Grego anota marca de 8,41m e conquista medalha de ouro no salto em distância

Grego anota marca de 8,41m e conquista medalha de ouro no salto em distância

Em prova espetacular, Miltiadis Tentoglou superou os cubanos Juan Miguel Echevarría (8,41m), que ficou com a prata, e Maykel Massó (8,21m), que foi bronze

AFP / AE

Grego voou em uma prova espetacular

publicidade

O grego Miltiadis Tentoglou conquistou a medalha de ouro no salto em distância dos Jogos de Tóquio 2020, nesta segunda-feira, na última tentativa, alcançando a primeira posição com 8,41m. Numa final emocionante, no Estádio Olímpico da capital japonesa, o grego superou os cubanos Juan Miguel Echevarría (8,41m), que ficou com a prata, e Maykel Massó (8,21m), que foi bronze. 

Antes do último salto do grego, Echevarría e Massó ocupavam, respectivamente, a primeira e segunda poisções. Mas Tentoglou foi para o sexto e último e registrou a melhor marca, tirando do pódio o espanhol Eusebio Cáceres (8,18m), que ficou na quarta posição.

Porto-riquenha vence 100m com barreiras

A noite de domingo no atletismo (manhã de segunda-feira no Japão), ainda teve disputa de medalha na final dos 100 metros com barreira. A porto-riquenha Jasmine Camacho-Quinn confirmou o favoritismo, mesmo com um susto nas últimas duas barreiras, ao cruzar em 12s36.

 

Camacho-Quinn assumiu a liderança da final na quarta barreira, mas tropeçou na penúltima e teve de diminuir o ritmo antes da última. Mesmo assim não viu a vitória ameaçada. A americana Kendra Harrison levou a prata, com 12s52, e o bronze ficou com a jamaicana Megan Tapper, com 12s55.

Superação

A holandesa Sifan Hassan deu uma grande lição de superação na classificatória dos 1.500 metros. Após sair um pouco para trás na bateria 2, ela tropeçou na queniana Edina Jebitok antes dos primeiros 500 metros e acabou caindo feio. Apesar da queda, a atleta se levantou e seguiu na disputa. E não apenas para competir.

Ultrapassando uma a uma das concorrentes, acabou cruzando a linha de chegada em primeiro. Com 4min05s17, cruzou na frente da australiana Jéssica Hull e da americana Elinor Purrier. As seis primeiras avançavam e ela foi bem além, cumprimentada por todas as concorrentes pela redenção na bateria.

Veja Também


Mais Lidas


Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895