Municípios do Vale do Sinos têm baixo movimento no primeiro dia de bandeira vermelha

Municípios do Vale do Sinos têm baixo movimento no primeiro dia de bandeira vermelha

Cidades estabeleceram forças-tarefa para fiscalização do comércio não essencial

Por
Stephany Sander

Em Novo Hamburgo, comércio não essencial fechou em sua maioria


publicidade

O primeiro dia de bandeira vermelha  foi de baixíssimo movimento pela região central de Novo Hamburgo no Vale do Sinos e em outras cidades da região. Pela avenida Pedro Adams Filho, estabelecimentos comerciais não essenciais informavam através de cartazes sobre o fechamento. A Central de Fiscalização, circulou por diversos bairros orientando os empresários e fiscalizando as atividades neste primeiro dia. 

A Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Novo Hamburgo, Campo Bom e Estância Velha (ACI -NH/CB/EV) hasteou a bandeira preta em sua sede, além de manifestar por meio de uma nota, dizendo estar ao lado dos esforços que vêm sendo feitos em prol da saúde, bem como ao lado da economia. No texto, a entidade diz lutar para restabelecer o equilíbrio e a retomada gradual de uma economia que sofre restrições de abertura há mais de 90 dias.

Já no município de São Leopoldo, equipes da força-tarefa circularam por toda a cidade para fiscalizar o cumprimento das medidas de restrição impostas pela bandeira vermelha. Ao menos dez estabelecimentos que ainda mantinham as portas abertas foram notificados e fechados. Entre os locais estavam financeiras, tabacarias, estética, empresas de tecnologia, lojas de roupas e itens domésticos, escritórios e estacionamento privado. O trabalho seguirá ao longo da semana.


Em Estância Velha, a prefeita Ivete Grade realizou uma reunião com o setor de fiscalização com o objetivo de intensificar as ações na cidade: “A comunidade precisa colaborar para juntos sairmos da bandeira vermelha”, disse, destacando que um carro de som, com informações de conscientização em relação ao combate e prevenção do coronavírus passará a circular na cidade e que a interdição de áreas públicas, principalmente praças, também será ampliado.