Saída de Mbappé do PSG é marcada por impasse financeiro

Saída de Mbappé do PSG é marcada por impasse financeiro

AFP

Mbappé parece estar cada vez mais próximo do Real Madrid

publicidade

O final da "era Kylian Mbappé" no Paris Saint-Germain se tornou uma queda de braço em meio a um impasse financeiro entre as partes.

Enquanto Mbappé, que parece estar cada vez mais próximo do Real Madrid, anunciou sua saída do PSG há duas semanas, o "divórcio" entre o jogador e o presidente do clube, Nasser Al-Khelaïfi, não está sendo tão amigável quanto ambos gostariam.

"Desejo-lhe o melhor. Ele fez coisas excepcionais por nós durante sete anos. Tinha 17 anos quando chegou, agora é um menino crescido, o melhor jogador do mundo. Estou orgulhoso do que ele fez pelo clube. E nunca se sabe, talvez um dia ele volte à França. Sei das suas ambições, ele queria mudar, ir a outro campeonato para viver novas experiências, tem direito a isso", declarou Al-Khelaïfi no Globe Soccer Forum na noite de quarta-feira.

Embora os dois tenham se abraçado após a vitória do PSG na final da Copa da França, os trâmites para a saída de Mbappé não são dos mais simples.

Segundo fontes próximas, que confirmaram uma informação do jornal L"Équipe, o PSG não pagou o salário de abril do atacante.

Contactados pela AFP, nem a assessoria do jogador nem o PSG deram resposta. Este não pagamento estaria ligado ao acordo firmado entre Mbappé e o clube no ano passado, pelo qual o jogador concordou em abrir mão de uma parte de seus bônus, explicou uma fonte próxima à AFP, que garante que as conversas são "calmas" e que "uma saída positiva" será encontrada.

Mas para outra fonte próxima das negociações, a versão é diferente: esta decisão foi por iniciativa do clube e sem ter notificado o jogador.

Sem acordo

Em todo caso, até ao momento não houve qualquer acordo entre as partes, segundo a fonte, que acrescenta que a retenção do salário se soma ao não pagamento de uma premiação - sem especificar o conceito - num total de 80 milhões de euros (aproximadamente R$ 450 milhões na cotação atual).

Ambas as partes reconheceram que Mbappé, cujo contrato com o PSG vai até o dia 30 de junho, abriu mão de uma parte de seu bônus em virtude de um acordo firmado com o clube no início da temporada passada, após ter ficado afastado da equipe por um mês.

O valor desse bônus estava entre 60 e 70 milhões de euros (de R$ 337 milhões a R$ 393 milhões), segundo uma fonte próxima, o que cobriria financeiramente o clube em caso de saída do atacante.

Finalmente, o PSG pagou esse bônus a Mbappé em fevereiro, disse à AFP uma das fontes próximas à negociação, sem especificar os motivos dessa mudança.

Com a assinatura do contrato em 2022, Mbappé garantiu um salário de 72 milhões de euros brutos anuais (R$ 404 milhões), um bônus de assinatura de 150 milhões de euros (R$ 842 milhões diluído em três parcelas, e um bônus de fidelidade crescente; 70 milhões de euros brutos no primeiro ano, 80 milhões de euros no segundo e 90 milhões de euros (R$ 505 milhões) no terceiro, segundo o jornal Le Parisien.

Questionado na quarta-feira pela CNN sobre essa renovação em 2022, Mbappé explicou: "Foi mais do que ficar no PSG. Foi a Copa do Mundo do Qatar. Houve muitas coisas. Foi uma decisão importante, difícil, mas não me arrependo de nada".

"Só quero lembrar as melhores coisas. Não foi uma situação fácil e não quero que ninguém passe por isso", acrescentou o jogador.

Com estas novas divergências, Mbappé, que iniciou na quarta-feira a preparação para o Eurocopa 2024 com a seleção da França, ainda não deixou para trás uma temporada movimentada até ao final.


Mais Lidas

Confira a programação de esportes na TV desta terça-feira, 23 de abril

Opções incluem eventos de futebol e outras modalidades esportivas em canais abertos e por assinatura



Placar CP desta terça-feira, 23 de abril: confira jogos e resultados das principais competições de futebol

Acompanhe a atualização das competições estaduais, regionais, nacionais, continentais e internacionais

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895