Caixa diz estudar potenciais reduções na taxa de gestão do FGTS
capa

Caixa diz estudar potenciais reduções na taxa de gestão do FGTS

A instituição tem o monopólio na gestão do fundo, e cobra uma taxa de 1% sobre o valor total dos ativos

Por
AE

Pedro Guimarães disse que medida depende do aval ministro da Economia, Paulo Guedes

publicidade

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, reafirmou nesta quarta-feira que o banco está aberto para a discussão sobre a redução da taxa de administração do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). A instituição tem o monopólio na gestão do fundo, e cobra uma taxa de 1% sobre o valor total dos ativos. "A Caixa está estudando potenciais reduções na taxa de gestão do FGTS. Há tranquilidade para reduzir taxa de gestão do FGTS, mas isso depende do aval do meu chefe, que é o ministro da Economia, Paulo Guedes", afirmou o presidente da instituição.

Guimarães evitou comentar a declaração do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que disse nesta semana que a Caixa "rouba" R$ 7 bilhões por ano dos trabalhadores com a cobrança dessa taxa. "Teremos um gasto de R$ 1 bilhão com a operacionalização dos saques do FGTS", argumentou.

Ele também preferiu não opinar sobre a possibilidade dos trabalhadores usarem os recursos do fundo para investirem em fundos ou no mercado de capitais. Conforme mostrou o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), o relator da medida provisória (MP) que permite o saque do FGTS, Hugo Motta (Republicanos-PB), vai ampliar a forma de aplicação do fundo. "A regulamentação do uso do FGTS para aplicar em fundos em ações cabe ao conselho curador. A Caixa não vai se envolver nessa discussão", limitou-se a responder.