Lojistas querem uma solução para o comércio ilegal em Caxias do Sul

Lojistas querem uma solução para o comércio ilegal em Caxias do Sul

Direção do Sindilojas enviou uma carta para o prefeito da cidade com diversas demandas

Celso Sgorla

Entidade reclama de produtos sem procedência e falsificados dos ambulantes da cidade

publicidade

O prefeito de Caxias do Sul, Adiló Didomenico, recebeu uma carta da direção do Sindilojas do município com pautas sobre a economia e desenvolvimento da cidade. Entre as demandas em discussão, estão o enfrentamento ao comércio ilegal, a realização de feiras itinerantes e a necessidade de uma parceria com a Câmara de Vereadores para que seja resolvida a questão da comunicação visual dos estabelecimentos comerciais na cidade

Segundo a presidente da entidade, Idalice Manchini, a principal demanda do setor lojista é com relação a propagação de ambulantes no centro da cidade oferecendo produtos sem procedência, falsificados, contrabandeados e de origem incerta. Foi reforçado o pedido para que o município coíba essa atividade fiscalizando e reprimindo toda e qualquer prática ilegal nas vias e logradouros públicos de Caxias do Sul.

Além disso foi solicitada a priorização de investimentos em iluminação pública, adequação e limpeza dos contêineres de lixos, a manutenção de lixeiras danificadas, desburocratização dos processos internos da prefeitura municipal, atuando para acelerar o atendimento e liberação de projetos relacionados à Comunicação Visual, bem como prezar pelo cumprimento fiel à norma municipal destinada à regulamentação das feiras itinerantes.

O prefeito de Caxias do Sul, Adiló Didomenico disse que as demandas apresentadas vão ser analisadas e discutidas para serem resolvidas juntamente, com os secretários envolvidos: "Temos duas questões importantes que é o videomonitoramento e a implantação de um novo conceito de iluminação pública”, afirmou. Para ele, o comércio de ambulantes é uma questão que precisa ser resolvida e se comprometeu em buscar soluções.

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895