Associação de professores se posiciona contra à retomada das aulas em Uruguaiana

Associação de professores se posiciona contra à retomada das aulas em Uruguaiana

Em nota, a entidade diz que a pandemia alterou o equilíbrio emocional de toda a comunidade

Fred Marcovici

Associação de professores se posiciona contra à retomada das aulas em Uruguaiana

publicidade

A Associação de Professores e Especialistas de Educação da Rede Municipal de Uruguaiana (Apemu), em documento enviado ao prefeito Ronnie Mello, destacou o posicionamento da entidade de classe contrária à oferta de aulas presenciais nas escolas da rede municipal, enquanto não houver comprovadamente o atendimento às exigências de preservação da vida, em resposta ao contexto adverso, complexo e de extremo contágio da Covid-19. 

Conforme a Apemu é importante considerar na decisão de retorno à presencialidade, de responsabilidade do Executivo, atendidas às normas emitidas pelo Conselho Municipal de Educação, entre outras condições, a constituição do quadro de recursos humanos da educação, com 37,91% no ensino fundamental  e 49,76% na educação infantil - em situação de risco. 

A nota destacou, também, que os levantamentos realizados em nível nacional têm demonstrado que os jovens provocam a maior disseminação do vírus e que as crianças e adolescentes, na sua maioria, são assintomáticos frente ao novo coronavírus, repercutindo no seio familiar e, por consequência, acarretando o agravamento dos problemas econômicos. 

A entidade acrescentou ainda que a pandemia alterou o equilíbrio emocional de toda a comunidade, em especial no caso a da comunidade escolar. Também, os professores não são imunes a esta situação. Além de educadores, são filhos, netos, pais e mães, com medos, perdas, aflições e pressões. 

Segundo a Apemu, na reorganização do calendário escolar, deve-se considerar a previsão de períodos de intervalos para recuperação física e mental de professores e das crianças/estudantes, prevendo períodos, ainda que breves, de recesso escolar, férias e fins de semana livres.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895