Renault admite deixar Fórmula-1 por questão ambiental
capa

Renault admite deixar Fórmula-1 por questão ambiental

Montadora deve fazer um anúncio em dezembro sobre seus planos na categoria

Por
AE

O brasileiro Carlos Ghosn é o presidente da montadora francesa

publicidade

A permanência da Renault na Fórmula-1 continua em dúvida, e nesta terça-feira surgiu uma nova questão que pode dificultar o caminho da montadora na categoria. Além dos aspectos econômicos, o presidente da marca - o brasileiro Carlos Ghosn - vê a questão ambiental como entrave. "Nos últimos anos as montadoras têm saído da Fórmula 1. Foram três em 12 meses (Honda, BMW e Toyota). Então há várias questões a serem resolvidas. Não sei o quanto é possível intercalar a Fórmula 1 com nossas preocupações ambientais", disse Ghosn em entrevista à edição indiana da revista Forbes.

A Renault deve fazer um anúncio em dezembro sobre seus planos na categoria. Embora não haja informações oficiais, são constantes os boatos de que a montadora deixará a categoria. Em 2009, além do desempenho ruim nas pistas, a Renault teve seu nome muito manchado pela eclosão do escândalo do GP de Cingapura do ano passado, quando os diretores Flavio Briatore e Pat Symonds arquitetaram um acidente de Nelsinho Piquet para beneficiar Fernando Alonso.