Canoas realiza reconstrução de quatro escolas de ensino fundamental

Canoas realiza reconstrução de quatro escolas de ensino fundamental

Ação permitirá a abertura de mais 1,3 mil novas vagas

Fernanda Bassôa

A empresa vencedora da licitação, na gestão anterior, declinou oficialmente do contrato de reconstrução da EMEF Ministro Ludwig

publicidade

Quatro escolas municipais de ensino fundamental estão sendo reconstruídas em Canoas, o que vai possibilitar a abertura de 1.371 novas vagas. Os serviços nas EMEFs Gal Neto, Walter Peracchi, Sete de Setembro e Rui Cirne Lima, cujos projetos foram anunciados, contratos e assinados ainda na gestão passada, iniciaram na primeira semana de março, após 90 dias de tratativas com as empresas executoras. O investimento total da reconstrução das quatro instituições gira em torno de R$ 16 milhões e o prazo de conclusão é de 18 meses. Outras três escolas que também necessitam de reparos complexos estão com os projetos concluídos e as licitações estão em andamento, de acordo com a Administração municipal.

De acordo com dados fornecidos pela Secretaria de Educação e o Escritório de Projetos do Município de Canoas, em um contexto geral, as edificações se encontram em condições precárias e requerem demolição total das estruturas, pois não atendem às demandas pedagógicas e de acessibilidade necessárias. Todas elas serão reconstruídas com estrutura de concreto armado e alvenaria. A EMEF Rui Cirne Lima, por exemplo, visa a completa demolição das instalações atuais. A escola, inaugurada em 1990, foi construída em madeira com fechamento em placas cimentícias.

Outras três escolas também sofrerão intervenções complexas, igualmente com a demolição das edificações.

Entretanto, o canteiro de obras nestes locais ainda não foi montado. As EMEFs Assis Brasil e Ildo Meneghetti, estão com licitações em andamento. O prazo até ter empresa contratada e apta a iniciar é de até 120 dias. O investimento destes dois educandários é de pouco mais de R$ 10 milhões. O caso mais emblemático é com relação à EMEF Ministro Ludwig. A empresa vencedora da licitação, na gestão anterior, declinou oficialmente do contrato. Por esta razão, a licitação restou revogada e atualmente a equipe técnica da prefeitura realiza a atualização da planilha orçamentária para novamente ser realizada tentativa de contratação de empresa especializada que dará início às obras.

A titular da pasta da educação, Sônia Maria Oliveira da Rosa, afirma que além de possibilitar a oferta de 1,3 mil novas vagas, oferecer qualidade nos espaços escolares é de suma importância. “Qualificar a ambiência dos alunos interfere de forma positiva na aprendizagem dos mesmos e também nas práticas pedagógicas. Os locais ficam mais atrativos, com biblioteca nova, salas conectadas, entre outros benefícios. Um espaço adequado interfere na qualidade de educação. Nossa ideia é fazer a entrega o quanto antes, pois a comunidade está ansiosa para receber estes novos espaços”, disse a secretária. A prefeitura ainda esclarece que os recursos são provenientes de dois financiamentos do Banco do Brasil, realizados pela gestão anterior. Um deles no valor de R$ 18 milhões e outro de R$ 20 milhões.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895