Cientistas descobrem impacto que modelou Via Láctea há 10 bilhões de anos
capa

Cientistas descobrem impacto que modelou Via Láctea há 10 bilhões de anos

Pesquisadores puderam reconstituir em três dimensões a chegada de estrelas ao longo do tempo

Por
AFP

Satélite cartografou em 3D quase 1,7 bilhão de estrelas da nossa galáxia


publicidade

O círculo galáctico que rodeia a Via Láctea é composto principalmente por destroços procedentes de sua colisão, há 10 bilhões de anos, com uma galáxia do tamanho equivalente a 600 milhões de vezes o do Sol, anunciaram pesquisadores nesta quarta-feira. Os astrônomos tentam compreender há muito tempo se a Via Láctea se formou a partir de várias colisões com "pequenas" galáxias ou se cresceu a partir de um único grande impacto.

Diante desta questão, os astrônomos analisaram os dados obtidos pelo telescópio espacial europeu Gaia, colocado em órbita pela Agência Espacial Europeia em 2013. O satélite cartografou em 3D quase 1,7 bilhão de estrelas da nossa galáxia, e conseguiu determinar a distância da Terra e a velocidade de grande parte delas. "Não esperávamos que a maioria das estrelas que integram o halo tivessem uma origem comum (...), mas formam um grupo bastante homogêneo", explicou à AFP Amina Helmi, coautora do estudo, publicado nesta quarta-feira na revista Nature.

Além disso, "sua composição química é claramente diferente das estrelas 'de origem' da Via Láctea", acrescentou. Os pesquisadores puderam reconstituir em três dimensões a chegada destas estrelas ao longo do tempo. "O visão reversa desta reconstituição permitiu aos astrônomos analisar como se formou nossa galáxia e como evoluiu", explicou Kim Venn, astrônomo da Universidade de Victoria, no Canadá.

Amina Helmi e seus companheiros puderam estabelecer assim que o choque com a galáxia ocorreu há 10 bilhões de anos, cerca de 3,8 bilhões de anos após o Big Bang. A equipe decidiu chamar esta galáxia Gaia-Enceladus, em referência ao telescópio Gaia e ao gigante da mitologia grega Encélado.