Tóquio estuda cortar gastos dos Jogos Olímpicos
capa

Tóquio estuda cortar gastos dos Jogos Olímpicos

Relatório apontou que valor gasto com a realização do evento poderá quadruplicar

Por
AFP

Custo para realização dos Jogos de Tóquio pode quadruplicar

publicidade

A cidade de Tóquio deve reduzir drasticamente os custos de três instalações olímpicas dos Jogos de 2020, anunciou nesta quinta-feira a nova governadora da capital japonesa, Yuriko Koike. A medida ocorreu após um levantamento apontar que o orçamento global quadruplicar com relação ao inicialmente previsto

Um grupo de universitários e empresários entregou a Koike um relatório com uma lista de propostas, entre elas a reformulação das sedes da natação, do vôlei e da estrutura de remos e canoagem, cujo custo é avaliado em 1,34 bilhão de euros.

Eleita no fim de julho e conhecida por não medir as palavras, a ex-ministra e senadora, que recebeu a bandeira olímpica das mãos do prefeito Eduardo Paes na cerimônia de encerramentos dos Jogos do Rio, pediu uma revisão do orçamento do evento. “Eu levo esse relatório muito a sério. Depois de conversar com outras pessoas responsáveis pelos Jogos, tomarei uma decisão o quanto antes. Não podemos deixar esse fardo de legado para os moradores de Tóquio”, avisou a governadora, que é a primeira mulher a ocupar o cargo.

O professor Shinichi Ueyama, da Universidade de Keio, que foi um dos redatores do relatório de 97 páginas, avisou que o custo dos Jogos. “Por mais incrível que pareça, não existe diretor financeiro para controlar o orçamento”, alertou.

A quatro anos dos Jogos, não faltam polêmicas na capital japonesa. O estádio olímpico ainda não saiu do papel, já que o projeto inicial foi cancelado, por ser considerado caro demais. O logotipo oficial também teve de ser abandonado, por conta de acusações de plágio. A própria vitória na eleição que definiu a sede, em setembro de 2013, é manchada por acusações de corrupção, investigadas pela Justiça francesa.