Torcedor que jogou spray de pimenta em jogadores do River pede desculpas
capa

Torcedor que jogou spray de pimenta em jogadores do River pede desculpas

Adrián Napolitano foi um dos sete sócios banidos pelo Boca Juniors na semana passada

Por
AFP

Torcedor que jogou spray de pimenta em jogadores do River pede desculpas

publicidade

O torcedor do Boca Juniors que agrediu jogadores do River Plate durante o superclássico válido pelas oitavas de final da Copa Libertadores admitiu a autoria do ataque e pediu desculpas nesta segunda-feira diante da justiça argentina, informou seu advogado. 

Adrián Napolitano, conhecido como “o Padeiro” foi um dos sete sócios banidos pelo Boca na semana passada. O torcedor, que ganhou o apelido por ser de uma família que possui uma rede de padarias na capital argentina, já tinha reconhecido na imprensa ter sido o agressor da partida, disputada no dia 14 de maio, depois de ser flagrado pelas câmeras de televisão.

Napolitano não nega o fato, e contou à juíza como tudo aconteceu, segundo o advogado. “Disse que não foi premeditado. Foi o fato de uma pessoa só, que teve muita consequência”, relatou Hernán Carluccio, advogado, do 'Padeiro'. “Ele está muito arrependido, e pediu desculpas diante da justiça.”

Confusão determinou fim precoce do jogo

O duelo Boca-River foi suspenso antes do início do segundo tempo, após atletas serem atingidos por gás de pimenta no corredor que leva do vestiário ao campo. Pelo escândalo na Bombonera, o Boca Juniors foi desclassificado da Libertadores 2015 pela Conmebol, que aplicou uma multa de 200 mil dólares ao clube argentino e o puniu com duas partidas com portões fechados como mandante.

De acordo com a imprensa argentina, a juíza Wilma López possui escutas telefônicas que revelam como foi planejado o ataque, que contou com a entrada de um drone no estádio. O drone sobrevoou o campo de jogo no intervalo, arrastando um tecido branco no formato de fantasma com uma grande letra 'B' no peito, uma referência ao rebaixamento do River Plate à segunda divisão em 2012. Napolitano é mencionado nessas escutas, embora ele mesmo tenha afirmado diante da justiça ter agido sozinho.