Índia deve entrar em recessão técnica pela primeira vez na história

Índia deve entrar em recessão técnica pela primeira vez na história

Desde 2017 país sofre desacelaração econômica, e pandemia sacramentou resultados negativos

Correio do Povo e AE

A economia caiu cerca de 24% de abril a junho

publicidade

A economia da Índia provavelmente registrou contração pelo segundo trimestre consecutivo, entrando em recessão técnica, segundo um grupo de economistas que inclui Michael Patra, o vice-presidente do Banco Central indiano. "A Índia entrou em recessão técnica no primeiro semestre do ano fiscal de 2020-21 pela primeira vez na história", diz o boletim mensal do Reserve Bank of India (RBI), órgão responsável pela política monetária.

O Produto Interno Bruto (PIB) contraiu 8,6% no trimestre encerrado em setembro, mostrou o RBI em sua primeiro "previsão imediata" publicada, que é uma estimativa baseada em dados de alta frequência. A economia caiu cerca de 24% de abril a junho. O governo deve publicar estatísticas oficiais em 27 de novembro. A mediana das previsões em uma pesquisa da Bloomberg com economistas aponta uma contração de 10,4% no trimestre de julho a setembro. 

A pandemia de Covid-19 atingiu fortemente a economia indiana, ao levar à adoção de medidas de confinamento. O número do Reserve Bank é impulsionado por cortes de custos nas empresas, o que impulsionou os lucros operacionais mesmo com a queda nas vendas. A equipe de autores também usou uma série de indicadores de vendas de veículos para liberar a liquidez bancária e sinalizar perspectivas positivas para outubro.

Se essa recuperação for sustentada, a economia indiana voltará a crescer no trimestre outubro-dezembro, antes do projetado pelo governador Shaktikanta Das no mês passado, quando ele prometeu manter a política monetária acomodatícia. No entanto, “há um sério risco de generalização das pressões de preços, desanexação das expectativas de inflação, levando a uma perda de credibilidade nas intervenções políticas”, escreveu a equipe de economistas no boletim do RBI. Eles também destacaram os riscos para o crescimento global de uma segunda onda de infecções por coronavírus.


publicidade

publicidade

Correio do Povo
DESDE 1º DE OUTUBRO 1895