colocada e sem chances para o goleiro El Shenaway. 

Vaga assegurada

Na volta do intervalo, o Brasil ampliou ainda mais seu controle da partida nos primeiros minutos. Logo no primeiro minuto, poderia ter ampliado. Douglas Luiz encontrou bom passe para Matheus Cunha, que saiu na cara do goleiro, mas tocou para fora. Na sequência, ele precisou ser substituído e deu vaga para Paulinho. 

Aos 10, Arana perdeu a chance do dois a zero. Com o tanque cheio, o atacante Paulinho levou a melhor na velocidade e inverteu boa bola para o lateral, que dominou mal e finalizou em cima do goleiro. Aos 21, foi a vez do garçom do lance anterior desperdiçar o seu. Douglas Luiz achou Paulinho em boas condições. Ele conseguiu conduzir a bola até a cara do goleiro, mas o chute saiu novamente no corpo do arqueiro. 

Depois de perder chances de ampliar, o cenário da partida se alterou. Conforme o tempo avançava, o Brasil, dono das ações, passava a atuar mais resguardado para assegurar a vaga e não sofrer o empate. Sem nada a perder, o Egito se lançou ao ataque, mas pecava na falta de criatividade ofensiva. 

Erguendo bolas em profusão para dentro da área, o adversário não levou perigo no fim e a seleção brasileira se segurou para garantir a vaga na próxima fase.

Jogos Olímpicos - Quartas de final - Futebol Masculino

Brasil

Santos; Daniel Alves, Diego Carlos, Nino e Guilherme Arana; Douglas Luiz, Bruno Guimarães e Claudinho (Reinier, aos 19/2ºT); Antony (Malcom, aos 19/2ºT), Matheus Cunha (Paulinho, aos 8/2ºT) e Richarlison (Gabriel Menino, aos 46/2ºT). Técnico: André Jardine.

Egito

El-Shenawy; Karim El-Raki (Ashour, aos 17/2ºT), Osama Galal, Hegazy, El-Wench e Ahmed Fotouh; Tawfik, Taher Mohamed (Maher, aos 38/2ºT), Hamdy (Mansy, aos 38/2ºT) e Sobhi; Ahmed Rayan (Mohsen, aos 17/2ºT). Técnico: Gharib Shawky.

Gol: Matheus Cunha, aos 36/1ºT
Cartões amarelos: Antony (Brasil), Tawfik (Egito)
Local: Estádio Saitama, em Saitama (Japão) Data: 31 de julho de 2021, às 7h
Árbitro: Chris Beath (Austrália) 
Assistentes: Anton Shchetinin e George Lakrindis (ambos da Austrália) 
VAR: Marco Guida (Itália)

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895