Banco de Alimentos enfrenta dificuldades para manter entregas de cestas básicas em Caxias do Sul

Banco de Alimentos enfrenta dificuldades para manter entregas de cestas básicas em Caxias do Sul

Iniciativa atende cerca de dez mil famílias por mês, entre fornecimento de refeições e doações

Celso Sgorla

Manter o volume de doações tem sido um desafio para as equipes da prefeitura e para os voluntários

publicidade

O Banco de Alimentos, mantido pela prefeitura de Caxias do Sul e entidades parceiras, enfrenta dificuldades para manter as refeições e a entrega de cestas básicas para famílias que tiveram a situação agravada com o frio e a pandemia de coronavírus.

Desde o início da Campanha Caxias do Amor, em março, houve queda expressiva nas doações de alimentos e itens de higiene. Os itens mais urgentes são arroz, óleo e leite. O Banco de Alimentos, em parceria com a Fundação de Assistência Social (FAS), tem atendido cerca de dez mil famílias por mês, entre fornecimento de cestas básicas e refeições.

A campanha Caxias do Amor foi lançada no início da quarentena envolvendo a prefeitura e várias entidades do município. No  mês de março, foram arrecadados quase 700 kg de alimentos. No mês abril, foram 8.746 kg. Em maio, atingiu “pico” de 14.226 kg. Depois, baixou para 9.106 em junho e 2.397 kg em julho até o dia 09.

Manter o volume de doações tem sido um grande desafio para as equipes da prefeitura e para os voluntários envolvidos na iniciativa. “A pandemia não dá trégua e a campanha vem se alongando. É esperado que haja um desestímulo em doar, porém a necessidade continua”, destacou a diretora de Segurança Alimentar e Nutricional da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Smapa), Cristina Fabian Gregoletto.

Além de cerca de oito mil cestas básicas já entregues em parceria com a FAS, o Banco de Alimentos também fornece refeições e itens para 38 entidades como casas lares, cozinhas comunitárias, lares de idosos, albergue, associações de recicladores e comunidades terapêuticas, entre outras.

As doações podem ser feitas nos supermercados, farmácias e postos de gasolina identificados com caixas e cartazes da campanha. 


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895