Prefeito de Alegrete anuncia medidas mais rigorosas de fiscalização contra Covid-19

Prefeito de Alegrete anuncia medidas mais rigorosas de fiscalização contra Covid-19

Exército Brasileiro esclareceu que não deve apoiar município em medidas de segurança

Fred Marcovici

Cidade registra incidência de novos casos de coronavírus

publicidade

O prefeito de Alegrete, Márcio Amaral, anunciou após reunião de integrantes do Comitê de Crise, na noite desta sexta-feira, estar tomando medidas mais rigorosas de fiscalização na cidade. "Nós vivemos momentos difíceis desde o início desta pandemia. Picos de novos casos estão ocorrendo em Alegrete, assim como estão acontecendo em diversos lugares do mundo."

"Para evitar as aglomerações, fecharemos ruas que dão acesso às praças, parques e logradouros, vamos intensificar a fiscalização e contaremos com o apoio do Exército Brasileiro", acrescentou o gestor, Conforme ele, a força militar "estará fazendo o patrulhamento à noite, auxiliando a equipe de fiscais municipais para evitar aglomerações nas praças, parques e entorno". O Exército, no entanto, comunicou que "não há previsão de qualquer ação de militares do Exército Brasileiro em apoio à fiscalização municipal de Alegrete" para evitar aglomerações nas praças, parques e entorno. O Comando Militar ainda ressaltou que não compete ao Exército exercer a fiscalização de civis, principal em áreas fora da administração militar.

Amaral destacou que as equipes de campanha do partido não sairão às ruas neste final de semana e a sede estará fechada. "Portanto, peço a colaboração da população. Precisamos que a comunidade entenda a gravidade da situação e evitemos restrições mais rigorosas ou o mesmo o lockdown", alertou. Por último solicitou a todos que continuem se cuidando - usando máscara, álcool em gel, evitando aglomerações e fazendo a higienização. No momento Alegrete conta com 765 casos confirmados da doença, sendo 127 ativos. São quatro pacientes hospitalizados e 123 em isolamento domiciliar monitorado. Houve 16 óbitos desde o início da pandemia.
 

Veja Também


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895